Coronavírus » Pandemia

Na Espanha, idosa de 113 anos vence o coronavírus

María Branyas, que também vivenciou a Gripe Espanhola, se tornou a pessoa mais velha do mundo a sobreviver a doença

Paola Churchill Publicado em 12/05/2020, às 14h21

Mão de uma senhora idosa
Mão de uma senhora idosa - Pixabay

Em Girona, na Espanha, uma idosa de 113 anos se tornou a mais nova sobrevivente do coronavírus. María Branyas, que nasceu em 1907, fez todo o tratamento no asilo em que mora. Após o árduo tratamento, a senhora se tornou a pessoa mais velha do mundo a se curar dos sintomas da Covid-19.

Ela contraiu a doença no mês passado e ficou em isolamento por várias semanas em seu quarto na casa de repouso, recebendo a visita apenas de uma funcionária que usava trajes de proteção e a ajudava com refeições e tarefas diárias.

"Na verdade, a única coisa que foi detectada foi uma infecção do trato urinário e um pouco de febre associada, mas depois ela foi submetida a um teste de triagem que deu positivo", explicou a cuidadora da idosa em entrevista à AFP. "Agora ela está se sentindo bem e teve um teste negativo na semana passada".

Em entrevista para a agência EFE, María diz que está bem e disposta, sentindo apenas alguns sintomas, que segundo a idosa “são comuns para pessoas da sua idade”.

Outra epidemia

Branyas nasceu nos Estados Unidos em 4 de março de 1907 e hoje mora na Espanha. Essa não é a primeira pandemia que a centenária passou, ela também presenciou os horrores da Gripe Espanhola, em 1918.

A Espanha é o terceiro país com mais casos do novo coronavírus, chegando a mais de 228 mil espanhóis e 26.920 mortes. No mundo inteiro, os casos confirmados da doença ultrapassam quatro milhões de pessoas e as vítimas fatais, mais de 286 mil.