Matérias » Entretenimento

De Judy Garland a Marilyn Monroe: 5 estrelas que foram traumatizadas por Hollywood

Seja pela extrema fama ou falta de reconhecimento, todas essas personalidades tiveram uma vida pessoa conturbada

Caio Tortamano Publicado em 01/08/2020, às 08h00

Garland e Monroe em montagem
Garland e Monroe em montagem - Wikimedia Commons - Pixabay

1. Judy Garland

A atriz, que se imortalizou em sua atuação como Dorothy em O Mágico de Oz, esteve inserida no mundo do show business desde cedo. Garland fez parte do grupo Irmãs Gumm e assinou seu primeiro contrato com a gigante produtora MGM aos 13 anos de idade. Apesar do sucesso aparente, a vida por trás de seu trabalho era completamente abusiva, fazendo com que tivesse que passar por dietas cruéis para continuar com a mesma aparência.

A atriz Judy Garland / Crédito: Divulgação

 

Com apenas 17 anos de idade, a intensa rotina de gravações entre O Mágico de Oz e outros projetos que ela participava eram demais para a jovem, que começou a tomar muito café e drogas estimulantes — que acabavam resultando em efeitos tanto depressivos como colaterais. Todas essas experiências tornaram Judy viciada em álcool e drogas, abreviando sua vida, que chegou ao fim quando ela tinha apenas 47 anos.

2. Marilyn Monroe

Não é novidade que Monroe foi uma das figuras mais sexualizadas de todos os tempos. Desde o começo de sua carreira na atuação, seu corpo era utilizado como chamariz antes de se cogitar dar atenção ao seu talento em frente às telas — que era enorme. Depois de ter chamado atenção em papéis menores, Monroe assinou contrato com a Fox e se tornou uma protagonista de fato, com isso sua vida íntima começou a ser cada vez mais explorada pela mídia.

O ícone Marilyn Monroe / Crédito: Getty Images

 

Todos seus casamentos eram acompanhados por interessados, então ela não tinha muitos momentos de paz. A infância difícil e a constante pressão por parte de seu trabalho a fizeram entrar em depressão, se afundando em álcool e remédios — que acabaram resultando em sua morte após uma overdose de barbitúricos em 5 de agosto de 1962.

3. Gene Tierney

Tendo se enraizado artisticamente com as artes teatrais, Gene fez grande sucesso na Broadway antes de se tornar uma estrela de Hollywood. A autocrítica fez com que começasse a fumar para tornar a própria voz mais grave, ela acreditava que parecia a personagem Minnie Mouse falando.

Foi por perceber que não conseguia se concentrar que se internou por vontade própria em uma clínica em Nova York, onde passava por procedimentos com choques elétricos, fugindo da instituição pouco tempo depois.

Gene Tierney e filha / Crédito: Wikimedia Commons

 

Diante de uma rotina frenética, desenvolveu depressão e ansiedade, até o momento em que ficou cerca de 20 minutos no décimo quarto andar do prédio em que sua mãe morava. A ação chamou atenção da polícia, que identificou aquilo como uma tentativa de suicídio, sendo internada pouco depois disso. Depois de um ano na instituição, recebeu alta e tentou voltar ao mundo da atuação, e entre idas e vindas, veio a falecer com 71 anos.

4. Joan Crawford

Vencedora de Oscar pelo filme Almas em Suplício, de 1944, Joan Crawford foi uma das mais bem conceituadas atrizes de sua época. Porém, ela não passava ilesa na exploração intensa que todas as famosas de seu tempo — visto até nos dias de hoje — eram expostas, por isso sua vida íntima com muito teor sexual envolvido, era amplamente divulgada. A abertura que a atriz dava ao falar de sexo era extremamente criticada.

A atriz Joan Crawford / Crédito: Wikimedia Commons

 

Os problemas pessoais de Joan, de natureza psicológica, vieram cada vez mais à tona, e uma das medidas que, supostamente, a atriz teria usado para atrair popularidade foi adotar crianças. Por isso, a relação com elas era tão conturbada, como revelariam os quatro filhos adotivos de Crawford após sua morte em decorrência de um câncer.

5. George Reeves

Reeves estrelou a série Superman, fazendo um estrondoso sucesso e sendo reconhecido por sua atuação carismática, muito apropriada para a obra. Porém, ao final do show, em 1958, o eterno Clark Kent não conseguiu se desvencilhar dessa imagem, tendo muita dificuldade para encontrar outros papéis que considerasse dignos de sua capacidade.

George Reeves como Superman / Crédito: Divulgação

 

Com o tempo, a frustração foi tomando conta de sua vida, e em uma noite de 1959, numa atmosfera cheia de dúvidas, na presença de dois amigos e sua namorada na época, Leonore Lemmon, ele tirou a própria vida com um tiro na cabeça.


+Saiba mais sobre Hollywood por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W