Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Mundo

A história por trás da garrafa de 135 anos encontrada por um encanador

Em novembro de 2022, um encanador de Edimburgo encontrou uma curiosa garrafa de uísque contendo mensagem de 135 anos; saiba mais!

Éric Moreira Publicado em 20/01/2024, às 09h00 - Atualizado em 26/01/2024, às 18h58

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Garrafa com mensagem descoberta sob piso de casa em Edimburgo, na Escócia - Divulgação / Peter Allan
Garrafa com mensagem descoberta sob piso de casa em Edimburgo, na Escócia - Divulgação / Peter Allan

Ao fazer um buraco no piso de uma casa de Edimburgo, capital da Escócia, o encanador Peter Allan, na época com 50 anos, não pôde acreditar no objeto inusitado que acabara de encontrar: uma antiga garrafa de uísque com uma mensagem dentro, de 135 anos antes. De imediato, ele correu até Eilidh Stimpson, a dona da residência, e contou sobre o achado.

Como o mais relevante, e o que todos queriam descobrir, era o conteúdo da mensagem, infelizmente a garrafa não pôde ser poupada: para que pudessem ler, quebraram o objeto.

James Ritchie e John Grieve instalaram este piso, mas não beberam o uísque. 6 de outubro de 1887", afirmava o texto. "Quem encontrar esta garrafa pode pensar que nossa poeira está soprando ao longo da estrada."

No entanto, a curiosidade geral não acabaria por aí. Por isso, pesquisadores procuraram conhecer mais sobre a história dos homens que escreveram a mensagem, bem como das famílias que ali viveram. A história foi repercutida no ano passado pela BBC. Confira!

Carpinteiros

Desde a descoberta da mensagem, especialistas e historiadores do serviço de genealogia Findmypast — um serviço de genealogia online — procuraram em dezenas de arquivos de jornais a história por trás não só dos homens que deixaram o bilhete, como também das famílias que viveram naquela residência. As descobertas começariam pelas figuras mais fáceis: James Ritchie e John Grieve, dois carpinteiros que trabalharam no local.

Conforme repercutido pela BBC Internacional, John Grieve nasceu no bairro de Leith, também em Edimburgo, e teria 43 anos na época em que a mensagem foi deixada na garrafa. Ele era casado com uma mulher chamada Isabella, e eles tiveram seis filhos ao longo da vida.

A família vivia em Riddles Close, localizado no centro histórico de Edimburgo, próximo da propriedade Morningside, onde ocorreu o achado. Por fim, Grieve morreu em 28 de setembro de 1906, aos 62 anos, após sofrer prolongadamente com uma doença.

James Ritchie tinha 34 anos quando a dupla escondeu a garrafa. Ele nasceu em Loanhead, Midlothian, e foi o segundo carpinteiro a trabalhar na propriedade. Além disso, também foi descoberto que ele vivia na High Street, próximo a Liberton, com a esposa, Mary, e seus cinco filhos.

Gosto de pensar que eles (os carpinteiros John Grieve e James Ritchie) comemoraram o assentamento da última tábua do piso com uma garrafa de uísque e filosofaram sobre uma época em que sua 'poeira estava soprando pela estrada'", disse o especialista em história da família do Findmypast, Jen Baldwin, à BBC.
O bilhete e a garrafa antes de ser destruída / Crédito: Divulgação / Eilidh Stimpson / Peter Allan

Também é descrito pelos especialistas que os dois homens trabalhavam em uma fileira de casas em Morningside quando escreveram o bilhete. Então, após concluída, a casa foi colocada à venda em janeiro de 1888, antes de ser finalmente comprada por Robert e Mary Finlayson.

+ Como inúmeras garrafas de rum foram parar na parede de uma casa?

Nova família

Os Finlayson foram morar na propriedade com a garrafa escondida junto aos filhos. Robert Finlayson "pai" tinha 50 anos quando a família se mudou, e era um vendedor de produtos químicos leves. Ele era dono da empresa Finlayson & Stuart, localizada no Regent Arch, em Edimburgo, que comandava em parceria com Harry Jardine Stuart.

Vale mencionar ainda que a família era consideravelmente rica e bem relacionada, de forma que até mesmo já apareceu em algumas colunas de jornais locais — como quando visitaram o local histórico da Bonnington House no verão de 1892.

Além da família, em 1891 também moravam na propriedade duas empregadas: Lizzie Reid, uma enfermeira que cuidava dos gêmeos, e Kate Ruffell, que trabalhava nas tarefas domésticas. Alguns especialistas também acreditam que o quarto em que a garrafa foi encontrada teria pertencido a uma delas, ou até mesmo a ambas.

Lizzie Reid tinha 22 anos quando começou a trabalhar para os Finlayson. Ela nasceu em Burntisland, Fife, no ano de 1869, e viveu pelo menos uma boa parte de sua infância com os avós, James e Jane Reid, também em Fife.

Kate Ruffell nasceu em Greenwich, em Londres, no ano de 1870, e tinha 21 anos em 1891. Ela era a filha mais nova do fabricante de velas James Ruffell com a esposa, Jane — o casal tinha cinco filhas. Possivelmente Kate se mudou para Edimburgo especialmente para trabalhar para os Finlayson.

Por fim, Robert Finlayson morreu por volta de 1893, não muito tempo depois de se mudar para a propriedade, aos 52 anos. A causa de sua morte, porém, é desconhecida. Eventualmente, seu negócio foi dissolvido e, em 1901, Mary e os quatro filhos mudaram-se para outra casa de Edimburgo.

+ Mensagem em garrafa escrita por pedreiros há 85 anos é descoberta na Nova Zelândia

Gerações de moradores

Após a saída dos Finlayson, foi Thomas HB Black e sua esposa, Emily, que se mudaram para a residência, com três filhos. Funcionário de uma empresa de seguros, ele teve uma estadia relativamente breve por ali: em 1912, a casa foi comprada pela família Grant e, em meados da década de 40, seria a vez do reverendo Archibald Eneas Robertson com sua segunda esposa, Winifred.

Archibald Eneas Robertson nasceu em 1870, ainda de acordo com a BBC, e era ministro da Igreja da Escócia. Ele já havia se mudado antes em Edimburgo, em 1918, para servir como capelão do Hospital Astley Ainslie.

Porém, o fato mais curioso sobre Robertson é que muito se acredita que ele tenha sido a primeira pessoa a escalar todos os 282 Munros, um conjunto de montanhas da Escócia com picos a mais de 3 mil pés de altura (mais de 900 metros). Quem mapeou a cadeia montanhosa foi o Sir Hugh Munro, mas Robertson teria escalado todos os picos entre os anos de 1889 e 1901. A casa teria sido vendida pelo casal somente na década de 1950.

Munros escoceses / Crédito: Foto por W. Bulach pelo Wikimedia Commons

É realmente adorável ouvir a história por trás do bilhete", conta a atual proprietária da casa, que inclusive guardou os cacos da garrafa em que estava a mensagem, Eilidh Stimpson, à BBC. "Isso deu vida à história da minha casa e não acredito que ainda hoje sabemos os nomes de todos os ocupantes e dos filhos dos marceneiros."

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!