Matérias » Hollywood

Violência, alcoolismo e inúmeros amantes: a vida polêmica de Bárbara Payton

Diversos episódios conturbados contribuíram para que a artista fosse mais conhecida por seus escândalos pessoais do que por suas atuações em filmes

Nicoli Raveli Publicado em 06/05/2020, às 09h00 - Atualizado às 10h30

Bárbara Payton, atriz americana
Bárbara Payton, atriz americana - Wikimedia Commons

Em 1938, a futura atriz do cinema americano Bárbara Payton já enfrentava o início de uma vida turbulenta. É que, naquela época, seu pai, Erwin Lee Redfield, iniciou seu próprio negócio em Odessa, no Texas, e não mantinha um laço emocional com sua família.

Além de não receber a devida atenção de seu pai, a garota e seu irmão, Frank Leslie III, foram criados apenas pela mãe, Mabel Irene Todahl. Todavia, o cenário conturbado não parou por aí, já que os pais de Payton apresentavam graves problemas ligados ao alcoolismo. Durante um dos inúmeros episódios violentos, Redfield chegou a abusar fisicamente da própria esposa, enquanto seus filhos viviam em meio ao caos.

Todavia, Bárbara se incomodava com aquela situação. Por isso, ao atingir 16 anos, fugiu com o seu namorado, William Hodge, e se casaram contra a vontade de seus pais. Seus atos impulsivos ganharam força e, em 1943, a garota deixou o ensino médio. Seus pais, porém, não foram afetados pela escolha de sua filha, já que não acreditavam que a falta de um diploma poderia prejudicá-la.

A jovem Bárbara Payton, modelo e atriz / Crédito: Divulgação 

 

O início da carreira

Em 1944, Payton conheceu John Lee, que veio a ser seu segundo marido, e mudou-se para Los Angeles. Sem um certificado de conclusão escolar e sentindo que estava se tornando uma dona de casa, a mulher se viu entediada e decidiu seguir a carreira de modelo.

Em busca de seus sonhos, Bárbara foi chamada para trabalhar em um estúdio de fotografia. Quando as fotos foram divulgadas, sua beleza atraiu a atenção de diversos profissionais. Entre eles, estava um designer de roupas que a ofereceu um contrato como modelo júnior.

Em menos de dois anos, a Agência Roy La Rita, localizada em Hollywood, também foi atraída pelos cliques de Payton. Não obstante, a artista foi contratada e realizou diversos trabalhos publicitários, com participação em catálogos da Studebaker, uma empresa de carros, e também em anúncios de roupas, como nas revistas Encanto e Júnior Bazzar.

Foi durante os primeiros passos profissionais que Payton teve seu primeiro filho, John Lee Jr. No início, a modelo conseguiu equilibrar o tempo entre sua vida pessoal e o trabalho, mas seu casamento tornou-se tenso, o que resultou na separação do casal em 1948 e a guarda da criança ficou com a mãe.

Mesmo durante o período do divórcio, a mulher não se deixou abalar e seguiu sua vida. Foi quando sua beleza atraiu o olhar de William Goetz, um dos executivos da Universal Studios. As diversas conversas profissionais resultaram em sua contratação por 100 dólares semanais, em 1949, aos 21 anos de idade.

Após ser contratada por Goetz, Payton ganhou fama por sua participação no filme Noir Preso, de 1949. Seu sucesso aumentou quando, no ano seguinte, foi chamada para trabalhar na Cagney Productions e Warner Bros, em comum acordo. Lá, os produtores James e William Cagney decidiram usar a beleza de Bárbara a seu favor.

Cena do filme Kiss Tomorrow Goodbye, de 1950 / Crédito: Divulgação 

 

A partir de então, a artista passou a ganhar cinco mil por semana e participou do filme Kiss Tomorrow Goodbye, de 1950. Acredita-se que esse tenha sido o ápice de sua carreira, já que diversos críticos elogiaram sua interpretação.

A vida conturbada

Todavia, sua vida profissional não era a única fonte de felicidade da estrela de cinema, já que seu desejo sexual era saciado pelos atores Franchot Tone, que era seu noivo, e Tom Neal, seu amante.

Bárbara Payton e Tom Neal, seu amante / Crédito: Divulgação 

 

Payton nunca escondeu suas idas e vindas nos relacionamentos amorosos e, até aquele momento, tudo parecia perfeitamente bem. Entretanto, logo sua vida pessoal chamou mais atenção do que suas interpretações nos filmes.

