Matérias » Família imperial brasileira

Cripta imperial: conheça o lugar que abriga os restos de Dom Pedro I e suas duas esposas

Monumento histórico de São Paulo, o local guarda um pedaço importante do passado do país em meio aos caos urbano da grande metrópole

Alana Sousa Publicado em 11/07/2021, às 07h00

Cripta imperial no Parque da Independência, em São Paulo
Cripta imperial no Parque da Independência, em São Paulo - Zé Carlos Barretta via Wikimedia Commons

Em meio ao caos paulistano, em uma grande estrutura feita de granito e bronze, nas margens do riacho do Ipiranga, descansa os restos mortais de Dom Pedro I e suas duas esposas, a Imperatriz Leopoldina e a Dona Amélia de Leuchtenberg.

O local do descanso final do primeiro imperador do Brasil, que abdicou o trono em favor de seu filho, D. Pedro II — o último imperador do país —, esconde segredos e parte do passado imperialista que ainda gera bastante curiosidade entre a população e estudiosos.

Amélia, Pedro e Leopoldina, em ordem / Crédito: Domínio Público/Friedrich Dürck-Simplício Rodrigues de Sá-Josef Kreutzinger

 

Talvez quem passe, na pressa de um longo dia, nem preste atenção nas estátuas que apresentam diferentes momentos que culminaram na Independência do Brasil como a Inconfidência Mineira, a Revolução Pernambucana e as faces das renomadas figuras: José Bonifácio de Andrada e Silva, Diogo Antonio Feijó e Joaquim Gonçalves Ledo.

Conhecida como Cripta Imperial ou, ainda, como Monumento à Independência, a estrutura está localizada no Parque da Independência, bairro do Ipiranga, na cidade de São Paulo, uma das maiores metrópoles da América Latina. Atualmente, o local é gerido pelo Departamento dos Museus Municipais.

Monumento à Independência / Crédito: Igor Rando via Wikimedia Commons

 

A estrutura foi fundada em 1922, quando o país comemorou o centenário da Independência do Brasil, data em que a nação deixou de ser parte do Império Português, em 1822. No entanto, por muito tempo, o monumento funcionou apenas como um túmulo honorário, e não mantinha nenhum cadáver de fato, apenas como forma de homenagem.

Anos antes, todavia, o governo de São Paulo, havia iniciado um concurso com artistas do mundo inteiro para desenhar o projeto histórico. O vencedor foi o italiano Ettore Ximenes que, embora tenha surgido controvérsias na época, sobre a falta de elementos brasileiros no design, permaneceu como líder da ideia, contando com a ajuda do escultor Manfredo Manfredi.

Após alguns elementos terem sido alterados, o monumento foi inaugurado. A ocasião foi simbólica, visto que o projeto não estava finalizado e apenas quatro anos mais tarde ficaria totalmente completo.

Monumento à Independência e Riacho do Ipiranga / Crédito: Igor Rando via Wikimedia Commons

 

Porém, a cripta que guarda os restos mortais dos membros da família imperial brasileira foi construída só em 1953. Um ano depois, o esqueleto de Leopoldina foi enviado do Convento de Santo Antônio, no Rio de Janeiro, para a então chamada ‘capela imperial’.

A cripta se tornou o paradeiro final de D. Pedro I em 1972. Quase uma década mais tarde, em 1984, passou a abrigar também o corpo mumificado de Dona Amélia. Ambos estavam sepultados no Panteão dos Braganças, em Lisboa, Portugal, perto de onde o imperador nascera.

Desde o início dos anos 2000, uma alteração foi feita, trata-se de uma entrada para o interior do monumento, onde jaz a cripta. A modificação foi feita pelo Departamento do Patrimônio Histórico (DPH) e permite que o acesso aos corpos lá instalados seja mais fácil e exista mais segurança.


+Saiba mais sobre o tema através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

D. Pedro II – A história não contada: O último imperador do Novo Mundo revelado por cartas e documentos inéditos, de Paulo Rezzutti (2019) - https://amzn.to/2L3sXcE

Dom PedroII na Alemanha: Uma amizade tradicional, de Dom Carlos Tasso de Saxe-CoburgoeBragança (2014) - https://amzn.to/34yeNYV

D. Pedro II, de José Murilo de Carvalho  (2007) - https://amzn.to/34pqCR3

As Barbas do Imperador, de Lilia Moritz Schwarcz (1998) - https://amzn.to/2OU5L1P

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W