Vitrine » Personagem

Neste dia, em 1898, morria Lewis Carroll, o polêmico criador de Alice no País das Maravilhas

Além de sua paixão pela escrita, o escritor inglês fotografava crianças seminuas

Victória Gearini Publicado em 14/01/2020, às 16h00

Ilustração de Lewis Carroll
Ilustração de Lewis Carroll - Getty Images

Charles Lutwidge Dodgson, mais conhecido como Lewis Carroll, morreu no dia 14 de janeiro de 1898, na cidade de Guildford, na Inglaterra. O poeta ficou mundialmente famoso por escrever Alice no País das Maravilhas, inspirado na filha de seu amigo, Alice Pleasance Liddell, de apenas 10 anos na época.

Nascido no dia 27 de janeiro de 1832, em Daresbury, na Inglaterra, Charles Lutwidge Dodgson lecionou Matemática no Christ College, em Oxford, onde conheceu Christ Church, pai de Alice Pleasance Liddell. Além de matemático, era poeta, desenhista e fotógrafo, o que o motivou a adotar o pseudônimo de Lewis Carroll.

Durante um passeio de barco pelo rio Tâmisa, em 1862, que fez com Liddell e suas duas irmãs, Lewis contou uma história sobre uma menina chamada Alice que caía dentro de uma toca de coelho e foi parar em um mundo de fantasias. Na época, a menina com apenas 10 anos de idade ficou fascinada pela narrativa e pediu para que o poeta escrevesse a história.

Crédito: Alice Pleasance Liddell / Crédito: Getty Images

 

Dois anos depois, aos 32 anos, Lewis escreveu o primeiro manuscrito, em 1864. A obra originalmente foi chamada de Alice’s Adventures Underground (As Aventuras de Alice embaixo da terra, em tradução livre). Anos depois publicou o livro, acrescentando as cenas do Gato de Cheshire e do Chapeleiro Maluco.

Uma de suas maiores polêmicas seria a sua fascinação por fotografar crianças seminuas. Segundo o ex-diretor da Lewis Carroll Society, Wakeling, na época, era comum esta prática como forma de eternizar a pureza infantil.

Charles Lutwidge Dodgson, mais conhecido pelo pseudônimo  Lewis Carroll / Crédito: Getty Images

 

"A mortalidade na época era alta. Pais queriam ter registros dos filhos, por conta disso. Querendo retratá-los como anjos, eles geralmente apareciam nus. Ele tirou cerca de 30 destas, mas sugerir que foram centenas, por interesse próprio, é errado", disse Wakeling em entrevista ao Guardian.

O livro Pleasures Taken - Performances of Sexuality and Loss in Victorian Photographs, da autora Carol Mavor, contém duas dessas imagens, entre elas da jovem Evelyn Hatch, que foi fotografada totalmente nua por Carroll, em 1878. Já a obra Cartas às suas amiguinhas, da editora Sette Letras, reúne escritos do matemático para menores de idade.

Suas obras infantis são repletas de enigmas e problemas matemáticos, além de piadas locais e trocadilhos que são imperceptíveis por leitores atuais. Traduzido para mais de 50 línguas, Alice no País das Maravilhas já foi lido por Oscar Wilde e pela Rainha Vitória. Em 1998, a cópia original foi leiloada por 1,5 milhão de dólares. Lewis Carroll morreu em 14 de janeiro de 1898, aos 66 anos. 


+Saiba mais sobre Lewis Carroll e suas obras:

Alice: edição bolso de luxo: Aventuras de Alice no País das Maravilhas & Através do Espelho e o que Alice encontrou por lá, de Lewis Carroll (2010) - https://amzn.to/2QSyIxo

Alice no país das maravilhas, de Lewis Carroll (2018) - https://amzn.to/30gxZJa

Alice no país das maravilhas, de Lewis Carroll (2019) - https://amzn.to/30gZr9T

É Proibido Ler Lewis Carroll, de Diego Arboleda (2014) - https://amzn.to/30ikpoC

Alice in Wonderland Collection – All Four Books: Alice in Wonderland, Alice Through the Looking Glass, Hunting of the Snark and Alice Underground (Illustrated) (Edição Inglês), de Lewis Carroll - https://amzn.to/2QOxy5K

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.