Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Mussolini

101 anos: Último carcereiro de Mussolini celebra aniversário

Ferdinando Tascini foi o carcereiro de Mussolini em Campo Imperatore, o hotel que virou prisão e abrigou o ditador entre agosto e setembro de 1943

Redação Publicado em 28/12/2023, às 17h51

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Ferdinando Tascini (esq.) e Benito Mussolini (dir.) - Reprodução / vídeo / TuttOggi e Domínio público
Ferdinando Tascini (esq.) e Benito Mussolini (dir.) - Reprodução / vídeo / TuttOggi e Domínio público

Ferdinando Tascini, o último carcereiro do ditadorBenito Mussolini, completou 101 anos de idade nesta quinta, 28. Ele vive em Città di Castello, perto de Perúgia, capital da região da Úmbria.

Ele é conhecido por ter sido convocado para uma "missão especial e secreta" durante a Segunda Guerra Mundial. Ele foi carcereiro em Campo Imperatore, hotel convertido em prisão que deteve Mussolini entre agosto e setembro de 1943.

Após uma votação de desconfiança do Grande Conselho Fascista em julho daquele ano, Mussolini foi preso e levado para Campo Imperatore. No entanto, ele foi resgatado em um audacioso ataque aéreo da Alemanha, que não aceitava o armistício assinado pelo governo italiano com os Estados Unidos.

Eu estava no meu quarto quando ouvi pessoas gritando 'eles estão chegando'", contou Tascini à mídia local. "Mussolini esperava os americanos, mas no fim foram os alemães".   

O ataque ao Gran Sasso (entendido pelo codinome "Operação Carvalho", que foi dado pelo exército alemão) foi uma operação bem-sucedida feita por paraquedistas alemães e comandos da Waffen-SS, pessoalmente ordenada pelo próprio Adolf Hitler, segundo informações da ANSA, via UOL.

Comemoração da data

Tascini comemorou seu aniversário com filhos, netos e bisnetos. "Se cheguei até aqui, devo agradecer a Deus, depois à minha família, a verdadeira essência da vida", disse. "O lugar onde vivi, o campo, a boa comida e muito, muito trabalho também foram fundamentais".

Ele ainda tem um sonho a realizar: poder apertar a mão do presidente da República,Sergio Mattarella. "Seria realmente bom poder falar com o nosso presidente, ponto de referência e orgulho para todos nós", disse. "Assim como a bandeira tricolor e a Constituição, que sempre foi e será para mim e para minha família o farol da vida que nos guia, do qual devemos nos orgulhar".

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!