Matérias » Crimes

Fraude e prejuízo: Como o ator Will Smith teve a identidade roubada

No início da década de 2000, o astro de Hollywood foi vítima de um criminoso e enfrentou problemas

Penélope Coelho Publicado em 18/02/2021, às 08h00

Will Smith em 2019
Will Smith em 2019 - Wikimedia Commons

O ator queridinho de Hollywood, Willard Carroll Smith Jr, mais conhecido pelo nome artístico de Will Smith, foi vítima de um crime que acabou causando prejuízos para seu bolso. 

Conforme repercutido através de reportagem publicada pelo portal Rolling Stone, o astro conhecido por seus papéis no seriado Um Maluco no Pedaço (1990) e nos filmes MIB - Homens de Preto (1997) e A Procura da Felicidade (2006), sofreu um baque no início da década de 2000, quando um criminoso usou sua identidade para gastar uma quantidade absurda de dinheiro.

Fotografia de Will Smith em 1999 / Crédito: Wikimedia Commons

 

O golpe

No ano de 2002, um homem chamado Carlos Lomax, conseguiu acesso ao número do seguro social e uma cópia do relatório de crédito de Will. Não se sabe ao certo como o cidadão conseguiu colocar as mãos nesses documentos, mas, fato é que a partir disso, o criminoso começou a agir.

Na ocasião, Lomax assumiu a identidade de Smith e com os dados que tinha criou cerca de 14 contas fraudulentas se passando pelo ator. Carlos abriu contas usando o nome de batismo do astro, Willard C. Smith, e fez compras estrondosas.

Na época, o ladrão usou a identidade do astro — indicado duas vezes ao Oscar de melhor ator — para obter uma conta de telefone da marca Sprint, cartões de crédito da Américan Express e várias contas bancárias. Além disso, o homem também fez cadastros para compras em diversas lojas de departamento.

De acordo com informações divulgadas pelas autoridades, as transações ilegais resultaram no gasto de U$ 32.897,34 dólares, mais de R$ 180 mil reais na conversão atual da moeda.

Consequências

O ator começou a desconfiar que havia algo errado quando recebeu a cobrança de US$ 5.447 dólares em um cartão de crédito da loja Sears. O intérprete sabia que aquele gasto não tinha sido feito por ele, por isso, contatou as autoridades.

A polícia federal foi acionada e não demorou muito para que os investigadores descobrissem que os estragos financeiros eram bem maiores do que aquela cobrança que havia chegado para Will.

Ator Will Smith em entrevista realizada em 2017 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Após as descobertas, a polícia conseguiu chegar ao nome de Lomax, ao rastrearem um endereço de correspondência na conta que o criminoso havia preenchido no estabelecimento que cobrou o ator.

Em sua habitação, os responsáveis pelas investigações encontraram evidências que incriminavam Carlos veementemente, como: documentos falsificados e buscas de dados em seu computador.

A partir da denúncia de Smith, as autoridades descobriram que essa não foi a primeira vez que o cidadão cometeu o crime de roubo de identidade: ele já havia feito a mesma coisa no ano de 1999, com o então jogador de basquete Steve Smith.

No caso da fraude feita em nome de Will, Carlos Lomax recebeu a sentença de 37 meses em prisão federal, que mais tarde sofreu redução para 30. Na época, o homem tentou liberdade condicional, mas, em 2005 voltou para a prisão — já que não conseguiu se reabilitar em sociedade e também não quitou a dívida que deixou para as vítimas de suas armadilhas.

Sabe-se que astro de Eu Sou a Lenda (2007), não foi o único a enfrentar tal crime, o mesmo já aconteceu com outras personalidades e celebridades como: Oprah Winfrey, Steven Spielberg, Kim Kardashian e Tiger Woods, a polícia alerta que o golpe pode ser mais comum do que parece.


+Saiba mais sobre o crime organizado através de obras disponíveis na Amazon:

Crime Organizado, de Cleber Masson e Vinícius Marçal (2018) - https://amzn.to/36oYWxk

Crime Organizado, de Ana Flávia Messa e José Reinaldo Guimarães Carneiro (2020) - https://amzn.to/2WYtu6h

Crime Organizado e Organizações Criminosas Mundiais, de Ana Luiza Almeida Ferro (2009) - https://amzn.to/3cUMSXm

O Terrorismo do Crime Organizado: uma Análise da Macrocriminalidade Brasileira,de William Barbosa Pimentel da Silva (2020) - https://amzn.to/3cW3xd7

Crime Organizado: Origens, Desenvolvimento e Reflexos Jurídicos, de Ângelo Fernando Facciolli (2018) - https://amzn.to/2yws09W

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W