Matérias » Personagem

26 anos após o trágico fim de Kurt Cobain: que destino teria levado Courtney Love?

Depois de um relacionamento conturbado e do uso abusivo de drogas, Love parece ter encontrado seu caminho artístico

Penélope Coelho Publicado em 17/08/2020, às 15h44

Love em 1986
Love em 1986 - Wikimedia Commons

Conhecida como um ícone feminino do punk e do grunge da década de 1990, Courtney Michelle Harrison, é uma figura marcante da cena musical. Conhecida por seu nome artístico, Courtney Love teve um relacionamento amoroso com Kurt Cobain. Do casamento veio ao mundo a única filha do casal, Frances Bean, com quem a artista tem uma relação de altos e baixos.

Mesmo antes do trágico suicídio de Kurt, a vida de Love já era marcada por inúmeras polêmicas. Após a morte do marido, a cantora e compositora enfrentou grande dificuldade para se encontrar novamente, porém, no início de 2020, fez uma revelação positiva sobre a sua dependência química.

Courtney Love em 2016 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Depois do fim

Após a morte do marido, em 5 de abril de 1994, a cantora demorou para fazer sua primeira aparição em público. Ela voltou aos palcos meses depois, ao lado de sua antiga banda Hole, em 26 de agosto.

Porém, a mulher não estava bem emocionalmente e abusava cada vez mais do uso de heroína. E nos anos seguintes se envolveu em inúmeras discussões. Em 1995, a norte-americana foi presa após brigar com uma aeromoça em Melbourne.

No mesmo ano, Love se envolveu em mais uma confusão quando socou a musicista Kathleen Hanna, no festival Lollapalooza, em Washington. Segundo Courtney, Hanna teria feito um comentário maldoso sobre sua filha.

Anos depois, a cantora assumiu que tinha pouca memória deste período, já que se afundou nas drogas. Após algumas participações no cinema, no fim da década de 1990, a artista decidiu que era hora de seguir seu caminho sozinha: a Hole teve um fim em 2002. Não por acaso, o início da década de 2000 foi bem complicado para Love, que enfrentou problemas na justiça envolvendo a guarda da filha.

Mãe x Filha

Em fevereiro de 2003, a compositora se envolveu em uma briga em um aeroporto e foi presa novamente. Em outubro do mesmo ano, mais uma vez, Love foi levada pela polícia após quebrar as janelas da casa de seu então namorado, em Los Angeles.

Por isso, temporariamente, Courtney perdeu mais uma vez a guarda da filha — o que já tinha acontecido quando Frances ainda era bebê. Entretanto, a mulher conseguiu recuperar a custódia da garota em 2005. Ainda assim, em 2009, mais uma vez, uma ordem de restrição as separou.

A seguir, Frances foi morar com sua tia e com a avó paterna. Enquanto isso, a relação de mãe e filha foi constantemente problemática, contudo, nos últimos anos, Frances, de 27 anos, e Courtney, de 56, se reaproximaram.

Volta por cima

Courtney Love em 2014 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Em decorrência de sua rebeldia, algumas atitudes importantes da cantora acabam sendo pouco comentadas, já que suas outras atitudes acabam dominando as manchetes. Porém, as bandeiras sociais também fazem parte do histórico da compositora que desde a década de 1990 apoia causas infantis, além de falar abertamente sobre seu apoio ao movimento LGBTQI+ e ajudar associações que abrigam pessoas portadoras do vírus da AIDS.

Mesmo com um comportamento sempre questionado pela mídia, Courtney se dedicou ao cinema, lançou álbuns e produziu até uma linha de roupas. Na última década, Love tem afastado seu nome de polêmicas e busca melhorar seus vícios.

No início de 2020, a mulher recebeu o prêmio de Ícone no NME Awards. Na premiação, Love foi considerada uma das cantoras mais influentes na cultura alternativa dos últimos 30 anos. Ao receber o troféu, a mulher falou abertamente que estava sóbria:

“Estou sóbria há 18 meses hoje. Não acredito nisso e é muito louco. Muito obrigada, estou muito honrada. Muito obrigada.”, afirmou a cantora na ocasião.


Saiba mais sobre Kurt Cobain por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

O dia em que o rock morreu, de André Forastieri (Ebook) - https://amzn.to/329jZSH

Kurt Cobain, de Charles R. Cross (2014) - https://amzn.to/3bSxwT5

Kurt Cobain - Quando eu era um Alien, de Toni Bruno (2015) - https://amzn.to/37IaN8Z

Mais pesado que o céu: Uma biografia de Kurt Cobain, de Charles R. Cross (2012) - https://amzn.to/2HFSfeX

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du