Matérias » Brasil

"Vamos pra Baleia": Há quase 10 anos, um vídeo pessoal se tornava um dos maiores memes do Brasil

Uma comemoração de Bar Mitzvah teve desdobramentos finalizados numa briga judicial contra uma gigante da tecnologia

Wallacy Ferrari, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 21/09/2021, às 14h54 - Atualizado às 14h55

Com rosto borrado, o jovem posa sobre uma baleia
Com rosto borrado, o jovem posa sobre uma baleia - Divulgação / Vídeo / YouTube

Em 2012, a internet brasileira teve a oportunidade de conhecer uma figura marcada como um dos primeiros vídeos virais de grande circulação pelas redes sociais; entre takes, trajando uma camisa polo e outros com um terno completo, os internautas tupiniquins eram apresentados ao jovem Nissim.

Dublando uma paródia de "What Makes You Beautiful", da boy-band One Direction — adaptada com momentos importantes de sua vida —, enaltecia seu Bar Mitzvah, uma cerimônia judaica que marca a passagem de um garoto de 13 anos para a chamada “vida adulta” e responsabilidades de tal.

Com cenas gravadas em sua residência, arredores e em um estúdio apropriado para a adição de imagens computadorizadas como plano de fundo, o aspecto simples apesar da produção foi capaz de angariar milhões de visitas, mesmo que não fosse a intenção.

De acordo com o Estadão, o vídeo foi exibido em um telão na cerimônia. Em seguida foi disponibilizado no YouTube para parentes que tivessem interesse em rever a gravação. Porém, o link aberto e o algoritmo favoreceu o clipe, amplificando seu alcance para milhões de usuários.

Lidando com a fama

A exposição midiática com a divulgação em blogs conseguiu transformar o jovem em uma celebridade da internet rapidamente, totalizando, em sua publicação original, mais de 2 milhões de visualizações em menos de um ano.

Tal projeção, de acordo com reportagem da Folha de S. Paulo, não foi recebida pelo garoto e sua família. O rapaz não fez questão de conceder entrevistas ou aceitar os convites de emissoras de televisão, além de ser obrigado a manter a integridade física, assim contratando um guarda-costas para comparecer em eventos.

A poeira só começou a baixar no ano seguinte, quando pôde deixar de lado os seguranças e prosseguir a vida acadêmica. O vídeo por sua vez, protagonizou um processo judicial de sua família contra o Google, que administra a plataforma de vídeo onde a obra estava hospedada.

A resolução do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) só saiu em 2016, quatro anos depois da postagem, determinando que o site removesse o vídeo original do ar e fizesse esforços para evitar que outros usuários o divulgue no YouTube, como noticiou o G1.

A empresa acatou a decisão, mas deixou claro que, dada a exposição e tempo disponível na internet, as obras dificilmente sumiriam por completo do âmbito virtual, podendo ser novamente publicadas por outro usuário que salvou o vídeo — inclusive em outra rede social.

 
 
 
 
 
Ver essa foto no Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

Uma publicação compartilhada por Arthur do Val - MamaeFalei (@arthurmoledoval)

 

A vida após a repercussão

Apesar de midiaticamente cobiçado, Nissim não viveu de publicidades ou projeção fora da internet, mantendo as redes sociais fechadas.

As últimas atualizações sobre o jovem surgiram de terceiros na internet. Em 2018, o youtuber Arthur do Val, do canal MamãeFalei, publicou uma foto junto dele eKim Kataguiri, do MBL, durante seu período de pré-campanha para o cargo de deputado estadual em São Paulo, manifestando que o jovem acompanhava seu trabalho.