Notícias » Europa

Por que a Ucrânia não tem mais as 3 mil armas nucleares herdadas da URSS?

Em meio a conflito com a Rússia, a desnuclearização completa do país pesa na competição militar pelo território

Wallacy Ferrari Publicado em 28/02/2022, às 11h09 - Atualizado às 12h24

Veículo armado circulando na Ucrânia
Veículo armado circulando na Ucrânia - Getty Images

A Ucrânia, que hoje tem seu efetivo militar ameaçado com a operação de intervenção conduzida pela Rússia, nem sempre esteve em completa situação de vulnerabilidade; após o fim da Segunda Guerra Mundial, ela era a terceira maior potência nuclear do planeta, sediando diversas instalações importantes da União Soviética.

Com a separação do URSS, em 1991, ganhou mais autonomia ao se tornar independente, administrando cerca de 3 mil armas nucleares deixadas pela antiga nação. Com tal força, como teria se enfraquecido tanto em três décadas?

A resposta se dá pela desnuclearização completa no chamado Acordo de Budapeste, assinada em 1994 em acordo com o Reino Unido, Estados Unidos e, justamente, com a Rússia, como informou o jornal Folha de S. Paulo na época.

De acordo com o portal G1, todo o material de combate nuclear foi desmontado em território russo nos dois anos seguintes, tendo em troca a segurança e amparo das nações que compuseram o acordo, em um período onde os países estavam em situação amistosa, longe do cenário atual que a Ucrânia mantém com a Rússia