Pierre Mélandri: Mudança de rumo

Para historiador, americanos terão de rever a política externa

Clarice Spitz Publicado em 17/06/2009, às 07h47 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Em tempos de pânico nos mercados, o governo americano tem pela frente o desafio de colocar a economia nos eixos. Para isso, será necessário contar com o apoio de outros países - e isso vai obrigar os Estados Unidos a mudar sua política externa. Nesse contexto, a eleição de Barack Obama veio em boa hora. É assim que pensa o historiador Pierre  Mélandri. Professor da Universidade Paris III, na Sorbonne, ele acaba de lançar na França o livro Histoire des États-Unis Contemporains ("História dos Estados Unidos  contemporâneos", sem edição em português). 

A eleição de Obama é sinal de uma verdadeira mudança?
Sim, representa uma ruptura essencial na imagem do país. As pessoas que detestam os americanos acreditam em um imperialismo branco, ao qual se atribui um número  considerável de injustiças. A chegada ao poder do filho de um africano valoriza uma das características mais positivas do país: os Estados Unidos são a primeira nação universal da História.

A economia vai dominar a agenda do novo presidente?
O essencial será impedir que a situação se degrade e, se possível, melhorá-la. Para isso, Obama terá que contar com os outros países. Os Estados Unidos estão endividados, e quando você deve dinheiro não pode mais ignorar o ponto de vista de seus credores estrangeiros.

A crise financeira tende a mudar a política externa americana?
Sem dúvida. Por exemplo: quando se injeta 1 trilhão de dólares para salvar o sistema bancário, será que ainda é possível continuar a conduzir indefinidamente as operações no Iraque, que custam cerca de 100 bilhões de dólares todos os anos? Estamos acostumados a ver os Estados Unidos como uma superpotência. Isso até pode ser verdade no plano militar, mas bem menos nas esferas econômica e financeira.

É possível manter a hegemonia militar sem o respaldo da economia?
Evidentemente não. Obama não se cansa de repetir que será difícil para os Estados Unidos preservarem sua influência internacional se o governo não colocar ordem na situação  interna. A questão é saber se, à medida que a "Pax Americana" não poderá mais ser a mesma, a comunidade internacional conseguirá estabelecer as bases de uma nova ordem multilateral.

O recente colapso das Bolsas se parece com o de 1929?
Há diferenças reais, assim como semelhanças evidentes. A primeira diferença é que o sistema internacional não é mais o mesmo. Após a Grande Depressão, a economia  americana se dotou de mecanismos estabilizadores. É pouco provável que se repita o nível de miséria da década de 1930. Além disso, agora os governos reagem rápido para minimizar os danos.

E as semelhanças?
São duas crises globais em períodos de avanços tecnológicos: a difusão do uso da eletricidade e do petróleo como fontes energéticas da década de 1920 e, nos anos 1990, a revolução da informática. Ambos criaram um sentimento de euforia, e com ela a ilusão de que se poderia escapar de crises.

SAIBA MAIS

Livros:
Histoire des États-Unis Contemporains, Pierre Mélandri, André Versaille, 2008  - Explica os Estados Unidos hoje a partir dos fatos mais marcantes de seu passado.
A História dos Estados Unidos desde 1895, Pierre Mélandri, Edições 70, 2006  - Descreve como o país saiu arrasado da Guerra Civil e, décadas depois, já era uma grande potência.