Matérias » Curiosidades

Desvendado 64 anos depois: o bizarro nevoeiro tóxico de Londres

Em 1952, Londres foi tomada por uma neblina escura e fétida que levou a morte de cerca de 12 mil pessoas

Giovanna de Matteo Publicado em 17/11/2020, às 10h36

O clima durante o Grande Nevoeiro de 1952
O clima durante o Grande Nevoeiro de 1952 - Wikimedia Commons

Era 5 de dezembro de 1952 e Londres já se preparava para o final de ano em clima de natal, contudo, um grande nevoeiro que cobriu toda a cidade surpreendeu os londrinos naquele dia. Ninguém sabia a causa daquele evento, no entanto, 60 anos depois, uma equipe de químicos de todo o mundo revelou que aquela névoa era letal, e começou devido um desastre de poluição que ficou marcado na história britânica.

De início, os cidadãos acreditaram que a névoa seria como as outras tantas que comumente fazem parte do cotidiano britânico. Porém, ao anoitecer, o ambiente começou a ficar estranho. O céu ficou amarelado e a cidade toda foi tomada por um cheiro de 'ovo podre'.

Para a preocupação de todos, esse clima não foi embora. No dia seguinte, o céu amanheceu com uma cor esverdeada. O fedor de lixo tomava conta da cidade. O tempo foi passando e a névoa densa só piorava: a visibilidade estava cada vez mais difícil e respirar aquele ar podre se tornou torturante. A situação era essa por longos cinco dias, até que em 9 de dezembro aquele terror acabou.

No final, 150 mil pessoas foram hospitalizadas. Além disso, estima-se que cerca de 12 mil pessoas, incluindo homens, mulheres e crianças, vieram à falecer durante o período do nevoeiro que os expôs ao ar extremamente poluído.

Homem usa uma tocha para guiar um ônibus durante o Grande Nevoeiro de 1952 / Monty Fresco/ Getty Images

 

Esse evento catastrófico ficou conhecido como 'O Grande Nevoeiro de Londres'. Na época ele foi atribuído ao carvão, porém por décadas os detalhes que levaram a ocorrência dessa névoa tóxica permaneceram indefinidos.

Essa fumaça surgia da queima de carvão para o aquecimento doméstico, e por isso a neblina era vista como um fenômeno de inverno. A eletricidade, também no pico do consumo, com as pessoas enfurnadas em casa, vinha de termoelétricas movidas a carvão nas imediações da cidade.

No entanto, em 2016 uma equipe liderada por Renyi Zhang, da Universidade Texas A&M, retomou os estudos sobre o fenômeno, que esclarece os fatores que levaram ao Grande Nevoeiro, além da análise de outros acidentes de poluição atmosférica.

O que causou esse horror?

O estudo foi publicado na Proceedings of the National Academies of Sciences e foi feito através de medições atmosféricas em duas cidades propensas à poluição (Xian e Pequim, ambas localizadas na China), e alguns experimentos laboratoriais.

Os cientistas revelaram que uma das características do Grande Nevoeiro foi à presença de partículas de ácido sulfúrico (sulfato) no ar, que causaram o tom amarelado e esverdeado no céu e também o odor fétido. A inalação dessa substância também foi uma das principais causas de hospitalização das pessoas.

O episódio foi representado em The Crown /Crédito - Divulgação/Netflix

 

Zhang e sua equipe atestaram que o sulfato pode se acumular dentro das gotículas de água nas neblinas por causa de interações químicas entre o dióxido de enxofre e o dióxido de nitrogênio. Esses elementos, por sua vez, são liberados em razão da queima de carvão, ou pelos escapamentos de automóveis.

“As pessoas já sabiam que o sulfato era um grande contribuinte ao nevoeiro, e que as partículas de ácido sulfúrico eram formadas pelo dióxido de enxofre liberado pela queima do carvão”, explicou Zhang. “Nossos resultados mostraram que esse processo era facilitado pelo dióxido de nitrogênio, outro coproduto da queima do carvão, e ocorreu inicialmente no nevoeiro.”

Já o sulfato promove a formação de outras partículas, incluindo nitrato e matéria orgânica, o que faz com que uma forte neblina se forme. Desse modo, quando a água da neblina desaparece, ocorre uma concentração do ácido que libera partículas corrosivas que se penetram em quaisquer superfícies que entrem em contato, podendo se alojarem em prédios, cimentos, estradas, e até pulmões de humanos e animais.

Portanto, essa combinação de reações químicas, e um clima desfavorável, teria levado à formação do Grande Nevoeiro de Londres. Além disso, a equipe de cientistas avaliou que as condições por trás desse episódio podem ocorrer em outros lugares do mundo.


+Saiba mais sobre sustentabilidade por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Sustentabilidade: O que é - O que não é, de Leonardo Boff (2016) - https://amzn.to/37dHXRd

Sustentabilidade empresarial e mercado verde: A transformação do mundo em que vivemos, de Ricardo Ribeiro Alves (2019) - https://amzn.to/3jehDJf

Gestão Ambiental - Responsabilidade Social e Sustentabilidade, de Reinaldo Dias (2017) - https://amzn.to/2T0XpYz

Educação ambiental e sustentabilidade, de Arlindo Philippi Jr (2013) - https://amzn.to/31eyc18

Meio Ambiente e Sustentabilidade, de André Henrique Rosa, Leonardo Fernandes Fraceto e Viviane Moschini-Carlos (2012) - https://amzn.to/2T0NCSf

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W