Nasce um país: Israel

Seis meses depois de batido o martelo na ONU, o sonho de judeus do mundo todo finalmente se realiza. No dia 14 de maio de 1948, Israel declara sua independência

Eduardo Lima Publicado em 01/05/2007, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Redenção judaica

A independência de Israel foi proclamada no Museu de Arte de Tel-Aviv. Assinaram a declaração 37 membros do Conselho do Povo, entre integrantes do movimento sionista e representantes do yishuv (a comunidade judaica). “Apelamos ao povo judeu em toda a Diáspora para ajudar os judeus de Eretz Israel nas tarefas de imigração e de construção e nos apoiarem na grande luta de realização do antigo sonho – a redenção de Israel”, dizia a declaração lida por David Ben-Gurion durante a cerimônia. Ben-Gurion seria eleito premiê em fevereiro de 1949, nas primeiras eleições da história do país. Chaim Weizmann, líder do movimento sionista, tornou-se o presidente. E vários signatários da proclamação assumiram pastas no primeiro ministério. Três deles ocupariam os cargos mais importantes do país nos anos seguintes. Veja no quadro ao lado.

Yitzhak Ben-Zvi 1884-1963

Líder yishuv, foi membro do Knesset (o parlamento) desde 1949. Em 1952, sucedeu Chaim Weizmam na presidência do país. Fundador do movimento sionista, Ben-Zvi é considerado uma peça fundamental na organização das forças israelenses de autodefesa antes da independência e nos anos seguintes à criação do Estado judeu.

Moshe Sharett - 1894-1965

Líder sionista dos mais destacados, comandou o departamento político da Agência Judaica de 1933 a 1948. Em 1949, como ministro israelense das Relações Exteriores, foi o responsável pelo armistício que pôs fim à Guerra da Independência. Tornou-se o segundo premiê de Israel em 1954, sucedendo a David Ben-Gurion. Mas só ficou no cargo até o ano seguinte.

Golda Meir - 1898-1978

Com a declaração da independência, foi nomeada embaixadora em Moscou. De 1949 a 1956, foi ministra do Trabalho. Em seguida, assumiu a Ministério das Relações Exteriores, onde ficou até 1965. Em 1969, foi eleita primeira-ministra. Antes de deixar o cargo, em 1974, enfrentou a Guerra do Yom Kippur e o assassinato de 11 atletas israelenses na Olimpíada de Munique.

Palestina - 29 de novembro de 1947

População - 2 milhões de habitantes (árabes - 65%; judeus - 30%; cristãos e outras religiões: 5%)*

Idioma oficial - Inglês (árabe e hebraico falados pela maior parte da população)

Moeda - Libra palestina

Governo - Território administrado pela Grã-Bretanha segundo o regime de mandatos criado pela Liga das Nações ao final da Primeira Guerra Mundial

Israel - 14 de maio de 1948

População - 806 mil habitantes (judeus - 80%; árabes – 15%; cristãos: 3%; drusos e outras minorias: 2%)*

Idioma oficial - Hebraico (árabe falado por boa parte da população)

Moeda - Libra palestina (a libra israelense seria adotada em 1951 e o shekel, em 1980)

Governo - República parlamentarista

Primeiro-ministro - David Ben-Gurion

Presidente - Chaim Weizmann