Matérias » Bizarro

O homem que encontrou um túnel de 120 anos em casa

Jake Brown estava entediado em sua nova casa quando percebeu que uma das paredes da residência possuía diferentes texturas e decidiu perfurá-la

Giovanna Gomes Publicado em 02/12/2020, às 13h07

Jake descobriu o túnel por acaso
Jake descobriu o túnel por acaso - Divulgação / Jake Brown

Jake Brown estava trabalhando em sua casa no início deste ano em Plymouth, Devon, a qual havia acabado de comprar, quando percebeu que uma das paredes da residência apresentava texturas distintas.

Intrigado com o fato, o inglês decidiu fazer uma abertura no local e, assim, descobriu que havia uma grande passagem escondida em sua propriedade.

A descoberta

"Enquanto tomava um café lentamente, parado do lado de fora da porta da frente do porão da propriedade, percebi uma mancha na parede com uma textura diferente das demais. A curiosidade e um pouco de tédio levaram a melhor, depois peguei uma furadeira e comecei perfurar a parede" disse Brown em entrevista ao site Plymouth Herald.

Depois de perceber o que havia embaixo de sua casa, Jake fez uma abertura ainda maior na parede para que pudesse entrar no local. Em seguida, iluminou o túnel com uma tocha.

Ele ficou surpreso ao perceber que a passagem era bem maior do que esperava. “Fiquei satisfeito em notar que o teto em arco de pedra estava em ótimas condições e a extensão media uns saudáveis ​​5m de profundidade, 3m de altura e 3m de largura."

O túnel encontrado pelo morador/ Crédito: Divulgação/ Jake Brown

 

A descoberta 

Conforme entrava na caverna, o proprietário da casa procurava por evidências que dessem pistas sobre por quanto tempo ela esteve coberta. Ele encontrou resíduos de construção como latas de tinta, além de itens antigos como garrafas, uma bicicleta e um jornal.  

As latas de tinta estavam extremamente danificadas, mas ainda era possível ver detalhes em seus rótulos, característicos dos produtos das décadas de 1950 e 1960. Em seguida, ele limpou as garrafas e percebeu que elas possuíam detalhes comuns do início dos anos 1900.

Lata de tinta antiga encontrada/ Crédito: Divulgação/ Jake Brown

 

A maior revelação, no entanto, teria sido o jornal. "Ele quase se desintegrou com o toque humano, então um método ao estilo CSI foi usado para desgrudar cuidadosamente as páginas. Comecei a preparar um banho quente e o mergulhei na solução por um período de tempo depois fui soltando lentamente os pedaços de papel ainda submersos."

“Depois que tantos fragmentos foram recuperados quanto possível, os fotografei enquanto ainda estavam submersos e removi o que era aproveitável para secar". Em seguida, Brown analisou o jornal à procura de datas ou informações que possibilitassem determinar a época. 

Fragmentos de jornal/ Crédito: Divulgação/ Jake Brown

 

Segundo ele o ano do jornal era quase ilegível, mas, mesmo com dificuldade, conseguiu compreender que se tratava de um escrito de 1964. Levando em consideração esta e as demais evidências, o americano concluiu que o porão estava bloqueado havia mais de 50 anos.

Para que tivesse certeza da descoberta, Jake contatou um amigo historiador, Richard Fisher. Ele teria dito que toda a área onde a casa se encontrava antigamente era uma grande colina chamada Windridge Hill e que as casas foram construídas com porões e  subsolos que se expandiam por baixo de calçadas. A prática teria ficado inviável diante do aumento do nível da maré na região.

“Esses lugares abrigavam adegas, estufas para cultivar cogumelos e, se fosse grande o suficiente, uma área de banho”, concluiu o historiador.