Naufrágios encontrados em ilha grega

Achado surpreendeu os próprios arqueólogos

Fabio Marton Publicado em 25/12/2015, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

A região de Fourni, no Mar Egeu, era estratégica para a navegação
A região de Fourni, no Mar Egeu, era estratégica para a navegação - Shutterstock
O lugar já está sendo chamado de “a capital mundial dos naufrágios”. Uma equipe conjunta grega e americana mergulhou nas águas do Arquipélago de Fourni, a cerca de 200 quilômetros da costa da Grécia. Há séculos, pescadores da região já sabiam das ânforas no fundo do mar, mas até agora ninguém havia investigado. O resultado foram 22 navios encontrados, que cobrem um impressionante período de mais de dois milênios. Isso representa 12% de todos os naufrágios registrados historicamente na Grécia.

Os pesquisadores tinham esperança de achar algo como quatro navios. “Numa exploração, você não escolhe realmente o que vai achar – você só mergulha”, afirma George Koutsouflakis, diretor dos trabalhos. “Já sabíamos que Fourni era um centro de navegação no Mar Egeu, então tínhamos algumas expectativas. Mas o resultado nos surpreendeu. A importância do local foi subestimada.” Os achados datam do Período Arcaico, por volta de 700 a.C., até o século 16. Ânforas de tipos e conteúdos
nunca antes vistos foram retiradas do local. Havia cargas da civilização samnita, que precedeu os romanos no controle do sul da Itália. Não quer dizer que Fourni era
uma espécie de “Triângulo das Bermudas” da Antiguidade. O fato, exatamente como no Triângulo das Bermudas (sua letalidade é um mito), é que era uma região altamente movimentada. O lugar ficava no caminho entre a Grécia e o Levante, região estratégica, por onde passavam as importações da Ásia – e, não por acidente,
o berço da civilização fenícia, os grandes comerciantes da Antiguidade. Na média, dá um naufrágio por século, o que parece até bem seguro.