Matérias » Entretenimento

VMA, difamação e rivalidade: A eterna briga entre Taylor Swift e Kanye West

Entre momentos de paz e guerra, os artistas protagonizaram polêmicas desde 2009 e dividem os internautas até hoje; entenda

Alana Sousa Publicado em 25/07/2021, às 09h00

Taylor Swift sendo interrompida pelo Kanye West no VMA 2009
Taylor Swift sendo interrompida pelo Kanye West no VMA 2009 - Getty Images

Uma das noites mais esperadas no mundo da música, a premiação MTV Video Music Awards de 2009 foi marcada pelo início de uma das maiores rivalidades da indústria musical americana. Naquele 13 de setembro, os nomes Taylor Swift e Kanye West foram os mais falados.

A cantora americana havia acabado de lançar seu segundo álbum, 'Fearless', e havia colocado sua carreira em outro patamar, emplacando canções de sucesso nas paradas musicais, como “Love Story” e “You Belong With Me”.

O rapper, por sua vez, já era um nome conhecido na indústria, tanto por suas músicas quanto por suas polêmicas. Começou como produtor na década de 90 e lançou seu primeiro disco em 2004, um pouco antes de Swift — que havia estreado em 2006.

No dia do VMA, um dos prêmios mais aguardados era o de ‘Melhor Vídeo Feminino’. Entre as competidoras, estavam Taylor Swift, Beyoncé, Katy Perry, Lady Gaga e P!nk. Para a surpresa de todos, Taylor foi a ganhadora, o que despertou a felicidade dos fãs e a ira de Kanye.

Ao subir ao palco para receber o prêmio, Swift e a plateia se assustou quando West invadiu o palco e tirou o microfone de sua mão, interrompendo seu discurso de agradecimento. “Eu vou te deixar terminar”, disse o rapper. "Estou feliz por você, mas Beyoncé fez um dos melhores vídeos de todos os tempos".

Taylor Swift e Kanye West no VMA 2009 / Crédito: Getty Images

 

Sem reação, Swift nem ao menos terminou sua fala e foi para os bastidores. Ainda que mais tarde naquela noite, Beyoncé tenha faturado o prêmio de ‘Vídeo do Ano’ e convidado Taylor para voltar ao palco e terminar seu discurso, a relação de West e a cantora foi alvo de debate internacional.

O episódio rendeu até mesmo uma declaração de Barack Obama, presidente dos Estados Unidos na época. O político se referiu a Kanye como um “idiota”.

Nos dias seguintes, West admitiu seu erro e Taylor se mostrou magoada, chegando a dizer que o rapper nem ao menos se desculpou com ela: “Não vou dizer que não fiquei abalada com isso", declarou em entrevista ao programa On The View.

Amizade ou rivalidade?

Os anos passaram e ambos artistas não comentavam com frequência sobre a ocorrência, West falou publicamente que havia se desculpado indiretamente através de suas novas músicas, e Swift foi fotografada em 2012 usando uma blusa da famosa marca Yeezy, criada pelo perfomer.

Ao que parecia, a rixa tinha sido abandonada, afinal, muito tempo havia se passado. A teoria foi confirmada quando na edição do Grammy em 2015, West e Taylor foram fotografados conversando e até mesmo tiraram uma foto juntos.

Swift e West no Grammy 2015 / Crédito: Getty Images

 

Ao lado de Jay-Z e da então esposa de West, Kim Kardashian, a dupla parecia ter encontrado a paz e, mais uma vez, a imprensa deu atenção total para a tão esperada reconciliação.

“Tornei-me amiga de Jay-Z, e acho que foi importante, para Jay-Z, para Kanye e eu nos darmos bem. E então Kanye e eu chegamos a um ponto onde ele diria coisas realmente boas sobre minha música e o que eu fiz, e eu poderia perguntar a ele como sua filha está”, revelou Swift à Vanity Fair, em agosto de 2015.

O final daquele mês marcou a “nova amizade” do mundo da música. Naquele mesmo palco que anos atrás Taylor havia sido interrompida e seu microfone fora arrancado de sua mão, ela estava pronta para seguir em frente.

O icônico Video Vanguard Award, do VMA 2015, iria prestigiar Kanye West, a escolhida para dar um discurso no evento: Taylor Swift. "Eu conheci Kanye West há seis anos - neste show, na verdade!", ironizou ela no início de seu pronunciamento.

“Sou fã dele desde que me lembro, porque Kanye define o que significa ser uma força criativa na música, na moda e, bem, na vida. Então, acho que devo dizer a todos os outros vencedores desta noite: Estou muito feliz por você e vou deixá-lo terminar, mas Kanye West teve uma das melhores carreiras de todos os tempos!”, finalizou Swift, referenciando o mesmo discurso que Kanye fez quando protestou a sua vitória.

Ambos se abraçaram e o mundo parecia não acreditar. Ao longo da noite, mais fotos e abraços, enquanto alguns fã-clubes festejavam a paz entre os artistas, muitos achavam tudo bastante forçado.

Kanye West e Taylor Swift no VMA 2015 / Crédito: Getty Images

 

Ao invés de paz, guerra

Em fevereiro de 2016, Kanye lançou seu tão esperado álbum ‘The Life of Pablo’, entre as canções, uma se destacou, trata-se de ‘Famous’. Na letra, West canta: "Eu sinto como se eu e Taylor ainda devíamos ter relações sexuais / Por quê? Eu fiz aquela vadia famosa".

Rapidamente Taylor se pronunciou sobre o verso, dizendo que jamais havia aprovado ser chamada de “vadia”, algo que West dizia ter o consentimento da estrela. “Eu gostaria muito de ser excluída dessa narrativa, da qual nunca pedi para fazer parte, desde 2009”, terminou Swift em sua declaração no Instagram.

Em julho de 2016, Kim Kardashian, esposa de West no período, usou sua conta no Snapchat para compartilhar uma suposta ligação entre Kanye e Taylor, na qual a cantora aprovava a canção e encorajava o rapper a lançá-la.

"Embora eu quisesse apoiar Kanye no telefonema, você não pode 'aprovar' uma música que não ouviu. Ser falsamente pintada como uma mentirosa quando nunca fui informada de toda a história ou desempenhei qualquer parte na música é assassinato de caráter”, lamentou Swift em suas redes sociais.

O mundo de dividiu entre ‘Time Taylor’ e ‘Time Kanye’. A internet entrou em alvoroço e cada um tinha sua opinião sobre o que realmente era verdade.

Desde então, West declarou sofrer com transtorno bipolar e se divorciou de Kim recentemente. Swift, por sua vez, entrou em guerra para conseguir o direito de suas músicas e ambos continuam em “maus termos”, como a própria Taylor afirmou em 2019.


+Saiba mais sobre música através das obras abaixo, disponíveis na Amazon:

Raul Seixas: Não diga que a canção está perdida, de Medeiros Jotabê (2019) - https://amzn.to/3bVK5vE

Elis e eu: 11 anos, 6 meses e 19 dias com minha mãe, João Marcello Bôscoli (2019) - https://amzn.to/39BKYZC

Elis: Uma biografia musical, Arthur de Faria (2016) - https://amzn.to/31T3ABu

O tempo não para – Viva Cazuza, Lucinha Araújo (2012) - https://amzn.to/363ZUh1

Cazuza: Segredos de Liquidificador, Rafael Julião (2019) - https://amzn.to/3antEsg

Só as mães são felizes, de Lucinha Araújo (2014) - https://amzn.to/2vNJr4a

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W