Notícias » Brasil

Relembre a destruição da placa de Marielle Franco

Os políticos Rodrigo Amorim e Daniel Silveira recentemente tiraram foto com metade da placa que quebraram

Redação Publicado em 08/03/2022, às 18h24

A destruição da placa
A destruição da placa - Divulgação/Vídeo

Nas eleições presidenciais de 2018, um momento de polarização política e apenas alguns meses após o assassinato da vereadora Marielle Franco, manifestantes acoplaram uma placa em homenagem à política em cima da sinalização da praça Marechal Floriano. Esse objeto foi quebrado ao meio por dois políticos, na época, do PSL.

Os responsáveis foram Rodrigo Amorim, atualmente deputado estadual, e Daniel Silveira, deputado federal pelo Rio de Janeiro

Após o ato, a placa decora as paredes do gabinete de Amorim na Assembleia Legislativa do Rio (Alerj). De acordo com seu relato à publicação O Globo, em 2019, sua ação foi uma “restauração da ordem”.

O fragmento da falsa placa é o símbolo da restauração da ordem no Rio de Janeiro. Há alguns dias me manifestei no plenário da Alerj quanto à desordem protagonizada por alguns deputados da esquerda que pretendem transformar os corredores do Legislativo em local de doutrinação ideológica. Minha manifestação é na privacidade do meu gabinete sem afrontar absolutamente ninguém”, expressou.

A fotografia atual

Perto dos quatro anos desde o assassinato de Marielle, que ocorreu em 14 de março de 2018, os dois deputados tiraram uma foto com a metade emoldurada da placa que quebraram. Na fotografia, aparecem sorrindo e segurando o objeto, que contém parte do nome da vereadora morta.

Segundo a cobertura do portal de notícias Veja, Rodrigo Amorim apontou que não há arrependimento em relação à destruição da placa e que foi o ato foi uma afronta a outro partido, de esquerda. O objeto está ao lado de um fuzil e um retrato do senador Flávio Bolsonaro nas paredes do gabinete de Amorim.

Eu e Silveira continuamos muito alinhados, tomando decisões em conjunto. Nunca nos arrependemos do gesto, mesmo criticado, porque sempre deixamos claro que a nossa questão era com o Psol, que explorava e ainda explora esse episódio lamentável do assassinato covarde da vereadora. Nosso gesto foi de restauração da ordem e está mais do que provado que, para as mulheres, a ordem é preferível ao caos”.