Curiosidades » Egito Antigo

Barca funerária de Quéops: uma das descobertas mais intrigantes do Egito Antigo

Tendo carregado o faraó em sua derradeira viagem, a relíquia virou uma atração turística de grande importância para o Egito

Caio Tortamano Publicado em 23/06/2020, às 08h00

Navio mortuário de Quéops
Navio mortuário de Quéops - Getty Images

Desde 1982, um fantástico museu expõe uma das mais intactas peças da Antiguidade. Trata-se da barca funerária de Quéops, com 43,6 metros de comprimento e 5,9 metros de largura.

Redescoberta em 1954 por Kamal el-Mallakh, a embarcação permaneceu intocada em um poço fora do planalto das pirâmides de Gizé. Sua construção foi, provavelmente, em razão do falecimento de Queóps, o segundo faraó da quarta dinastia egípcia do Império Antigo do Egito.

Função misteriosa

Ainda não se sabe precisamente a história e a função da embarcação. Pesquisadores acreditam que trata-se de uma barca solar, estrutura que deveria abrigar o deus sol Rá em companhia do Faraó — no caso, Queóps — no caminho até o céu.

Contudo, indícios feitos por pesquisadores na época de sua redescoberta apontam que tratava-se de uma barca funerária temporária. Possivelmente, o corpo do faraó teria sido levado pelo Rio Nilo de Mênfis até Gizé, uma espécie de marcha fúnebre pelo curso do rio.

Outra teoria levantada entre os estudiosos é que o barco teria tido um serviço útil além do pós-morte. Queóps o teria usado como meio de locomoção durante peregrinações, visitas a locais sagrados e etc.

Construção

Produzido majoritariamente com tábuas de cedro-do-líbano e espigas de Paliurus spina-christi, o barco teve que ser reconstruído uma vez que fora desmontado ao ser colocado na cova.

Barca funerária no momento em que foi redescoberta por arqueólogos / Crédito: Wikimedia Commons

 

Seguindo uma ordem lógica de montagem — basicamente por tentativa e erro — o navio demorou anos até ser reconstruído completamente. O responsável foi o restaurador-chefe do Departamento de Antiguidades egípcio, Ahmed Youssef Moustafa, que se debruçou durante um bom tempo sobre a verdadeira arte de construir barcos no modelo antigo do Egito.

Moustafa estudou a montagem através de relevos esculpidos em paredes e túmulos, além de observar os exemplares existentes de pequenos barcos de madeira que eram encontrados nessas tumbas. A produção dessas embarcações ainda era praticada em Alexandria, e foi para lá que o restaurador-chefe passou um tempo se aprofundando no tema.

Contando com um método interessante, Ahmed pensou que os construtores de barcos atuais trabalhando no Egito poderiam utilizar métodos e técnicas herdadas de tradições antepassadas. Assim, também pesquisou o processo de construção das barcas.

Visão externa do Museu do Barco Solar / Crédito: Wikimedia Commons

 

Depois de finalizada, a relíquia passou a ser exposta majestosamente no Museu do Barco Solar, construído especialmente para abrigar o majestoso exemplar da Antiguidade. 


+Saiba mais sobre o Egito Antigo por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

História do Egito Antigo, de Nicolas Grimal (2012) - https://amzn.to/3b5bJ9S

As Dinastias do Antigo Egito, de Charles River Editors (2019) - https://amzn.to/39ZSY6j

A Serpente Cósmica: A Sabedoria Iniciática Do Antigo Egito Revelada, de John Anthony West (2009) - https://amzn.to/2RtbzBo

Egito Antigo, de Stewart Ross (2005) - https://amzn.to/2K8tuJL

Como seria sua vida no Antigo Egito?, de Jacqueline Morley (2019) - https://amzn.to/2xkwTlL

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W