Matérias » Personagem

À deriva durante 49 dias: Aldi Novel Adilang, o indonésio que ficou perdido no mar três vezes

Lançado ao mar após ser atingido por um vendaval, Adilang só foi encontrado a milhares de quilômetros de distância de casa

Fabio Previdelli Publicado em 15/06/2020, às 12h42

Aldi Novel Adilang e cabana de pesca flutuante
Aldi Novel Adilang e cabana de pesca flutuante - Divulgação

Em 2018, o jovem indonésio Aldi Novel Adilang foi resgatado após permanecer 49 dias perdido no mar em uma cabana de pesca flutuante. Entretanto, se já não bastasse, a surpreendente história que parece até roteiro de filme ficou ainda mais impressionante quando Adilang revelou que aquela não era a primeira vez que aquilo lhe aconteceu, muito menos a segunda, mas sim a terceira ocasião em que ficou à deriva.

Porém, essa sua última experiência havia sido, de longe, a mais complicada e notória entre todas as outras. Mas como tudo aconteceu?

Foto de Aldi Novel Adilang / Crédito: Divulgação

 

Em meados de julho, Aldi estava trabalhando em uma cabana de pesca a 125 quilômetros da costa de Sulawesi, quando ventos fortes atingiram a embarcação e romperam a corda que prendia sua cabana com as estacas fixas no leito do mar. Assim, a cabana toda foi arremessada a mar aberto.

Com o vento, Adilang, que tinha apenas 18 anos na época, foi levado até perto das ilhas Guam, na Micronésia, a milhares de quilômetros de distancia de onde estava. "A corda se rompeu depois que encostou na cabana do meu amigo", relata. "Infelizmente, ele estava dormindo, então não viu que eu fiquei à deriva."

Nos primeiros dias, ele conseguiu sobreviver graças a seu estoque de comida, entretanto, seus suprimentos duraram apenas uma semana. "Arroz, água limpa, especiarias e gás acabaram. Para sobreviver, eu pescava peixes e queimava madeira das grades da cabana para acender fogo e cozinhá-los. Até comi peixe cru", diz aliviado.

Porém, seu desafio maior era outro: beber água limpa. A solução encontrada pelo jovem foi mergulhar sua roupa no mar e beber água através delas, como se o tecido fosse uma espécie de filtro. Ao fazer isso, ele explica, o gosto de sal era reduzido.

A espera de ajuda

Ao longo do período que ficou à deriva, Aldi relata que avistou cerca de 10 navios que cruzaram seu caminho, porém, nenhum deles o enxergou e muito menos parou para resgatá-lo.

Aldi Novel Adilang / Crédito: Divulgação

 

Desesperado, o indonésio explica que se sentiu deprimido e pensou até em se matar, mas relata que encontrou conforto enquanto cantava músicas cristãs e lia a Bíblia, sempre pedindo para poder ver seus pais novamente.

Assim, felizmente, no dia 31 de agosto Adilang avistou um navio cargueiro. “Eu gritei ‘help, help' [socorro], era a única coisa que eu sabia dizer". Resgatado, o jovem recebeu roupas novas e água potável, mas ainda não sabia que havia sido carregado da Indonésia até o território de Guam.

Aldi ainda ficou na embarcação por uma semana até chegar em terra firme, no Japão. De lá, dois dias depois, voou de volta até a Indonésia e, enfim, conseguiu se reencontrar com seus familiares.

A terceira a gente nunca esquece

Apesar de toda angustia, aquela não seria a única ocasião em que o indonésio havia ficado em deriva, se bem que as outras foram mais curtas e menos traumáticas. "Na primeira vez, fiquei à deriva por uma semana. Na segunda vez, durante dois dias", diz. Apesar do susto, nas duas ocasiões acabou sendo resgatado pelo dono da embarcação.

Aldi Novel Adilang sendo resgatado / Crédito: Divulgação

 

Adilang explica que na embarcação que trabalha não há equipamento de segurança e nem de navegação, muito menos uma bússola. Além do mais, ele recebia comida, água e combustível de algum responsável pela empresa que trabalhava — que também ia recolher o peixe.

Por todo esse esforço, o jovem recebia aproximadamente 134 dólares por mês e já havia firmado um contrato de um ano. Porém, depois que o episódio passou, ele prometeu que aquela seria a última vez que velejou.


+Saiba mais sobre naufrágios por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Naufrágios, de Akira Yoshimura (2003) - https://amzn.to/2VNBpkZ

O Naufrágio do Goilden Mary, de Charles Dickens (2016) - https://amzn.to/2XXFXry

Livro dos Naufrágios: Ensaio Sobre a História Trágico-Marítima, de Angélica Madeira (2005) - https://amzn.to/2VuOTTR

Três destinos, de Nora Roberts (2019) - https://amzn.to/2XTfECZ

Todo naufrágio é também um lugar de chegada, de Marco Severo (2019) - https://amzn.to/2KmQMvv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W