Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Tragédia

‘A Sociedade da Neve’: Veja fatos sobre a tragédia que inspirou o filme

O novo filme da Netflix chama a atenção por mostrar como 16 pessoas sobreviveram a um acidente aéreo nos Andes; entenda canibalismo e resgate!

Isabelly de Lima Publicado em 09/01/2024, às 16h38

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Cena do filme ‘A Sociedade da Neve’ - Divulgação / Netflix
Cena do filme ‘A Sociedade da Neve’ - Divulgação / Netflix

Em 13 de outubro de 1972, uma aeronave partiu de Montevidéu, no Uruguai, transportando 45 indivíduos. Seu destino original era o Chile, porém, o famigerado destino nunca chegou.

Ao invés disso, o avião caiu nas cordilheiras dos Andes. De maneira surpreendente, nem todos a bordo faleceram, e os 33 sobreviventes originais depararam-se com a perspectiva de enfrentar um inverno rigoroso nas montanhas, completamente isolados.

Como é possível garantir a sobrevivência ao ficar retido no coração dos Andes? Para os ocupantes do voo 571 da Força Aérea Uruguaia, a solução demandou coragem, resistência e a tomada de uma decisão extrema, como a ingestão dos corpos de seus colegas falecidos.

Caso a história te soe familiar, talvez seja porque esse foi o caso que inspirou o mais novo filme da Netflix, ‘A Sociedade da Neve’, que vem chamando a atenção do público graças aos fatos tenebrosos que, de fato, aconteceram. Veja o trailer da produção:

No entanto, para entender a trama melhor e também a realidade, separamos fatores para os quais são necessários atenção redobrada, principalmente para compreender como o grupo conseguiu sobreviver ao trágico acidente.

1. Acidente aéreo

Em um voo que partiu em 13 de outubro, o grupo de rúgbi amador do Old Christians Club enfrentou uma jornada fatídica com destino ao Chile. O avião encontrou condições climáticas adversas nos Andes, dificultando a visão das montanhas, segundo o The Standard.

Com o copiloto inexperiente Dante Lagurara no controle, uma série de erros levou a uma descida antecipada, resultando numa colisão com o cume das montanhas. Apesar dos esforços dos pilotos para recuperar a altitude, o avião foi severamente danificado, deslizando pela montanha antes de parar.

O sobrevivente Daniel Fernández, ao relembrar o impacto, compartilhou com o The Standard a intensidade do momento ao assistir ao filme que retrata o acidente: "Nunca poderia esquecer isso. Até o último detalhe… eu me vi ali na tela, na cadeira, me segurando".


2. E depois?

Após o acidente, que inicialmente deixou 33 pessoas presas nos Andes, os sobreviventes enfrentaram desafios extraordinários durante o período mais severo do ano. A fuselagem branca do avião tornou as tentativas de resgate extremamente difíceis, e, apesar dos esforços dos sobreviventes em marcar um "X" na neve com a bagagem, o avião permaneceu despercebido nos quilômetros de neve.

Cena do novo filme da Netflix que retrata a tragédia - Crédito: Divulgação / Netflix

A sorte dos sobreviventes mudou quando um dos meninos conseguiu resgatar um rádio funcional dos destroços, proporcionando uma conexão vital com o mundo exterior. Daniel Fernández, lembra emocionado: "Eu não queria tocar no dial de jeito nenhum, porque aquele rádio era minha conexão com o Uruguai. Ao ouvi-lo, senti como se estivesse em casa".

No entanto, a tragédia se abateu novamente quando a busca pelo avião foi cancelada, onze dias após o acidente. Sem esperanças de resgate, os sobreviventes transformaram os destroços do avião em abrigo, coletando suprimentos e tentando fazer o rádio do avião funcionar.

A história tomou um rumo sombrio dezessete dias após o acidente, quando uma avalanche atingiu o avião improvisado, resultando em mais oito mortes. Os sobreviventes, agora autodenominados "A Sociedade da Neve", enfrentaram a dura realidade de ficar presos ao lado dos corpos de seus camaradas durante três dias, até que pudessem se libertar após o término da tempestade.

