Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Personagem

Ícone dos anos 80: A dura saga de Val Kilmer

Após perder a voz, o astro atravessa dificuldades: 'Escolha de respirar ou comer'

Wallacy Ferrari Publicado em 22/05/2022, às 11h00 - Atualizado em 04/06/2022, às 12h35

Val Kilmer em evento - Getty Images
Val Kilmer em evento - Getty Images

Durante a década de 1980, o mundo conheceu o carisma do atorVal Kilmeratravés de grandes obras cinematográficas protagonizadas pelo rapaz californiano; exercendo papéis importantes nos clássicos 'Top Gun', em 1986, e em 'Willow - Na Terra da Magia', de 1988, ele atravessou a segunda metade do século 20 como um dos principais nomes de Hollywood, sendo uma referência de beleza e atuação.

Atingiu o auge nos anos 90, pelo papel criticamente aclamado como Jim Morrison na cinebiografia da banda 'The Doors', lançada em 1991, além de dar vida ao super-herói Batman em 'Batman Eternamente', versão dirigida por Tim Burton em 1995. Na virada do século, ainda deu voz ao KITT, veículo da série "A Super Máquina", e fez dupla com Robert Downey Jr. em 'Beijos e Tiros'.

Todos os passos indicavam uma trajetória como um dos maiores nomes da indústria cinematográfica até que, em 2016, um outro grande nome de Hollywood decidiu revelar um dos principais problemas que o ator atravessava um grave problema; após ser fotografado com um tubo de traqueostomia, Michael Douglas apontou que Val estava com câncer, como reportou o UOL na época.

Inicialmente, o astro negou as afirmações do colega através de comentários em seu perfil no Facebook, acrescentando que estava bem: "Eu não tive um tumor, ou operação de tumor ou qualquer operação", escreveu Kilmer. Contudo, a realidade mostrou-se bem distante das palavras.

Val Kilmer em fotografia com Al Pacino / Crédito: Getty Images

Sem voz

Apesar de negar, Kilmer acabou assumindo a doença sem especificar o que enfrentava em 2017, tratando a condição com radioterapia, traqueostomia e quimioterapia juntos, tendo que optar entre se alimentar e respirar, sem a possibilidade de realizar as ações simultaneamente. O câncer acabou sendo vencido com recursos médicos, mas as reações resultaram em uma perda inestimável para a carreira de um ator.

Se alimentando através de um tubo e reconstruindo os canais da garganta com procedimentos médicos, ele acabou perdendo a capacidade de impor a voz de maneira nítida, conseguindo apenas sussurrar ou conversar através de uma caixa de voz, equipamento que transfere as ondas das cordas vocais em um alto-falante portátil, mas com resultado robotizado.

Você tem que fazer a escolha de respirar ou comer. É um obstáculo muito presente em quem me vê. Obviamente, estou parecendo muito pior do que me sinto. Não posso falar sem tapar este buraco [na garganta]", contou o ator em 'Val', um documentário lançado no Amazon Prime.

Sem a possibilidade de usar para ganhar a vida, como sempre vez, manifestou o limbo da perda de papéis, como ressaltou no documentário 'Val', relacionando os anos de vaidade com a perda trágica. Contudo, uma oportunidade de reaver sua fala partiu de uma iniciativa experimental de uma empresa de inteligência artificial chamada Sonantic.

Reunindo, catalogando e configurando sílaba por sílaba, a empresa transcreveu cada registro de áudio disponível na voz do ator, tanto em entrevistas quanto em peças cinematográficas, para digitalizar e reproduzir, através de um computador, a exata voz do ator.

Voltando a vida

A transcrição não é simultânea, mas serviu para reascender um sonho: com a geração dos arquivos de áudio, ele poderia voltar a atuar e usar a voz digital para dublá-lo. Sendo assim, poderia apenas reproduzir palavras com os lábios durante as gravações e, na pós-produção, ter a voz perfeitamente inserida.

Assim se fez em seu retorno triunfal as telonas, comemorado por veículos especializados na sétima arte; em ‘Paydirt’, lançado em 2020, não apenas conseguiu sobrepor cortes de sua voz, mas contracenou com a filha Mercedes, na época com 28 anos. O ponto alto, no entanto, é seu papel no recente lançamento ‘Top Gun: Maverick’.

A convite do próprio protagonista e produtor executivo Tom Cruise, conforme revelou ao Enterteniment Tonight, ele replica o papel que o tornou mundialmente conhecido, 36 anos depois da primeira versão, onde interpretou Tom Kazansky, apelidado de ‘Iceman’  e agora apresentado no trailer como um oficial de alta patente.


Para conferir mais notícias curiosas, não deixe de seguir o site Aventuras na História no Google News. São publicados diariamente notícias, reportagens e matérias especiais sobre fatos históricos. Clique aqui para seguir agora mesmo!