Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Matérias / Renascer

Renascer: Veja como acabou a primeira versão da novela, em 1993

Ainda que em nova roupagem, a novela teve uma versão em 1993, garantido um grande sucesso graças a trama e seu final comovente; saiba como foi!

Isabelly de Lima Publicado em 09/02/2024, às 19h32 - Atualizado em 19/02/2024, às 20h34

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Antônio Fagundes (1993) e Marcos Palmeira (2024) como José Inocêncio - Reprodução / TV Globo
Antônio Fagundes (1993) e Marcos Palmeira (2024) como José Inocêncio - Reprodução / TV Globo

Exibida no horário nobre da TV Globo, a novela 'Renascer' conquistou o público nos últimos tempos, obtendo números expressivos de audiência já no seu capítulo de estreia e atingindo 27,9 pontos de média, com 29,2 de pico de audiência no último dia 29 de janeiro. Uma marca difícil de ser alcançada, principalmente para uma produção “estreante” na TV.

A novelaque a antecedeu, ‘Terra e Paixão’ demorou cerca de 49 capítulos para atingir tal patamar, explica o Correio Braziliense. Mas o que justifica sua fama?

Além de uma premissa surpreendente e contar com ótimas atuações — ligadas por um bom roteiro —, a trama quer espelhar o sucesso de sua versão original, que possui o mesmo nome, exibida no ano de 1993.

Marcos Palmeira e Adriana Esteves como João Pedro e Mariana - Reprodução / TV Globo

Estrelado por Antônio Fagundes como o protagonista José Inocêncio e Marcos Palmeira como seu filho João Pedro (que vive José Inocêncio no remake), o último capítulo original foi exibido em 13 de novembro de 1993. Assim, surge uma dúvida: será que o último capítulo da nova versão será similar ao original? Confira o que aconteceu no final original da novela ‘Renascer’:

Em 1993

Assim como no remake, "Renascer" foi dividida em duas fases, narrando inicialmente a trajetória do jovem José Inocêncio (Leonardo Vieira), que firma um pacto divino e demoníaco ao fincar seu falcão aos pés de um Jequitibá, tornando-se uma lenda ao sobreviver a uma tentativa de assassinato por jagunços de fazendeiros locais.

Patricia França como Maria Santa e Leonardo Vieira como José Inocêncio ainda jovem - Reprodução / TV Globo

O personagem ergue um império do cacau em Ilhéus, Bahia, após se casar com Maria Santa (Patricia França), com quem tem quatro filhos. A segunda fase retrata um Inocêncio envelhecido, enfrentando desafios familiares e disputas territoriais, com destaque para seus embates com Belarmino (José Wilker) e Teodoro (Herson Capri).

Versão atual

A adaptação da trama apresentou Humberto Carrão como José Inocêncio na primeira fase, seguido por Marcos Palmeira em sequência. O enredo aborda a jornada do protagonista desde sua chegada a Ilhéus, onde enfrentou a hostilidade dos jagunços de Firmino (Enrique Diaz) e Belarmino (Antonio Calloni), até sua ascensão como um próspero fazendeiro.

Marcos Palmeira e Humberto Carrão como José Inocêncio na segunda e na primeira fase, respectivamente - Reprodução / TV Globo

Na segunda fase, Inocêncio confronta o luto pela morte de Maria Santa (Duda Santos) e sua relação turbulenta com João Pedro (Juan Paiva), enquanto seus outros filhos seguem caminhos profissionais diversos, todos sustentados pelo patriarca.

Final original

Na conclusão da trama escrita por Benedito Ruy Barbosa, o protagonista, José Inocêncio, encontrou seu destino nos braços de João Pedro, seu filho caçula, a quem ele havia rejeitado ao longo da vida devido ao luto pela morte de Maria Santa no parto de Pedro.

Em uma reviravolta dramática, José Inocêncio, que enfrentava a limitação de viver em uma cadeira de rodas, decide arriscar um atalho em sua jornada de retorno à fazenda.

Porém, perde o controle de sua cadeira e cai, em meio a uma chuva intensa, acabando preso numa ribanceira. Incapaz de se mover e sem esperança de resgate imediato, o personagem enfrenta horas de angústia e incerteza em sua situação precária.

Marcos Palmeira e Antônio Fagundes como João Pedro e José Inocêncio - Reprodução / TV Globo

No dia seguinte, coberto de lama, José Inocêncio reaparece em casa e desfalece, recusando qualquer ajuda médica, convencido de que seu tempo chegou ao fim. Apesar de sua agonia na cama, ele continua vivo devido à antiga profecia que dizia que ele não morreria enquanto seu facão estivesse fincado aos pés do Jequitibá. Para aliviar o sofrimento do pai e cumprir a profecia, João Pedro parte em busca do facão perdido na mata, segundo o NaTelinha.

Após uma busca árdua, João Pedro encontra o facão e decide colocá-lo de volta no local de origem, ao lado do seu próprio facão. Ao retornar para casa, ele entrega o objeto ao pai, desencadeando um momento de gratidão e reconciliação entre ambos, onde expressam seus agradecimentos e pedidos de perdão mútuo em meio às lágrimas e ao alívio da família.

Lamentações

No leito de morte, o fazendeiro expressou seu perdão ao herdeiro e declarou seu amor, lamentando nunca ter feito uma declaração afetuosa. Pedro o perdoou, e Inocêncio partiu, sendo acolhido por Santinha em um plano espiritual, onde seguiram juntos por toda a eternidade.

Antônio Fagundes e Patricia França como José Inocêncio e Maria Santa - Reprodução / TV Globo

A disputada e polêmica figura de Mariana (Adriana Esteves), que foi motivo de conflito entre José Inocêncio e João Pedro ao longo da novela, deixa a fazenda após a morte do patriarca. Ele, então, uniu-se a Sandra (Luciana Braga), com quem teve uma filha.

Enquanto isso, Inácia (Chica Xavier) permaneceu trabalhando na propriedade com João Pedro, chegando a testemunhar a presença espiritual de José Inocêncio. Será que a nova versão da telenovela seguirá os mesmos passos de sua antecessora? Para descobrir, basta continuar acompanhando ‘Renascer’ na programação da TV Globo.

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!