Matérias » Bizarro

Brisa do mar: golfinhos usariam baiacus para ficarem chapados

Há alguns anos, especialistas perceberam que os golfinhos possuíam o hábito de ficar com baiacus em suas bocas, o que chamou atenção da comunidade científica

Giovanna Gomes Publicado em 28/02/2021, às 08h00

Golfinho usando toxina de baiacu
Golfinho usando toxina de baiacu - Divulgação

Os golfinhos são animais extremamente inteligentes e chamam atenção por apresentarem características muito semelhantes às dos seres humanos.

No ano de 2020, uma pesquisa publicada na revista Animal Bahavion apontou que esses mamíferos, além de viver em grupos sociais como nós, também possuem diferentes personalidades.

Enquanto alguns seriam mais tímidos ao serem expostos a pessoas ou sons, outros demonstrariam ser mais ousados e rápidos. Um terceiro grupo, os dos mais indiferentes, também foi identificado.

Outra característica surpreendente é que cada golfinho possui um nome diferente pelo qual são chamados pelos demais membros do bando. Além disso, eles lamentam quando algum de seus semelhantes morre.

Baiacus liberam uma toxina chamada tetrodoxina - Crédito: Divulgação

 

Mas algo que realmente intrigou os especialistas foi um comportamento um tanto peculiar por parte desses mamíferos há alguns anos. De acordo com o meio científico, os golfinhos, muito provavelmente, usam uma toxina liberada pelos baiacus para sentir sensações diferentes (ou, na atualidade, ficarem 'chapados').

Comportamento insólito

Um estudo da Universidade de Murdoch, na Austrália analisou recentemente o comportamento dos golfinhos que viviam na costa do país, no estuário de Leschenault.

A pesquisa percebeu que, por diversas vezes, animais jovens foram flagrados com baiacus em suas bocas, peixes que liberam uma forte toxina chamada tetrodoxina, a qual pode matar até mesmo seres humanos.

Ainda não há um consenso entre os cientistas - Crédito: Divulgação

 

Conforme informações presentes no documentário da BBC Dolphins – Spy in the Pod, que divulgou os primeiros registros da prática intrigante, - onde os animais 'dividem' o baiacu de boca e boca - a substância que bloqueia a ação dos nervos teria efeito narcótico se utilizada em pequenas quantidades. Porém, há cientistas que afirmam que, na verdade, os golfinhos ficam apenas com sensação de dormência.

Conforme repercutido pela Super Interessante, Krista Nicholson, pesquisadora da Murdoch University, declarou que, para parte dos pesquisadores, a prática seria apenas uma brincadeira dos animais, sendo que estes poderiam utilizar até mesmo caranguejos ou algas marinhas para tal.

Os golfinhos foram vistos interagindo com baiacus por diversas vezes - Crédito: Divulgação

 

Mas, segundo o produtor do documentário, o zoólogo Rob Pilley, a equipe viu "os golfinhos lidarem com o peixe de maneira muito suave e delicada, como se não quisessem perturbá-lo demais ou matá-lo. Como resultado, o peixe lançou toxinas e, então, os golfinhos pareciam estar hipnotizados”.

Por fim, ele afirmou que aquilo não se tratava de um evento único, mas “os golfinhos estavam especificamente e deliberadamente manuseando o animal com cuidado”.


+ Saiba mais sobre o reino animal por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Ocean: A Visual Encyclopedia, de DK Publishing (2015) - https://amzn.to/31L941I

Animals: A Visual Encyclopedia, de DK Publishing (2012) - https://amzn.to/33TNk6r

Life Lessons from the Heart of Horses: How Horses Teach Us About Relationships and Healing, de Kathy Pike (2021) - https://amzn.to/31JdYMA

Animal Kingdom: A Collection of Portraits, de Randal Ford (2018) - https://amzn.to/33QdKWN

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W