Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Marsha Hunt

Morre Marsha Hunt, estrela da era de ouro de Hollywood, aos 104 anos

Atriz foi a primeira grande ativista do cinema e foi incluída na Lista Negra de Hollywood na década de 1950

Redação Publicado em 12/09/2022, às 08h07

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
John Wayne e Marsha Hunt em “Trunfos na Mesa” (1937) - Divulgação/Paramount Pictures
John Wayne e Marsha Hunt em “Trunfos na Mesa” (1937) - Divulgação/Paramount Pictures

Marsha Hunt, atriz da era de ouro de Hollywood e primeira grande ativista do cinema, morreu na quarta-feira, 7, aos 104 anos em sua casa no distrito de Sherman Oaks, no estado norte-americano da Califórnia, onde vivia desde 1946.

A estrela morreu de causas naturais, informou no sábado, 10, o diretor Roger C. Memos, responsável por filmar um documentário sobre a vida da estrela, "Marsha Hunt's Sweet Adversity" (2015).

A atriz Marsha Hunt em 2013 / Getty Images

Huntiniciou sua carreira no cinema aos 17 anos, quando assinou contrato com a Paramount Pictures e estreou no filme "Cumpra-se a Lei" em 1935. Depois, contracenou com John Wayne em "Trunfos na Mesa" (1937) e, já pela MGM, atuou ao lado de Lana Turner em "Estas Grã-Finas de Hoje" (1939).

Outros papeis de sucesso da atriz foram em "Heroica Mentira" (1939), em uma versão adaptada de "Orgulho e Preconceito" (1940), onde viveu Mary Bennet no mesmo filme em que Laurence Olivier era intérprete do protagonista Mr. Darcy, e em "Entre Dois Fogos" (1948).

Ativismo

Marsha Hunt em "Aurora Sangrenta" (1943) / Divulgação/MGM

Como destacou o portal Terra, a atriz não conseguiu o status de suas colegas de elenco na época, mas acabou ficando mais famosa por seu outro lado: o do ativismo. Em 1947, Hunt se juntou a um movimento pró-liberdade de expressão que questionava a legalidade do Comitê de Atividades Antiamericanas da Câmara, que funcionava como um “caça comunistas” na indústria do entretenimento.

Ela poderia ter se retratado após a situação, mas esse não foi o caso: por não ter se arrependido de integrar o movimento, a estrela teve, em junho de 1950, seu nome incluído na Lista Negra de Hollywood, que proibía artistas de trabalharem por suposto “comunismo”.

"Sabe, eu nunca me interessei pelo comunismo", afirmou Hunt em uma entrevista de 2004. "Eu estava muito interessada em minha indústria, meu país e meu governo. Mas fiquei chocada com o comportamento do meu governo e seus maus tratos à minha indústria. E então eu reclamei e protestei como todo mundo naquele voo. Mas então me disseram que eu não era uma ativista liberal, mas uma comunista e estava na Lista Negra. Era tudo sobre controle e poder".

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!