Consolidação das nações-estado

Consolidação das nações-estado

01/11/2005 00h00 Publicado em 01/11/2005, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

No século 15, no fim da Idade Média, poderosas nações-estado surgiram na Espanha, Inglaterra e França. Já a Igreja, que durante todo o período medieval foi a sustentação comum a esses reinos, perdia poder por causa de corrupção, de conflitos internos e da expansão cultural no Ocidente – a revolução artística, filosófica, científica e tecnológica conhecida como Renascença. Ironicamente, o início dessa transformação cultural foi nas Cruzadas, movimento patrocinado pela Igreja – quando os ocidentais tiveram a chance de aumentar seu intercâmbio com o Oriente. A troca aumentou nos séculos 13 e 14. Invenções como canhões, óculos, poços artesianos, pólvora, seda, compasso, astrolábio, relógio e novas tecnologias navais foram experimentadas e incorporadas.

O salto europeu só foi protelado porque, quando as cidades começaram novamente a crescer e prosperar, a Europa foi vítima da Peste Negra (1347-1350) – uma pandemia que vitimou cerca de 34 milhões de pessoas, um terço dos habitantes do continente. Para piorar, entre 1315 e 1317 a Europa sofre com a Grande Fome, uma sucessão de invernos rigorosos e verões chuvosos que estragou as colheitas. Veio a escassez de alimentos, que provocou milhares de mortes. Para piorar o quadro, a fome aumentou a violência e a Europa viveu o caos.

Inglaterra

Durante os séculos 13 e 14, as principais lutas inglesas foram ao norte, com a Escócia (1332-1357), e com os franceses, ao sul, na Guerra dos Cem Anos (1337-1453) – que ocorreu por motivos dinásticos e econômicos, envolvendo regiões como Gasconha, Flandres e Normandia. A monarquia inglesa enfrentou ainda ameaças de revoltas galesas (1412) e também uma luta de famílias reais, na Guerra das Rosas (1455-1487).

França

A Guerra dos Cem Anos, contra a Inglaterra, foi mais do que um conflito pela posse de regiões ou por direitos dinásticos. Foi a luta que definiu a França como nação. Os franceses passaram por maus bocados. Por volta de 1435, o norte e o oeste estavam em mãos inglesas. A retomada, porém, foi arrasadora. Ao fim da guerra, os ingleses tinham apenas a praça-forte de Calais (norte da França).

Queda de Constantinopla

O fim convencional da Idade Média está associado à queda da cidade de Constantinopla – e o fim do Império Bizantino – para os turcos Otomanos, em 1453. A cidade, um ponto estratégico para o domínio da navegação no mar Negro e rota comercial vital entre o Ocidente e o Oriente, se tornou em seguida a própria capital do Império Otomano, com o nome de Istambul.

Espanha

Em 1492, Isabel de Castela e Fernando de Aragão (monarcas dos dois maiores reinos cristãos da península Ibérica, que se unificaram com o casamento deles) completaram a reconquista da região ao liquidar o reino de Granada, o último bastião mouro. O episódio foi seguido de um período de intolerância religiosa, que levou muçulmanos e judeus a migrar para cidades árabes no Marrocos.

Alemanha

Em 1356, foi feito um acordo entre os territórios germânicos para a eleição de imperadores. Seriam escolhidos pelos arcebispos de Mainz, Trier e Colônia, pelo rei da Boêmia, pelo conde Palatino do Reno, pelo duque da Saxônia e pelo representante de Brandenburgo. Na prática, as centenas de principados só mantiveram a obediência formal ao imperador, adiando a unificação.

Lituânia

Em 1253, o príncipe Mindaugas se tornou o rei da Lituânia. Anos depois, essa nação abocanhou boa parte de Smolensk e Kiev (atuais Rússia, Bielo-Rússia e Ucrânia). Quando o grão-duque Jagelão se tornou o rei da Polônia, as duas coroas foram unificadas e formou-se a Comunidade Lituano-Polonesa. Seu exército combateu mongóis, russos, suecos e cavaleiros teutões nos séculos 14 e 15.