A legião romana

A legião romana

Textos Fabiano Onça Publicado em 01/02/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Ela conseguiu vencer gregos, cartagineses, gauleses, bretões, sírios, egípcios e hispânicos. Graças a ela, Roma ocupou 10 mil quilômetros de fronteiras e saiu da Europa para alcançar a África e o Oriente Médio. Estamos falando das legiões romanas, os grupos de guerreiros que formavam o exército do império. Em seu auge, no século 1 a.C., cada legião tinha até 6 mil homens, distribuídos em três grandes grupos, as coortes, os manípulos e as centúrias. Era uma força muito organizada, que fazia manobras bem difíceis. Até hoje os exércitos de todo o mundo copiam as duas maiores lições da legião: disciplina e estratégia.

Disciplina e estratégia

Eis a raiz dos exércitos modernos

O COMANDANTE

As legiões eram comandadas por um senador romano, que tinha seis assessores. Muitos jovens usavam essa posição para subir politicamente. Foi o caso de Júlio César, herói das batalhas na parte asiática da Turquia.

POR TODOS OS LADOS

O exército romano tinha alguns problemas. A cavalaria, por exemplo, era muito incompetente. Para melhorar os pontos fracos, o jeito era usar soldados dos povos dominados. Quem lutasse nas legiões e saísse vivo ganhava a cidadania romana.

INFANTARIA AVASSALADORA

A grande força da legião estava na infantaria (que é a principal e mais antiga arma de guerra, formada por soldados que lutavam a pé). Ela ficava organizada em forma de xadrez, com as tropas intercaladas. Na primeira linha de combate ficavam os guerreiros mais jovens, chamados de hastati.

TRABALHO DE EQUIPE

Homens mais experientes, conhecidos como principes, formavam a segunda linha de combate e entravam em ação quando os hastati falhavam. Se a coisa apertava, era a hora de os soldados mais experientes, os triiari, entrarem na briga.

SÍMBOLOS DA VITÓRIA

As bandeiras não serviam para deixar o campo de guerra mais colorido. No meio do caos da batalha, elas mostravam onde estava cada um dos grupos de soldados. Empunhar o estandarte era uma honra, e perdê-lo para o inimigo era o maior mico que o sujeito podia pagar.

KIT DE ARMAS

Para atacar, todo legionário usava uma lança, uma espada curta e um pequeno punhal. Na hora de se defender, uma armadura e um escudo gigantesco.