A tragédia moldou não apenas a sobrevivência física, mas também a formação de uma democracia entre os sobreviventes, que se autodenominavam como tal em reconhecimento à sua resiliência coletiva.


3. Sobrevivência rígida

Os sobreviventes enfrentaram um dilema angustiante: a escassez de alimentos nas encostas das montanhas. A fome iminente assolava o grupo, e uma solução urgente precisava ser encontrada para evitar mais mortes. Com quase nenhuma fonte de nutrição disponível, a única opção era recorrer aos corpos dos companheiros falecidos.

Cena do filme 'A Sociedade da Neve' - Crédito: Divulgação / Netflix

Enfrentando dilemas morais e questionamentos religiosos, muitos sobreviventes hesitaram diante da perspectiva de consumir carne humana, temendo não apenas as consequências físicas, mas também as espirituais.

O sobrevivente Roberto Canessa, em suas memórias, descreve o conflito interno que atormentava o grupo: "Nos perguntamos se estaríamos enlouquecendo só de pensar em tal coisa. Será que nos transformamos em selvagens brutos? Ou essa era a única coisa sensata a fazer? Na verdade, estávamos ultrapassando os limites do nosso medo.".

Como Pablo Vierci (autor do livro 'La Sociedad de La Nieve', de 2009, no qual o filme foi baseado) explicou, a situação levou a uma decisão difícil, estabelecida por meio de um acordo não formalizado, originado de uma carta de um dos rapazes falecidos na avalanche. Esse acordo permitia que, em caso de morte, o corpo pudesse ser utilizado pelos sobreviventes como fonte de alimento para a sobrevivência.

Daniel Fernández, um dos líderes do grupo, assumiu a tarefa de distribuir a carne dos corpos, enfrentando as responsabilidades mais difíceis durante essa provação: "Eu era responsável pela distribuição dos cigarros. Eu também estava encarregado de cortar a carne; distribuindo a carne. Tive todos os piores empregos".


4. Resgate difícil

Após quase dois meses enfrentando as adversidades implacáveis das montanhas dos Andes, dois sobreviventes, Nando Parrado e Roberto Canessa, tomaram a decisão corajosa de buscar ajuda. Equipados com um saco de dormir improvisado, feito com isolamento impermeável do avião e tecido com fio de cobre, além de camadas de roupas, embarcaram em uma jornada incansável.

Para Daniel Fernández, a partida da dupla marcou um momento crucial: "O momento em que partiram em busca de ajuda foi o nosso fim. Foi o fim de todo o tempo que passamos selecionando quem iria naquela jornada e preparando a expedição final. Porque a expedição foi a saída para todos nós.".

Enquanto Parrado e Canessa enfrentavam uma caminhada árdua de dez dias pela vastidão das cordilheiras, Fernández, no acampamento, mantinha a esperança viva .

A agonia chegou ao fim em 22 de dezembro de 1972, quando o som da Ave Maria ecoou no rádio de Fernández, sinalizando a chegada do helicóptero de resgate. Das 45 pessoas que partiram, apenas 16 sobreviveram, marcando o extraordinário resgate após 72 dias de luta pela sobrevivência nas implacáveis montanhas dos Andes.

Personagem do filme em cena com avião em pedaços - Crédito: Divulgação / Netflix


5. Para sempre

A história dos sobreviventes dos Andes, inicialmente chamada de "O Milagre dos Andes", rapidamente se tornou um fenômeno na mídia. No entanto, a narrativa de esperança e sobrevivência deu lugar a controvérsias quando surgiram relatos de que os sobreviventes recorreram à carne humana para enfrentar a fome extrema.

Daniel Fernández, relembra: "Durante 30 anos não falei sobre o acidente porque pensei que ninguém estava interessado em saber disso." No 30º aniversário, ao visitarem o local da partida do avião no Chile, a equipe enfrentou a atenção global da mídia. Fernández percebeu o potencial de sua história para inspirar e ajudar as pessoas, iniciando então palestras sobre a experiência.

A decisão de deixar os corpos das vítimas e os destroços do avião no local do acidente resultou na criação de um memorial, uma homenagem permanente às memórias daqueles que perderam a vida.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!