Em 1951, Tone encontrou Neal no apartamento de Bárbara e o agrediu. Logo, o homem foi espancado, teve seu nariz quebrado e teve que ser levado para o hospital, onde permaneceu em coma por 18 horas.

O evento foi amplamente coberto pela mídia e Payton aproveitou o momento para anunciar seu casamento com Tone. No mesmo ano, o casal realizou o matrimônio em Minnesota.

A ação parecia um plano perfeito para acabar com as informações difamatórias sobre a atriz. Porém, além de encarar o seu declínio no cinema em 1951 — devido à baixa arrecadação e a pouca apreciação de seu papel no filme Bride of the Gorilla — a artista também encarou a fúria de seu marido, já que ele havia descoberto que o relacionamento de sua esposa e de Neal não havia acabado. A descoberta resultou no divórcio do casal em 1952.

A atriz não demorou a encontrar um novo marido. Entre seus diversos relacionamentos posteriores, Payton ficou noiva de Neal em 1953 e o casal pôde participar de diversos filmes juntos. Entretanto, eles cancelaram o casamento e se separaram um ano depois.

Modelo Bárbara Payton em ensaio fotográfico / Crédito: Divulgação 

 

Com sua carreira em declínio e com diversos desastres amorosos, a famosa decidiu se mudar para a Inglaterra, onde pôde estrelar nos filmes Quatro Sided Triangle e O Flanagan Boy, ambos de 1953.

Mesmo assim, sua má sorte parecia não ter fim. Devido a sua vida conturbada, Payton se entregou ao alcoolismo e às drogas em 1955. Quando presa, a mulher entregava cheques sem fundo para pagar sua fiança, o que ocasionava em mais detenções. Além disso, acredita-se que ela também tenha trabalhado como prostituta.

Com a ascensão de sua dependência, foi oferecido que ela passasse um tempo indeterminado em uma unidade de desintoxicação. Entretanto, isso nunca fez parte de seus planos. “Eu prefiro beber e morrer”, afirmou a artista.

Devido a seu estado mental e de saúde, a guarda de John Lee, que pertencia até então a atriz, foi reavaliada quando seu ex-marido, pai do garoto, a acusou de expor a criança a linguagem profana, conduta imoral, notoriedade e atividades insalubres. A acusação fez com que o menino passasse a morar com o pai.

A atriz / Crédito: Wkimedia Commons

 

Sem seu filho e sem uma perspectiva de vida, Bárbara voltou a relacionar-se com diversos homens. Entre eles, estava George Provas, dono de uma loja de imóveis. Eles se casaram, mas o relacionamento não durou mais de um ano.

A vida agitada da famosa chamou a atenção de muitas pessoas, inclusive do escritor Leo Aliança que, em 1963, ofereceu mil dólares a Payton por sua autobiografia. Ela aceitou o dinheiro e o livro de memórias foi intitulado Não Me Envergonho.

John Lee Jr., filho da atriz, Bárbara Payton e Franchot Tone, um de seus maridos / Crédito: Divulgação 

 

No mesmo ano, a atriz teve outra surpresa: em meio aos escândalos que envolviam drogas e a sua postura contra a internação, foi chamada para participar do filme 4 Para o Texas, que marcou a última interpretação de sua carreira.

Hospitalização e morte

Após anos relutando contra a hospitalização e com o agravamento da situação, Bárbara foi levada a uma unidade e passou apenas alguns meses no local. Após sua estadia, a mulher foi encaminhada a casa de seus pais em 1967, que também eram alcoólatras.

Lá, ela relatou a um vizinho que nunca quis ser como seus pais e que não desejava vê-los novamente. “Mas aqui estou eu, e eu tenho todas as bebidas que eu quero”, acrescentou.

Com uma vida infeliz, Payton morreu em maio do mesmo ano, aos 39 anos. De acordo com os médicos, sua morte foi causada por insuficiência cardíaca e hepática. Seu corpo foi cremado e enterrado no cemitério Cypress Ver Mausoleum.

Mais tarde, o escritor Robert Polito relembrou características da atriz. "Barbara Payton escorria álcool, mesmo antes de ela ordenar uma bebida. O rosto exibida uma queimadura solar perpétua e tinha um mapa das veias por seu nariz. Ela tinha uma barriguinha de um velho”.


+Saiba mais sobre Hollywood por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W