Matérias » Arqueologia

O grande sarcófago do Egito: Relembre a descoberta arqueológica que parou o mundo em 2018

Desmentindo as mais alucinantes teorias, o caixão de granito preto não era amaldiçoado nem ao menos guardava o esqueleto de Alexandre, o Grande

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 05/03/2021, às 08h00

O sarcófago descoberto em Alexandria
O sarcófago descoberto em Alexandria - Divulgação/Ministério de Antiguidades do Egito

No bairro de Sidi Gaber, em Alexandria, Egito, uma escavação revelou uma grande tumba negra em 2018. Além do enorme sarcófago de granito preto, os arqueólogos também descobriram uma escultura de um homem. Na época, a descoberta arqueológica teve repercussão mundial e todos esperavam pela abertura da tumba.

Enterrado a mais de cinco metros de profundidade em uma propriedade privada na região, o sarcófago chocou tanto os arqueólogos quanto o público, que acompanhava tudo atentamente. A escultura também impressionou: feita de pedra alabastro, ela poderia representar a pessoa cujo esqueleto estava guardado na tumba. 

Segundo informações divulgadas pelo portal Live Science naquele ano, o sarcófago foi considerado o maior já descoberto na região. Em comunicado, o secretário-geral do Conselho Supremo de Antiguidades do Egito, Mostafa Waziri, afirmou que o artefato tinha 2,7 metros de comprimento, 1,5m de largura e 1,8 de altura.

A escultura descoberta / Crédito: Divulgação/Ministério de Antiguidades do Egito

 

Pesando mais de 30 toneladas, ele estava coberto por uma espessa camada de argamassa. Para Waziri, conforme exposto em nota, isso poderia indicar que ele não tinha sido aberto desde que foi enterrado, o que o tornou ainda mais impressionante. 

Afinal, a maioria dos sarcófagos já são descobertos abertos. Ao longo dos anos, eles foram encontrados por saqueadores e ladrões de tumba que danificam tanto o local quanto a múmia, se ela está presente, além de roubarem artefatos antigos e raríssimos que geralmente vêm com a tumba. 

A ideia era que os pesquisadores, ao abrirem a tumba pela primeira vez na história, pudessem encontrar o indivíduo enterrado, as joias, roupas e todo tipo de item valioso guardado pelos antigos egípcios.

Os pesquisadores estimaram que o artefato data de algum momento entre os anos de 304 e 30 a.C., depois da morte de Alexandre, o Grande. Apenas com esse dado, inúmeras teorias surgiram na internet, suspeitando que o caixão poderia guardar o esqueleto ou múmia do famoso rei. Essa hipótese foi negada três semanas depois, com a abertura do sarcófago pelas autoridades egípcias

Abrindo o sarcófago

Crédito: Divulgação/Ministério de Antiguidades do Egito

 

Em julho de 2018, o sarcófago foi finalmente aberto, o que pôde responder inúmeras questões que estavam se formando ao redor do mundo. A Veja noticiou o projeto do Ministério de Antiguidades do Egito na época, desmentindo as teorias criadas pelos curiosos. 

Também em nota, Waziri informou que três esqueletos foram identificados dentro da tumba. Citado pelo ministro, Shaaban Abdelmoneim, especialista em múmias e esqueletos, afirmou que os restos mortais provavelmente pertencem a “três oficiais militares ou guerreiros”, a partir dos exames preliminares realizados. Um deles inclusive apresentava uma ferimento por flecha na cabeça, que pode ter sido obtido durante batalha. A teoria de que Alexandre estava ali foi logo desmentida.

Outra conspiração levantada era a de que, ao abrir o sarcófago, os pesquisadores seriam atingidos por uma maldição. Uma espécie de maldição do Tutancâmon mais recente. Waziri brincou:  “O sarcófago foi aberto, mas nós não fomos atingidos por nenhuma maldição”.

Um líquido primeiramente misterioso também estava presente dentro da tumba, mas os conspiracionistas nem tiveram tempo de desenvolver teorias. O secretário-geral egípcio logo afirmou que eles conseguiram identificar o que era a água de coloração avermelhada: somente esgoto, que pode ter entrado por uma infiltração.


+Saiba mais sobre arqueologia por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Arqueologia, de Pedro Paulo Funari (2003) - https://amzn.to/36N44tI

Uma breve história da arqueologia, de Brian Fagan (2019) - https://amzn.to/2GHGaWg

Descobrindo a arqueologia: o que os mortos podem nos contar sobre a vida?, de Alecsandra Fernandes (2014) - https://amzn.to/36QkWjD

Manual de Arqueologia Pré-histórica, de Nuno Ferreira Bicho (2011) - https://amzn.to/2S58oPL

História do Pensamento Arqueológico, de Bruce G. Trigger (2011) - https://amzn.to/34tKEeb

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W