Matérias » Personagem

Acusada de traição: Joan Mulholland, a militante branca que foi presa por protestar contra a segregação

Lutando pelos direitos dos negros na sociedade norte-americana, a jovem foi ameaçada e até perseguida pela Ku Klux Klan

Pamela Malva Publicado em 22/11/2020, às 08h00

Fotografia de Joan Trumpauer Mulholland já idosa
Fotografia de Joan Trumpauer Mulholland já idosa - Wikimedia Commons

Pouco antes de completar dez anos de idade, a pequena Joan Trumpauer Mulholland teve uma experiência que mudou sua forma de enxergar o mundo. Herdeira de uma família comum, ela estava passando as férias de verão na Geórgia.

Um dia, sua grande amiga Mary pensou em um desafio. O que aconteceria se as duas meninas entrassem em uma área conhecida por sua população majoritariamente negra? Curiosas, as crianças decidiram criar coragem e caminhar até lá.

Uma vez na região, que ficava do outro lado dos trilhos do trem, Joan descobriu algo assustador. "Ninguém disse nada, mas a maneira como eles encolheram me mostrou que eles acreditavam que não eram tão bons quanto eu”, narrou ela mais tarde.

Joan Trumpauer Mulholland durante a infância ao lado de sua mãe / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Um mundo diferente

Depois da experiência na cidade, Joan soube que a divisão entre as raças não deveria mais acontecer. Assim, ela jurou que faria o necessário para fazer parte do Movimento dos Direitos Civis. Aos dez anos idade, ela queria mudar o mundo.

Neta de tradicionais proprietários de escravos, a menina frequentava a igreja presbiteriana e esbarrava com situações de racismo todos os dias. Eventualmente, o desejo de mudança de Joan gerou uma discussão entre a família.

A mãe dela, principalmente, sentia um terror absoluto apenas de pensar sobre a possibilidade de integração. Por isso, inclusive, ela queria que a filha fosse estudar na a Universidade de Duke, onde apenas brancos eram aceitos naquela época.

Fotografia de Joan Trumpauer Mulholland (de rosa, ao centro) / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Uma ativista incurável

A vaga de Joan na faculdade não durou muito, já que a jovem decidiu largar o curso. Sem ter para onde ir, ela ingressou no primeiro grupo que a ensinaria sobre a luta contra a segregação: o Nonviolent Action Group, da Universidade de Howard.

Pouco mais tarde, na primavera de 1960, Joan foi para o primeiro de muitos protestos. Na manifestação, ela foi presa e levada até a penitenciária feminina mais próxima, onde escreveu um diário sobre seu dia-a-dia e sobre a segregação que viu nas celas.

Sendo uma mulher branca, ela foi fortemente criticada por seu ativismo e chegou a ser taxada de louca. Logo depois da prisão, inclusive, Jean foi submetida a diversos testes que tinham como objetivo avaliar sua saúde mental.

Fotografia de Joan (de coque, ao centro da mesa) durante ataque em lanchonete / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Protestos sem fim

Uma vez livre de sua primeira condenação, a jovem envolveu-se com um grupo conhecido como os Freedom Riders. Junto dos ativistas, ela foi presa pela segunda vez, agora por dois meses, na penitenciária do estado de Mississippi, em 1961.

Mesmo em cárcere, a jovem de 19 anos se recusava a pagar sua fiança. No final, ela desembolsou apenas uma multa de 200 dólares. Logo depois de solta, Jean passou a acompanhar pelos jornais mais um caso de racismo na Universidade da Geórgia.

Conhecidos como os primeiros afro-descendentes a estudarem na instituição, os jovens Charlayne Hunter-Gault e HamiltonE. Holmes sofreram intensas represálias. Indignada, Joan teve uma ideia que mudaria tudo.

Mugshot de quando Joan foi presa, em meados de 1961 / Crédito: Divulgação/Youtube

 

A ideia de um milhão de dólares

Logo que os estudantes sofreram com a segregação, Joan começou a refletir sobre o assunto. “Se os brancos se revoltam quando negros entram em escolas brancas", pensou, "o que eles fariam se um aluno branco fosse para uma escola para negros?”

Com isso em mente, Joan se tornou a primeira estudante branca a se matricular no Tougaloo College, uma faculdade apenas para negros. Na instituição, ela conheceu nomes como Medgar Evers e o símbolo da resistência negra Martin Luther King Jr..

Meses mais tarde, ela ainda foi a primeira integrante branca da Delta Sigma Theta Sorority, Incorporated, uma fraternidade historicamente afro-americana. Por sua resistência ao sistema segregacionista, a garota recebeu ameaças e até tentativas de suborno de seus pais, mas nada fez com que ela saísse da Tougaloo.

Fotografia de Joan Trumpauer já mais velha / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Luta e resistência

Em 1963, Joan ainda participou de diversos outros protestos pela igualdade e pelo fim da segregação. Em muitos deles, foi chamada de traidora da própria raça, além de sofrer ataques e perseguições da Ku Klux Klan, que exigiam sua execução.

Com o passar dos anos, a mulher participou de mais de 30 mobilizações e, por isso, se afastou completamente da família, que não aceitava seu posicionamento. Ativista incurável, ela já trabalhou no Instituto Smithsonian e como professora de inglês.

Ao lado de Dan Mulholland, Joan teve cinco filhos, antes de se separar, em 1980. Hoje, a manifestante pela igualdade racial está aposentada, mora no estado da Virgínia e já teve sua história contada em diversas peças do audiovisual — como no documentário feito por seu filho, Um herói comum: a verdadeira história de Joan Trumpauer Mulholland.


+Saiba mais sobre racismo através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

Racismos: Das Cruzadas ao século XX, de Francisco Bethencourt (2018) - https://amzn.to/3eI2P3k

Racismo Estrutural, de Silvio Almeida (2019) - https://amzn.to/2BivrBT

Ensaios sobre racismos: pensamentos de fronteira, de Vários autores (eBook) (2019) - https://amzn.to/2zSe9Lx

O Genocídio do negro brasileiro: Processo de um Racismo Mascarado, de Abdias Nascimento (2016) - https://amzn.to/3gJpQF1

Pequeno manual antirracista, de Djamila Ribeiro (2019) - https://amzn.to/2MgPTWh

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W