Galeria » Oriente Médio

O harém do Xá Naser al-Din Shah Qajar em imagens raras

Apaixonado por fotografia, o Xá permitiu que alguns dos registros mais impressionantes da história fossem tirados. Confira as imagens!

Pamela Malva Publicado em 19/01/2020, às 09h00

Algumas das 100 cuncubinas do harém de Naser
Algumas das 100 cuncubinas do harém de Naser - Museu do Palácio do Golestão

Antigamente, os haréns existiam por todo o Oriente Médio. Ainda que, em casas tradicionais, um cômodo reservado apenas às mulheres recebesse esse nome, os haréns de sultões e xás tinham outras funções — sem contar um número muito maior de mulheres.

Geralmente instalados nos palácios dos governantes, os haréns tinham o papel social e político de, com odaliscas escolhidas a dedo, gerar um filho homem que pudesse ser herdeiro do sultão e assumir o trono. Esse era o caso, por exemplo, do harém persa de Naser al-Din Shah Qajar.

O Xá — uma variação de rei, sultão — governou a Pérsia entre 1848 e 1896 e seu harém ficava no Palácio do Golestão, em Teerã, no Irã. Hoje, a construção é um museu e é lá que algumas das fotos mais reveladoras já encontradas estão guardadas.

Apaixonado por fotografia desde criança, Naser al-Din deciciu montar um estúdio fotográfico em seu palácio. Foi assim que o fotógrafo russo Anton Servryugin recebeu o convite de capturar o dia-a-dia do Xá em seus aposentos, entre 1870 e 1880.

Naser al-Din Shah Qajar (direita) ao lado das mulheres de seu harém / Crédito: Museu do Palácio do Golestão

 

Inicialmente, o russo tinha a permissão de tirar fotos do próprio governante, de seus parentes homens e de seus servos, já que a lei xiita daquela época proibia que mulheres fossem retratadas em pinturas e fotografias. Naser, no entanto, não seguiu a lei.

Logo, o Xá quis que as 100 mulheres de seu harém fossem fotografadas também e permitiu que algumas imagens fossem feitas. Essa pequena quebra na lei xiita gerou alguns dos registros históricos mais impressionantes e reveladores daquela época.

Através das fotos em preto e branco, é possível perceber as vestimentas, o estilo de vida e até mesmo os critérios de beleza das concubinas durante aquele período. Nas fotos, as mulheres aparecem com roupas extravagantes, quase nenhuma era magra e a maioria tinha sobrancelhas grossas e buço (um símbolo de beleza).

Confira algumas das imagens:

Cuncubinas em piquinique no palácio / Crédito: Museu do Palácio do Golestão

 

Cuncubina com as vestes da época / Crédito: Museu do Palácio do Golestão

 

Anis-Al-Doleh, a cuncubina favorita do Xá / Crédito: Museu do Palácio do Golestão

 

Anis-Al-Doleh (sentada), ao lado de outra cuncubina e o Xá Nasar (direita) / Crédito: Museu do Palácio do Golestão

 

Duas cuncubinas com suas vestes / Crédito: Museu do Palácio do Golestão

 

Cuncubinas enfileiradas com suas vestes / Crédito: Museu do Palácio do Golestão

 

Fotos de mostram um poudo do dia-a-dia das cuncubinas no harém / Crédito: Museu do Palácio do Golestão

 

Anis-Al-Doleh, a preferida, com uma menina no colo, ao lado de outra cuncubina / Crédito: Museu do Palácio do Golestão

 


+Saiba mais sobre o tema através dos livros abaixo

O harém de Kadafi, de Annick Cojean (2012) - https://amzn.to/2FOif6M

O grande Oriente Médio, de Paulo Visentini (2014) - https://amzn.to/3677Hui

As Primeiras civilizações, de Jaime Pinsky (2001) - https://amzn.to/2NyjZp6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.