Matérias » Segunda Guerra Mundial

Cicatrizes de guerra: Há 79 anos, ocorria o tétrico ataque a Pearl Harbor

Em um dos mais famosos episódios da Segunda Guerra, o Japão realizou um bombardeio estratégico muito bem conduzido, ao mesmo tempo em que cavou a própria cova

Ingredi Brunato e Leandro Quintanilha Publicado em 06/12/2020, às 00h00

Fotografia mostrando uma das explosões em Pearl Harbor durante o bombardeio
Fotografia mostrando uma das explosões em Pearl Harbor durante o bombardeio - Wikimedia Commons

O sol mal havia anunciado a manhã do domingo quando um radar, instalado dias antes, acusou a aproximação de um grupo de aviões ao paradisíaco arquipélago havaiano.

O alerta de nada adiantou. Os oficiais responsáveis confundiram o ataque inimigo com a chegada previamente agendada de novas aeronaves.

Em duas horas, os japoneses feriram e mataram 3.581 pessoas e destruíram 18 navios e 249 aviões de Pearl Harbor, base naval e quartel que os americanos mantinham no Pacífico. 

Ocorrido em 1941, se tornou um dos mais lembrados episódios da Segunda Guerra Mundial. Era o ataque militar surpresa à base naval de Pearl Harbor por parte do Japão.

O bombardeio acabou sinalizando o momento de entrada dos Estados Unidos à guerra - que era o contrário do que o exército japonês pretendia com a ação, e ainda por cima serviu de pretexto para o lançamento de duas bombas atômicas no país asiático. 

A intenção por trás de ataque a base naval norte-americana seria impedir os EUA de se envolver com as guerras travadas pelo Japão, que estava tentando expandir o território na época. 

Um dos aviões danificados durante o ataque a Pearl Harbor / Crédito: Wikimedia Commons

 

Para tanto, a missão dos aviões que sobrevoaram a costa norte-americana naquele dia era danificar tanto o local que a Frota do Pacífico estadunidense não pudesse mais ser usada. 

As forças japonesas vieram em três ondas, com a primeira tendo como principal alvo os aviões norte-americanos que pudessem ser usados para contra-atacar o bombardeio.

Consequências 

Devido à ação militar surpresa ocorrida em 7 de dezembro de 1941, 2.400 estadunidenses foram mortos e 1.178 ficaram feridos. Já no lado japonês, evidentemente as baixas foram bem menores, com 68 mortos. 

Também vale mencionar que a fraqueza estratégica de Pearl Harbor que tornou o local um alvo para inimigos podia ter sido prevista.

Inclusive, quando a frota naval estadunidense foi movida para a base, uma decisão que foi tomada pelo presidente da época, Franklin Roosevelt, o almirante James O.Richardson acabou sendo retirado do seu posto de comando por se opor à ideia, justamente por ter identificado essa falha. 

Fotografia de Pearl Harbor no momento do bombardeio / Crédito: Wikimedia Commons

 

Já no contexto da guerra como um todo, quem sofreu as maiores consequências negativas foi o Japão. A situação paradoxal foi sintetizada pelo almirante japonês Hara Tadaichi: “Conseguimos uma grande vitória tática em Pearl Harbor e, assim, perdemos a guerra". 

Na verdade, os Estados Unidos sequer tinham intenção de voltar a interferir na política de expansão territorial japonesa, se concentrando em vez disso na ameaça maior oferecida pela Alemanha Nazista. 

Outro aspecto afetado pelo bombardeio foi à vida dos descendentes de japoneses morando no país e em outros territórios que ficavam no mesmo lado da guerra que os EUA.

As tensões sociais foram tantas que muitos foram forçados a deixar o lugar onde moravam, sendo removidos para acampamentos. 

Crime de guerra 

Memorial para soldados mortos em Pearl Harbor / Crédito: Wikimedia Commons

 

O ataque a Pearl Harbor acabou sendo julgado como crime de guerra posteriormente por conta da falta de uma declaração de guerra que servisse de aviso formal primeiro. Foi apenas após o bombardeio que essas declarações acabaram sendo emitidas. 

Curiosamente, foi realizado um estudo logo antes do episódio militar em que foi perguntado para os norte-americanos se eles achavam que o conflito entre os EUA e o Japão era ou não iminente, o que recebeu uma resposta positiva de 52% dos entrevistados. 

Assim, é possível dizer que um ataque como esse era previsível, apenas foi uma surpresa do ponto de vista burocrático e ético, perante os quais o protocolo esperado era de um aviso que desse o pontapé inicial ao conflito.


+Saiba mais sobre a Segunda Guerra Mundial por meio de grandes obras disponíveis na Amazon Brasil

Box Memórias da Segunda Guerra Mundial, de Winston Churchill (2019) - https://amzn.to/2JWtKex

A Segunda Guerra Mundial, de Antony Beevor (2015) - https://amzn.to/2Rr2xFa

A Segunda Guerra Mundial: Os 2.174 dias que mudaram o mundo, de Martin Gilbert (2014) - https://amzn.to/34DnO3T

Os mitos da Segunda Guerra Mundial, de Vários Autores (2020) - https://amzn.to/2VdiMXa

Continente selvagem: O caos na Europa depois da Segunda Guerra Mundial, de Keith Lowe (2017) - https://amzn.to/2RqF32D

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W