Matérias » Crimes

Há 51 anos, Sharon Tate era esfaqueada até a morte pela Família Manson

O triste episódio interrompeu os sonhos de uma jovem atriz em ascensão e abalou Hollywood

Fabio Previdelli Publicado em 09/08/2020, às 00h00

A atriz Sharon Tate
A atriz Sharon Tate - Wikimedia Commons

Em agosto de 1969, Sharon Tate estava sem sua residência, em Los Angeles, Califórnia, quando foi surpreendia pelos lunáticos seguidores de Charles Manson, Charles "Tex" Watson, Susan Atkins, Patricia Krenwinkel e Linda Kasabian.

Apesar de estar grávida, a cerca de quinze dias de ter seu bebê, ela não foi perdoada e foi esfaqueada 16 vezes. “Sou o diabo e vim fazer o trabalho do diabo”, ouviu de seu algoz antes de ser atingida pela primeira vez.

Entretanto, atriz e esposa do diretor Roman Polanski, não foi à única vítima fatal daquela noite. O cabeleireiro Jay Sebring, o roteirista Wojciech Frykowski, a milionária Abigail Folger e o vigia da casa Steven Parent também sucumbiram ao bando após serem espancados, esfaqueados e baleados.

Charles Manson / Crédito: Getty Images

 

Os criminosos agiram de maneira devastadora. Convencidos de que Manson era a reencarnação de Jesus Cristo, o grupo de criminosos escreveram na parede da Cielo Drive, com o sangue das próprias vítimas, as palavras Pig (“porco”, uma maneira pejorativa que a população negra dos EUA se refere aos polícias) e Helter Akelter (“confusão”, expressão que também é título de uma música dos Beatles, que foi distorcida por Manson para se aplicar a sua ideologia criminal).

Antes do fatal crime

Sharon Tate despertou logo cedo naquele fatídico dia. Na hora do almoço, se reuniu com duas amigas com as quais desabafou sobre seu desanimo com o marido, que além de não estar presente, havia adiado em alguns dias seu retorno de Londres, onde pré-produzia e dirigia The Day of the Dolphin.

Na parte da tarde, o casal conversou por telefone e ele reforçou o pedido para que as irmãs de Tate, Debra e Patti, passassem a noite com ela na casa, o que foi rechaçado por Sharon. De noite, a atriz saiu com alguns amigos para jantar no restaurante El Coyote. Eles retornaram à casa por volta das 22h30.

Enquanto todos já estavam dormindo, os seguidores da seita messiânica de Charles Manson invadiram a mansão e realizaram uma verdadeira chacina no local. O primeiro a ser morto foi Parent, que foi baleado quando saiu de casa e deu de frente com o grupo.

Sharon, Sebring, Folger e Frykowski foram assassinados a tiros e facadas na sala da residência de Cielo Drive e nos jardins do local. A atriz foi atingida com 16 facadas, sendo que várias delas foram desferidas contra sua barriga.

Na noite seguinte, o mesmo grupo, acrescido de Steve Grogan e Leslie Van Houten, cometeria outro ato brutal. Seguindo um mesmo padrão dos assassinatos do dia anterior, o casal Leno e Rosemary LaBianca também foram friamente esfaqueados. Ao todo, os dois receberam 41 golpes.

Com os atos semelhantes, principalmente pelas escritas na parede, Manson esperava desencadear o que ele apelidou de Helter Skelter: uma grande desordem que as autoridades acreditariam terem sido causadas por membros da comunidade negra dos Estados Unidos.

Isso, ao pensar de Charles Manson, causaria uma desordem e ele convenceu seus seguidores que somente ele seria capaz de ajudá-los a sobreviver a uma aliança entre raças, como se eles fossem os escolhidos pelo tal Messias.

Depois de semanas de investigações, os membros da Família Manson foram encontrados, presos, processados e julgados, sendo condenados à morte em 1971. Antes de um dos julgamentos, em sua única entrevista, para a Rolling Stones, Charles declarou ao ser questionado se se considerava um líder: “Só existe um. Sou o único. Não me importo com o que outras pessoas pensem, só faço o que minha alma me diz”.

A lápide da sepultura de Sharon Tate no Holy Cross / Crédito: Wikimedia Commons

 

Sharon Tate foi enterrada dias depois, em 13 de agosto, no Holy Cross Cemetery em Culver City, junto com seu filho natimorto Paul Richard Polanski — nomeado postumamente pelos pais de Roman e Sharon. Anos mais tarde, sua mãe Doris e sua irmã mais nova Patti também foram sepultadas no mesmo local, dividindo a mesma lápide.


++Saiba mais sobre serial killers por meio de grandes obras disponíveis na Amazon Brasil

Serial Killers - Anatomia do Mal: Entre na mente dos psicopatas, de Harold Schrechter (2019) - https://amzn.to/39YVlGK

De frente com o serial killer, de Mark Olshaker e John E. Douglas (2019) - https://amzn.to/2UX47R4

Lady Killers: As mulheres mais letais da história, de Tori Telfer (2019) - https://amzn.to/3c7BoPb

Mindhunter: O Primeiro Caçador de Serial Killers, de John Douglas e Olshaker Mark (2017) - https://amzn.to/2xccb7L

Ted Bundy: Um Estranho ao Meu Lado, de Ann Rule (2019) - https://amzn.to/3cauuc9

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W