Matérias » Curiosidades

Da maquiagem de Elizabeth I às perucas de Maria Antonieta: 5 histórias intrigantes de rainhas famosas

Ao longo da História, existiram inúmeras mulheres que deixaram seu legado com narrativas curiosas

Giovanna de Matteo Publicado em 24/10/2020, às 10h00

Elizabeth I no filme Duas Rainhas (à dir.) e Maria Antonieta no filme biográfico (à esq.)
Elizabeth I no filme Duas Rainhas (à dir.) e Maria Antonieta no filme biográfico (à esq.) - Divulgação

Toda criança sonha em morar em um castelo encantado e viver um conto de fadas, rodeado por princesas, bobos da corte, reis e rainhas. Todavia, a realidade nem sempre é como imaginamos. 

As rainhas verdadeiras passaram por momentos escandalosos, bizarros e até mesmo intrigantes. Pensando nisso, o site Aventuras na História separou 5 episódios curiosos sobre rainhas mais famosas que marcaram a história do mundo. 

1. Maquiagem de Elizabeth I

Retrato de Elizabeth I, por Marcus Gheeraerts /Getty Images

 

Elizabeth I, é uma das monarcas mais importantes da Inglaterra. Ela ficou conhecida por aparecer sempre muito bem montada, com roupas extravagantes e luxuosas, uma peruca vermelha e maquiagens de chamar a atenção. 

O pó branco que usava em seu rosto se tornou sua marca registrada, criando uma moda entre a nobreza, no entanto, o que ninguém sabia é que a maquiagem exagerada, na verdade, era um refúgio para a rainha.

Elizabeth havia sofrido os efeitos devastadores da varíola, doença que a deixou com diversas marcas no corpo, incluindo o seu rosto. Depois de muito sofrer, ela curou, entretanto, teve sua pele marcada para sempre com erupções cutâneas, que se transformavam em pequenas bolhas, deixando cicatrizes por todo o rosto. 

“Você se sente confiante o suficiente para ir a uma reunião se tiver uma mancha gigantesca no rosto? Você pode realmente sentir a coragem dela de realmente se recompor e encontrar a coragem de entrar naquelas salas”, disse Josie Rourke, diretora do filme Duas Rainhas (2018), que conta as histórias de Maria da Escócia e Elizabeth I.

A solução para esconder os machucados foi uma espécie de maquiagem que cobria totalmente seu rosto, com um aspecto forte. O tal pó branco foi desenvolvido para ela através de uma mistura de chumbo branco e vinagre.

2. Perucas de Maria Antonieta

Maria Antonieta ficou famosa por seus penteados icônicos que ditavam a moda entre a realeza e a nobreza. Elas escondiam o pouco cabelo natural que a rainha tinha, e eram enfeitadas por seu cabelereiro particular com diversos tipos de coisas, como frutas, flores e até mesmo gaiolas com pássaros.

De acordo com Silvia Marques, pesquisadora e autora do livro "A História do Penteado", aquela época "foi marcada por perucas exageradas, que mostravam status e poder, e ela ficou marcada por seus trajes luxuosos e enormes penteados... Maria Antonieta revolucionou e ditou a moda no seu tempo, utilizando o figurino para se impor e se destacar como mulher e rainha". Ou seja, era uma maneira de destacar seu poder. 

Mas, apesar de sua fama de fashionista, a rainha não era nada higiênica, e enquanto residia no Palácio de Versalhes, o espaço real abrigava diversas "nojeiras", e suas perucas não escaparam disso: “O odor se impregnava nas roupas, perucas e até nas roupas íntimas", diz a escritora Carolly Erickson.

3. O caixão da Rainha Vitória

O caixão da rainha Vitória sendo carregado para a capela de São Jorge, em Windsor / Getty Images

 

A rainha Vitória que originou a eterna Era Vitoriana, foi uma das mulheres mais influentes até hoje. E na hora de sua morte não foi diferente: ela mesma havia deixado instruções à respeito de seu funeral.

Uma das coisas que chamou a atenção em seu enterro foi o seu caixão. Junto com o corpo da rainha, havia uma abundância de flores, trazidas de todo o Reino Unido e do exterior, que "esconderam" alguns dos itens que ela exigiu que fossem enterrados com ela.

