Notícias » China

China pede que empresas de videogames não estimulem a "efeminação", nem promovam o vício

Os reguladores esperam que as companhias sigam as novas normas estabelecidas no país

Redação Publicado em 09/09/2021, às 09h25

Jovem jogando videogame
Jovem jogando videogame - Getty Images

Os reguladores do setor de videogames na China pediram, na última quarta-feira, 8, que as empresas Tencent e NetEase retirem conteúdos que possam provocar a "efeminação" de homens e meninos.

Além disso, exigiu que promovam medidas voltadas para o controle do vício em menores de idade. As informações foram repercutidas pelo UOL.

Algumas horas após a convocação dos CEOs das companhias, a agência de notícias estatal Xinhua explicou que as empresas haviam recebido a ordem de "romper com o objetivo único de gerar lucros e modificar as regras que podem criar uma dependência". As autoridades ainda pediram às companhias que "apliquem ao pé da letra" as regras que determinam o tempo de jogo para menores de 18 anos.

Em agosto deste ano, o governo chinês decidiu limitar o tempo que crianças e adolescentes podem jogar videogame em apenas três horas por semana, além de uma hora por dia nos fins de semana e durante as férias.

"O conteúdo obsceno e violento, assim como aqueles que favorecem tendências doentias, como o culto ao dinheiro e à efeminação, devem ser suprimidos", declararam os reguladores, conforme a agência de notícias Xinhua.