Matérias » Personagem

8 litros de cerveja: a trágica morte de Oliver Reed nos bastidores de Gladiador

O filme de 1999 teve a participação notória do ator para interpretar o mentor de Maximus, mas não contava com um infeliz evento

Wallacy Ferrari Publicado em 16/04/2020, às 11h51

Oliver Reed no papel de Antônio Proximo
Oliver Reed no papel de Antônio Proximo - Divulgação

Oliver Reed tinha duas personalidades notáveis além das tantas interpretadas em 41 anos de carreira: a primeira, conhecida mundialmente, era a de um excelente ator com muita versatilidade. Apesar de não fazer o tipo galã para Hollywood, soube usar o humor, movimentação e simpatia para participar de produções premiadas com Globos de Ouro e Oscars.

A segunda, também era conhecida, mas vista apenas com uma grande brincadeira. Sempre bem-humorado, brincava com o estilo de vida “hellraiser”, uma espécie de jeitão pirata de beber e brincar. No início da carreira, contava histórias em programas de entrevistas sobre noites de bebedeiras em diversos lugares do mundo, sempre relatando algum ponto cômico.

Em um talk show, Reed chegou a relatar que, junto a 36 amigos, conseguiu consumir 60 litros de cerveja, 32 garrafas de uísque, 17 garrafas de gin, quatro de vinho e uma de espumante em apenas uma noite. Além disso, diversas personalidades notórias chegaram a relatar que Oliver realmente era ótimo em se embriagar.

O ator e stuntman Steve McQueen chegou a relatar que, durante uma viagem a Londres em 1973, Reed ficou tão bêbado que chegou a vomitar nele. Outro amigo de bebedeira foi o baterista Keith Moon, do The Who, também conhecido pelos exageros alcoólicos, e Christopher Lee, que uma vez relatou que os episódios de embriaguez do amigo “eram horríveis de ver”.

As personalidades, no entanto, não se confundiam; Oliver sabia separar a brincadeira e a bebedeira do trabalho e evitava ao máximo a informalidade. Durante uma entrevista ao The Tonight Show com Johnny Carson, em 1975, chegou a ter um copo de uísque despejado sobre sua cabeça por outra convidada após fazer comentários machistas. Após o episódio, fez questão de reposicionar sua imagem de maneira mais responsável.

Oliver Reed sendo entrevistado por David Letterman (à esq.) e por Johnny Carson (à dir.) / Créditos: Divulgação

 

Passou a solicitar que as entrevistas dessem ênfase aos filmes divulgados e não ao perfil boêmio do ator. Em 1987, ficou bastante irritado com David Letterman por não cumprir a solicitação e chegou a dar uma aspirina ao apresentador, afirmando que não era ele quem estava bêbado. Com o passar dos anos de sua carreira, o profissionalismo do ator deu a oportunidade de receber propostas para papéis sérios.

Interpretando figuras associadas a paternidade e sabedoria, foi convidado, no final da década de 1990, a realizar o papel que poderia reedificar sua carreira de maneira mais incisiva. Ridley Scott gostava do passado boêmio mesclado com a personalidade responsável que havia desenvolvido nos últimos anos de carreira e o convidou para interpretar Antonius Proximo, mentor de Maximus.

O fim de um hellraiser

As gravações de Gladiador estavam sendo realizadas na cidade de Valetta, capital de Malta, em maio de 1999. Entre as gravações, chegou a fazer algumas cenas, mas aproveitou para conhecer a cidade durante uma pausa nas filmagens. De acordo com o que relatou para a equipe, não bebia há meses e fazia questão se abster, o que era uma inverdade. Na primeira oportunidade, buscou um bar.

Em um bar chamado The Pub, foi reconhecido por militares de um navio da marinha inglesa, que fizeram questão de certificar se a fama de bom beberrão era verdadeira. Com muitas brincadeiras, estimulou Oliver a participar de uma competição de bebidas. Testemunhas afirmam que, em apenas uma tarde, conseguiu beber oito litros de cerveja alemã, meia garrafa de uísque, doze doses de rum e algumas de conhaque, ganhando a competição.

Cena com Oliver Reed adicionado digitalmente em Gladiador / Créditos: Divulgação

 

Completamente alterado, sua conta no bar totalizava cerca de 270 liras maltesas (aproximadamente 3 mil reais), além de vencer cinco marinheiros — bem mais jovens — na queda de braço. Em uma grande festa, teve um mal súbito, desmaiando de repente. Socorrido pelos soldados, foi levado ao hospital rapidamente, mas morreu a caminho, aos 61 anos.

A morte repentina de Oliver mudou os projetos do filme, que tinha mais três dias de gravação com o ator. No roteiro, o mentor Proximo teve de ser morto para justificar a ausência nas cenas. Além disso, um ator foi contratado para servir de dublê na reprodução de seu rosto em algumas cenas digitalizadas. O bar aproveita a fama de Reed até os dias atuais e se renomeou para The “Oliver Reed Died Here” Pub (O Pub Onde Oliver Reed Morreu, em tradução livre).


+Saiba mais sobre Hollywood por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W