Vitória havia preparado um funeral totalmente branco, incluindo as roupas que convidados especiais deveriam usar, o véu branco de seu casamento, e cavalos brancos para a procissão.

No caixão fora inserido um molde de gesso da mão do príncipe Alberto, uma capa que a princesa Alice havia bordado para o pai, muitas joias, entre elas seu anel de casamento e um anel presenteado por John Brown, além de uma mecha do cabelo e uma foto do mesmo em seu túmulo.

4. A morte incerta de Cleópatra

Pintura representando a morte de Cleópatra por mordida de cobra / Wikimedia Commons

 

Depois que o exército romano invadiu o Egito em 30 a.C, Cleópatra e seu marido Marco Antônio presenciaram a queda da civilização e, não tendo saída, recorreram ao suicídio.

A história conta que Antônio havia fincado uma espada sobre seu abdômen, e quando a notícia chegou a Faraó do Egito, ela teria provocado sua morte sendo picada por uma cobra peçonhenta de propósito.

Entretanto, a história nem sempre é concreta, e apesar de confirmar o suicídio da rainha, não podemos saber se a narrativa da cobra é realmente verdadeira. As versões mais românticas dizem que ela teria se deixado ser mordida por uma cobra, que fora criada para compactuar com a imagem sagrada que as cobras tinham no Egito Antigo. 

Entretanto, o mais provável é que ela tenha feito sua "poção mortal". De acordo com o historiador Christoph Schäfer, da Universidade de Trier, ela mesma preparou seu coquetel: "Considerando os sintomas, foi uma mistura de acônito, uma planta tóxica, cicuta e ópio."

A partir de um objeto pontudo, ela teria aberto uma ferida em seu braço. Assim, inserindo o veneno direto em sua circulação sanguínea e morrendo rapidamente.

5. A bolsa deElizabeth II 

Em dois looks de cores vivas, ela mantém a bolsa básica preta - Wikimedia Commons

 

Elizabeth II leva sua bolsinha para todos os lugares, desde eventos diplomáticos, até aparições públicas e festas. Mas, o que todo mundo quer saber é: o que tem de tão especial nesse item, e o que ela carrega?

Os modelos da bolsa Traviata, que a monarca recebe, são feitos sob medida, com uma carteira exclusiva, combinando com o couro preto da bolsa. Os zíperes na versão original são substituídos por travas de cliques frontais, à pedido da rainha.

Segundo o jornal The Mirror, a rainha da Inglaterra sempre carrega um pequeno espelho, feito também sob medida pela mesma marca da bolsa, um batom, óculos de leitura e uma caneta. Além disso, ela está sempre cheia de balas — o que indica que a rainha tem o hábito de consumir ou presentear as pessoas com doces. Ela também sempre leva algumas quantias de dinheiro, para oferecer em eventos de Igrejas.

A família está sempre com ela, tendo fotografias de familiares e amuletos dados por seus filhos e netos. Em ocasiões mais luxuosas, leva luvas extras e até um kit de costura, para alguma emergência.

Segundo o historiador Hugo Vickers, em entrevista à People, os movimentos de sua bolsa remetem algumas orientações à sua equipe. Toda vez que ela muda o item do braço esquerdo para o direito, ela quer se afastar de alguém que está conversando. Quando coloca o objeto em cima de uma mesa, significa que tem interesse de ir embora cedo, e quando coloca no chão, quer sair o mais rápido possível.


+Saiba mais sobre a Família Real Britânica em grandes obras disponíveis na Amazon:

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

The Queen: The Life and Times of Elizabeth II (Edição Inglês), de Catherine Ryan (2018) - https://amzn.to/2RhgNA7

God save the queen - O imaginário da realeza britânica na mídia, de Almeida Vieira e Silva Renato (2015) - https://amzn.to/2xTkiGd

O Amor Da Princesa Diana, de Anna Pasternack (2018) - https://amzn.to/2xOZ8c9

A história do século XX, de Martin Gilbert (2017) - https://amzn.to/2yFZMcv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W