Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Tesouro

Raras peças de ouro da arte sacra são encontradas em basílica da Nicarágua

As peças eram consideradas como perdidas no México há séculos

Éric Moreira, sob supervisão de Wallacy Ferrari Publicado em 11/06/2022, às 12h00

Imagem de peças raras encontradas na Nicarágua - Divulgação/YouTube/euronews (en español)
Imagem de peças raras encontradas na Nicarágua - Divulgação/YouTube/euronews (en español)

Luigi Valadier foi um renomado ourives italiano, que viveu entre 1726 e 1785, sendo uma das figuras mais proeminentes da arte decorativa, que criava peças impactantes em ouro, prata, pedras preciosas, madeira ou vidro, de acordo com especialistas. Por isso, também foi um dos artistas mais requisitados por papas, aristocratas e membros de famílias reais de sua época.

Doze candelabros, dois ostensórios e um cálice, além de outras peças do artista, foram encontradas na Catedral de León, na Nicarágua, sendo identificadas e reconhecidas pelo pesquisador e crítico de arte americano Xavier Salomon — que também trabalha como vice-diretor do museu Frick, curador-chefe do teatro Peter Jay Sharp e curador do departamento de Pinturas Europeias do Museu Metropolitano de Arte de Nova York.

Os objetos em questão eram tidas como "perdidos em algum lugar no México, para onde haviam sido enviados", de acordo com o especialista.

Cálice feito pelo ourives Luigi Valadier
Cálice feito pelo ourives Luigi Valadier / Divulgação/YouTube/euronews (en español)

Catedral de León

Hoje se descobre que, ao longo desses séculos, eles foram encontrados servindo e destacando as celebrações litúrgicas e ornamentos da nossa famosa basílica", disseram representantes da Catedral de León sobre as raras peças encontradas. "Todos esses objetos sagrados fazem parte dos tesouros pertencentes à Catedral de León."

A igreja, também conhecida como Catedral da Assunção da Bem-Aventurada Virgem Maria se encontra na Nicarágua, e foi reconhecida pela Unesco como patrimônio da humanidade, em 2011.