Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Arqueologia

O pênis ‘ereto’ de um homem enforcado no século 18 que já foi exposto em museu

A ereção mumificada de 17,8 cm de comprimento pertencia a um inglês morto por punição capital

Redação Publicado em 29/05/2022, às 08h00

Pênis mumificado que foi exposto no Museu de Curiosidades, Belas Artes e História Natural Viktor Wynd - Divulgação/Oskar Proctor/Solent
Pênis mumificado que foi exposto no Museu de Curiosidades, Belas Artes e História Natural Viktor Wynd - Divulgação/Oskar Proctor/Solent

Na última semana, o pênis de um artista famoso — mais especificamente o molde dele — se tornou viral após o The Phallological Museum (Museu Falológico Islândes), anunciar que a peça passaria a fazer parte de seu acervo.

O molde peniano do lendário guitarrista Jimi Hendrix, feito a partir de gesso pela artista Cynthia Albritton, conhecida pelo apelido de Cynthia ‘Plaster Caster’, se juntou aos mais de 200 exemplares de 93 espécies animais da instituição, em uma coleção curiosa.

O modelo de gesso de pênis do Jimi Hendrix /Crédito: Divulgação/ YouTube/fred99be

Além dos outros músicos que tiveram seus falos eternizados pela artista, muito tempo antes, o órgão genital “ereto” de outro homem já havia sido praticamente mumificado para que pudesse sobreviver até os dias de hoje.

E o mais curioso de tudo: o indivíduo estava sendo enforcado por uma punição capital na Inglaterra do século 18.

Item peculiar

Detalhes do artefato / Crédito: Divulgação/Oskar Proctor/Solent

Em 2017, a peça chamou atenção por passar a fazer parte de uma exposição do Museu de Curiosidades, Belas Artes e História Natural Viktor Wynd (The Viktor Wynd Museum of Curiosities, Fine Art & UnNatural History), em Londres.

Por £ 2.500, após anos fazendo parte de uma coleção particular, o estranho item pôde ficar em exibição na instituição, junto a brinquedos sexuais chineses antigos, animais mumificados e o crânio de um suposto ciclope, por exemplo.

Segundo contou o curador do museu, Viktor Wynd, ao jornal britânico Metro na época em que o artefato ficou exposto, “o pênis pertencia a um inglês do século 18, e pouco mais se sabe”.

Ereção no enforcamento

O pênis ereto do homem do século 18 / Crédito: Divulgação/Oskar Proctor/Solent

A ereção de mumificada de 17,8 cm de comprimento aconteceu em um momento peculiar: quando o homem estava sendo enforcado por uma pena capital. No entanto, isso pode ter acontecido em decorrência da falta de oxigênio no cérebro causada pelo método de morte.

A asfixia frequentemente leva à ereção e à ejaculação. Homens enforcados frequentemente ejaculavam”, explicou Wynd.

A publicação britânica destaca ainda que a situação pode ter sido um exemplo de uma “ereção da morte”, nome popular para priapismo, uma ereção involuntária e persistente que pode acontecer no post mortem, quando há uma maior pressão no cerebelo na base do cérebro.

O curador do museu também afirmou que algumas culturas antigas acreditavam que partes do corpo mumificada poderiam ter “propriedades mágicas”.

“Partes do corpo eram privilégios frequentes de executores e muitas partes diferentes deveriam ter propriedades mágicas. Por exemplo, existe algo chamado 'Mãos da Glória' — que são as mãos mumificadas de homens enforcados que se acreditava serem extremamente poderosos”, relatou.