Matérias » Mundo

No século 17, incêndios avassaladores eram comuns nas cidades

Com casas de madeira, velas, lamparinas e lareiras incandescentes, o perigo e o fogo estavam por toda parte

Redação Publicado em 22/08/2021, às 09h00

Representação do grande incêndio em Londres, em 1666
Representação do grande incêndio em Londres, em 1666 - Domínio Público/ Creative Commons/ Wikimedia Commons

Há 400 anos, morar na cidade era como viver dia e noite em uma fogueira pronta para ser acesa. Paredes eram feitas de madeira e os telhados, de palha. Uma centelha poderia transformar cidades em um incontrolável incêndio, como ocorreu em 1666, em Londres.

Ali, o fogo foi tão intenso que provocou redemoinhos de labaredas e, em três dias, destruiu as casas de 70 mil dos seus 80 mil habitantes. Para tornar tudo mais perigoso, havia pouquíssimos recursos para enfrentar incêndios. Conheça os meios de que os “bombeiros” dispunham para combater o fogo. 

1. Machados e escadas

Como ainda são usadas hoje, as escadas permitiam tirar pessoas presas nos andares superiores. Machados derrubavam portas bloqueadas e abriam passagens para o calor e a fumaça se dispersarem.


2. Ganchos de ferro

Fixados na ponta de varas de até 9 m e com cordas entrelaçadas, eles derrubavam telhados e paredes das casas em chamas, impedindo sua propagação.


3. Milícias de fogo

Grupos de agentes, pagos por companhias de seguros, patrulhavam as ruas à noite à procura de focos de incêndio. Em caso de emergência, sinos eram tocados convocando mais agentes e voluntários.


4. Baldes e seringas

Feitos de couro, os baldes passavam de mão em mão em uma corrente até o fogo. Seringas de latão eram usadas para atingir diretamente pequenos focos.


5. Implosão

Quando a construção era alta, usavam-se explosões controladas para derrubá-la. Assim, criava-se um espaço vazio entre as casas, restringindo o fogo a uma região, a maneira mais efetiva, à época, de impedir que o incêndio se alastrasse.

Imagem meramente ilustrativa de incêndio da catedral de São Paulo em 1666 / Crédito: Domínio Público

 


6. Inimigo interno

Dentro das casas, o perigo estava por toda parte. A luz vinha de velas e lamparinas. Nos fogões e lareiras, chamas vivas lançavam fagulhas na direção de pilhas de lenha.


7. Na guarda de Deus

Uma lei inglesa determinava que toda igreja guardasse espaço em sua torre para armazenar os equipamentos de combate ao fogo: baldes, ganchos, escadas etc.


8. Rotas congestionadas

As ruas eram estreitas. Em caso de pânico, as vias se entupiam com pessoas fugindo em carroças, levando seus bens, como aconteceu em Londres, impedindo o socorro de chegar ao fogo.


9. Carro de bombeiros

Um dos maiores avanços no combate a incêndios era um carro-pipa primitivo com uma bomba manual acoplada. Seu alcance era limitado, pois mangueiras longas, de couro, seriam desenvolvidas apenas no final do século.


+Saiba mais sobre desastres naturais através de grandes obras disponíveis na Amazon:

Riscos, desastres e eventos naturais perigosos - Volume 1, de Lazaro Zuquette (2017) - https://amzn.to/2TT2PFv

Urbanização e Desastres Naturais: Abrangência América do Sul, de Lucí Hidalgo Nunes (2015) - https://amzn.to/2I24Cp2

A Gestão de Riscos de Desastres Naturais no Brasil, de Henrique Rosmaninho Alves (2016) - https://amzn.to/3exVsgb

DK Eyewitness Books: Natural Disasters: Confront the Awesome Power of Nature from Earthquakes and Tsunamis to Hurricanes, de Claire Watts e Trevor Day (2015) - https://amzn.to/34UrLTj

Earthquakes and Other Natural Disasters, de Harriet Griffey (2010) - https://amzn.to/3oWMq18

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W