Matérias » Alemanha Nazista

Derrubado por prisioneiros: Há 77 anos, ocorria um motim e fuga em massa no campo de Sobibor

Diante das atrocidades, um grupo de prisioneiros planejou uma audaciosa e perigosa fuga neste dia, em 1943

André Nogueira Publicado em 14/10/2020, às 00h00

Cena do filme Sobibor (2018)
Cena do filme Sobibor (2018) - Divulgação/Karoprokat

Sobibor foi um importante campo de extermínio nazista implantado na Polônia, ou seja, diferentemente de Auschwitz ou Dachau, o local existia somente para o assassinato em massa de minorias. Seu principal alvo eram os judeus - resultou na morte de 350 mil durante a Guerra.

O campo foi desenvolvido por 15 nazistas que projetaram o recanto da morte. Após a Conferência de Wannsee, em 1942, foi decretada a lógica da Solução Final, o esforço direcionado ao extermínio dos judeus como prioridade de guerra. O objetivo era claro: limpar o Espaço Vital dos alemães.

Diante deste compromisso, deu-se inicio à Operação Reinhard, que consistia na construção de diversos campos dedicados a operações de extermínio, sendo complementar à realocação de 2 milhões de judeus na Polônia. Deste projeto, nasceram três campos: Bełżec, Sobibor e Treblinka II.

A Operação foi coordenada pelo general Odilo Globocnik e ficou dividida em dois departamentos: um para logística de emigrações compulsórias em massa de judeus no país e outro responsável pela construção dos campos. 

Sobibor ficou sob administração de Franz Stangl e foi construído pelo capitão Christian Wirth, que o inaugurou em abril de 1942.  A dupla, que já havia se unido no extermínio de deficientes físicos nos anos anteriores, comandou a concentração de diversos judeus para o local de extermínio. Quando os trens partiam, a SS derrubava o local anteriormente ocupado pelas vítimas.

Uma das poucas imagens do campo de concentração / Crédito - Divulgação

 

Depois de fundado, o campo foi dividido em três setores operativos: administração, recepção e assassinato. Tendo como principal estratégia a câmara de gás, a maioria dos presos era diretamente encaminhada para o extermínio. Um caminho estreito chamado de Tubo ligava a área de recepção às áreas de morte.

Apesar de algumas estimativas colocarem que 170 mil judeus morreram em Sobibor, julgamentos ocorridos em Haia após a guerra, revelou um total entre 250 (Wolfgang Scheffler) e 350 mil (Erich Bauer).

A Revolta

Diante das atrocidades sádicas, um grupo de prisioneiros planejou uma audaciosa e perigosa fuga do campo, em outubro de 1943. O medo de muitos era que, além dos próprios extermínios, com a retomada da defensiva soviética, os nazistas poderiam querer destruir tudo por lá, encobrindo seus crimes de guerra. Por isso, a fuga parecia uma decisão razoável.

Liderados inicialmente pelo ucraniano Leon Feldhendler, o movimento ganhou reforços quando um grupo de soldados judeus soviéticos chegou à estação; por isso, a liderança passou para Alexander Pechersky. Quando estourou a revolta, os líderes ensejavam, pelo menos, matar os oficiais que mandavam no local.

Judeus soviéticos após sobreviverem à Guerra / Crédito: Reprodução

 

Ao total, 11 oficiais da SS foram mortos, enquanto 600 judeus invadiram as fortificações do complexo industrial da morte, em direção às fronteiras com uma floresta da região. Muitos não saíram vivos.

“Cadáveres estavam por toda parte”, escreveu o sobrevivente de Sobibor, Thomas Blatt, em suas memórias. "O barulho de rifles, minas explodindo, granadas e o som de metralhadoras assaltaram os ouvidos. Os nazistas atiraram à distância enquanto em nossas mãos eram apenas facas e machadinhas primitivas."

Cerca de 300 amotinados conseguiram escapar com vida do campo. No entanto, o medo dos revoltosos se tornou realidade: após a derrota nazista, os alemães destruíram o local para encobrir os crimes e o acontecido naquele ano.

O plano era transformar as instalações de extermínio em um local de detenção para mulheres e crianças deportadas para o oeste da Bielorrússia ocupada após o assassinato dos homens de suas famílias. Entretanto, isso nunca aconteceu e os nazistas só tentaram encobrir a existência de Sobibor, o que deu certo por um tempo.

A história real acabou sendo narrada no filme Sobibor (2018), dirigido por Konstantin Khabensky. Com uma narrativa emocionante, o filme russo apresenta cenas fortes do ocorrido com as vítimas do Nazismo.


++Saiba mais sobre a Segunda Guerra através das obras disponíveis na Amazon Brasil:

A Segunda Guerra Mundial: Os 2.174 dias que mudaram o mundo, de Martin Gilbert (2014) - https://amzn.to/2RdWQeu

A Segunda Guerra Mundial, de Antony Beevor (2015) - https://amzn.to/2Lgur3l

Guerra: O horror da guerra e seu legado para a humanidade, de Ian Morris (2015) - https://amzn.to/37RGL3M

Box Memórias da Segunda Guerra Mundial (2017) - https://amzn.to/2LgFw4z

O Essencial da Segunda Guerra Mundial (2014) - https://amzn.to/37VuICC

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W