Matérias » Guerra Fria

A curiosa e curta história dos trens sem trilho, produzidos para o exército norte-americano durante a Guerra Fria

Apesar de inovador, o meio de transporte logo se tornou obsoleto e caiu em desuso antes mesmo de entrar em ação

Penélope Coelho Publicado em 01/06/2020, às 16h00

LeTourneau, ao lado de sua invenção
LeTourneau, ao lado de sua invenção - Divulgação

Para transportar mais de 500 toneladas de equipamentos para produzir uma nova estação de radar, o exército norte-americano teve uma ideia ousada que podia ter revolucionado a história dos meios de transporte.

No auge da Guerra Fria, as forças armadas dos Estados Unidos perceberam que uma das únicas maneiras de prever possíveis ataques nucleares russos era utilizando o Círculo Polar Ártico como estação de radar, para ir contra esses ataques presumíveis. Pensando que os bombardeios dos soviéticos podiam atravessar o Polo Norte muito rápido, o exército norte-americano teve que usar a criatividade para se prevenir.

O intuito era construir 63 estações de radares no Ártico, mas, como eles fariam para atravessar em uma longa jornada da cidade de Fairbanks, no Alasca, até o oceano, sem nenhuma estrada? Como transportar aquelas toneladas de materiais?

 Fotografia dos trens sem trilho / Crédito: Divulgação 

 

A criação dos trens sem trilho

No ano de 1954, o exército dos Estados Unidos decidiu que era hora de colocar o plano em prática, o que fez com que os engenheiros de produção norte-americanos quebrassem a cabeça até que conseguissem chegar a um modelo que seria capaz de realizar as tarefas exigidas. O governo canadense também se uniu nessa empreitada.

Os líderes dos dois países chegaram à conclusão de que cerca de 500 toneladas precisariam ser transportadas para a construção das novas estações. Sem a existência de portos e grandes helicópteros adequados, até então, a ideia final era de que os materiais seriam levados por terra.

Essa missão ficou sob o comando da mesma empresa responsável por montar as estações no Ártico, a The Western Electric Company. Um nome foi essencial para que o plano saísse do papel: Robert Gilmore LeTourneau — o criador de máquinas grandes e pesadas, que atuou na Segunda Guerra Mundial.

A partir das ideias de LeTourneau, a empresa criou uma nova espécie de trem terrestre que funcionava de modo híbrido, à diesel e gás. O grande veículo atuava através de um gerador elétrico, utilizado para alimentar o motor e a partir disso, as rodas enormes do trem giravam de maneira independente, sem a necessidade de trilhos. Além disso, o veículo era dirigível.  

O primeiro projeto bem sucedido do trem off road ficou conhecido como VC-12 Tournatrain. O veículo foi apresentado ao Comando de Desenvolvimento de Transporte dos EUA, que gostaram do que viram, mas, pediram modificações.

O mais impressionante nesses trens, além de sua alta capacidade de aguentar uma grande quantidade de peso, era o seu tamanho. No total, o meio de transporte se estendia por 15 metros em um terreno plano, podendo transportar 150 toneladas de carga a cerca de 10 quilômetros por hora.

VC-12 visto de cima / Crédito: Divulgação 

 

Rápido fim

O exército mostrou-se impressionado com o trem e, em pouco tempo, outros modelos foram construídos com o objetivo de entrar no Alasca — incluindo a locomotiva. O trem era equipado com seis vagões no total, praticamente preparados para entrar em ação. Devido à escolha de suas rodas e o tamanho dos pneus, o veículo podia atravessar basicamente qualquer terreno.

O veículo chegou a ser utilizado em alguns projetos de construção no Canadá, no ano de 1955, porém, para entrar no Alasca, ainda precisava de algumas alterações. No entanto, uma reviravolta aconteceu e quando o trem finalmente ficou pronto com todas as especificações necessárias, ele não chegou a ser utilizado.

A produção havia atrasado devido a um incêndio na fábrica, o que deixou o novo trem fora de serviço por algum tempo. Nesse mesmo período outra grande produção estava sendo feita, e acabou sendo mais rápida que a dos trens.

Quando finalmente ficaram prontos, os trens terrestres não chegaram a entrar em ação, devido à criação do helicóptero de carga, Sikorsky S-64 Skycrane — que foi utilizado na função original do trem.

Ainda hoje, essa grande locomotiva que ajuda a contar um pouco sobre a história da Guerra Fria permanece sem uso. Os veículos foram abandonados como sucata no Campo de Provas de Yuma, no Arizona. Apesar de não ter exercido sua função, até hoje, esse meio de transporte detém o título de maior trem sem trilho já construído.


+Saiba mais sobre a Guerra Fria por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Da Guerra Fria à nova ordem mundial, de Ricardo de Moura Faria e Mônica Liz Miranda (2003) - https://amzn.to/3eG3mDc

Os últimos soldados da guerra fria, de Fernando Morais (2011) - https://amzn.to/2Mnm5ac

Como Começou A Guerra Fria, de Amy Knight (2008) - https://amzn.to/2TXpTU7

A desordem mundial, de Luiz Alberto Moniz Bandeira (2016) - https://amzn.to/3gIJP6L

A Questão Negra: A Fundação Ford E A Guerra Fria, de Wanderson Da Silva Chaves (2019) - https://amzn.to/3chczAc

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2XTQlPo

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2Bhdt2I