Curiosidades » Inglaterra

Do alfinete mortal a foto de cadáveres: 5 curiosidades bizarras sobre a Era Vitoriana

O período que ficou marcado por intensas transformações também coleciona fatos insólitos

Caio Tortamano Publicado em 26/09/2020, às 09h00

Pacientes do Bethlem Royal Hospital de Londres
Pacientes do Bethlem Royal Hospital de Londres - Divulgação/ News Dog Media

O reinado de Vitória, no Reino Unido, marcou o que ficou conhecido como Era Vitoriana. Coincidindo com o avanço da Revolução Industrial, a Inglaterra passou por intensas transformações e muitos episódios bizarros na história. 

Pensando nisso, o site Aventuras na História separou cinco histórias que marcaram o período.

1. Foto com pessoas mortas

Sim, um dos costumes mais insólitos da Era Vitoriana surgiu justamente após um pedido da Rainha. Após a morte de seu marido Albert, a monarca quis imortalizar o momento final de seu amado em uma fotografia. A moda pegou e se tornou popular entre famílias, que passaram a fotografar seus parentes em meio aos seus entes queridos, que ainda estavam vivos.

Fotografia de jovem morta que foi colocada em estrutura de madeira para ficar ereta / Crédito: Wikimedia Commons

 

Os cadáveres eram sustentados por placas de madeira e alumínio, com a finalidade de passar uma ideia de que estavam vivos, sendo alguns colocados de pé. Diante da alta mortalidade infantil, muitas crianças foram capturadas dessa maneira.

2. Bethlem Royal Hospital

Um manicômio na Inglaterra se tornou sinônimo de caos e confusão na época. Trata-se do Bethlem Royal Hospital, ou Bedlam, como ficaria conhecido. Por volta de 1600, o que antes era um centro para acolher esmolas da Igreja se tornou um edifício sob comando do Estado, e passou a existir como um centro de recuperação para esquizofrênicos, epiléticos e pessoas com atraso de aprendizado.

Cena do Bethlem Royal Hospital / Crédito: Wikimedia Commons

 

O tratamento que as pessoas recebiam, porém, era completamente desumano: desde cadeiras suspensas que giravam até espancamentos, sessões de afogamento e longos períodos de jejum.

Os tratamentos eram tão pesados que pacientes, se considerados vulneráveis a não resistirem aos possíveis choques não eram aceitos. O centro chegou a abrir as portas para o público, que pagava para ver os pacientes sendo maltratados.

3. Máquinas de banho

Outra característica marcante da Era Vitoriana era o modo como as mulheres eram silenciadas na sociedade. Para conter o olhar de outras pessoas, as mulheres que frequentavam praias na época só poderiam curtir o mar com máquinas de banho. Grandes caixas, sustentadas por rodas, tinham portas na frente e a atrás, permitindo que as mulheres entrassem e saíssem da cabine.

Imagem de uma máquina de banho / Crédito: Wikimedia Commons

 

Elas eram obrigadas a entrar na cabine para trocar de roupa, curtir o que dava e voltar rapidamente. As cabines eram levadas mar adentro por homens ou por cavalos. Só seriam abandonadas em 1901, quando uma determinação acabou com a obrigação das britânicas em usar os acessórios na praia.

4. Alfinetes mortíferos

Na época, chapéus ornamentados eram comuns no armário de mulheres e jovens que levavam laços de seda, penas de aves distintas e véus em suas cabeças. Todos eram presos com alfinetes específicos para chapéus, atravessando eles de um lado até o outro. Os alfinetes mediam, facilmente, mais de 30 centímetros. Para atravessar diferentes tecidos tinham que ser afiados, ou seja, uma perfeita uma arma em mãos.

Alfinetes da época / Crédito: Wikimedia Commons

 

As mulheres passaram a usar os instrumentos na defesa de bandidos e assediadores. A ideia viralizou nos Estados Unidos, e gerou muita controvérsia: se tornaram cada vez mais comuns conflitos triviais e supérfluos serem resolvidos de maneira violenta com os objetos.

5. Kate Webster

O período também ficou marcado pela lista seleta de psicopatas e serial killers que espalhou o pânico entre a população. Uma das mais notáveis assassinas da Era Vitoriana foi Kate Webster, uma mulher que trabalhou como governanta para mulheres da classe alta da Inglaterra. Ela acabou matando uma de suas patroas, e assumindo sua identidade, usava até as roupas da falecida.

Representação da pena de morte aplicada à Kate Webster, que morreu na forca / Crédito: Wikimedia Commons 

 

Todavia, os crimes foram além. Após esquartejar o corpo da falecida, ferveu os restos do corpo, fazendo uma espécie de ensopado. Apesar de macabra, a “iguaria” não foi consumida pela criminosa. Ela colocou os restos mortais numa caixa e jogou no rio Tâmisa, sendo encontrada por autoridades dias depois. Webster foi condenada a morte por enforcamento.


+Saiba mais sobre a Era Vitoriana por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Vitorianas Macabras, de Vários autores (2020) - https://amzn.to/2znZd7x

O retrato de Dorian Gray, de Oscar Wilde (2012) - https://amzn.to/352XCzF

Literatura Vitoriana e Educação Moralizante, de Flávia Costa Morais (2004) - https://amzn.to/2XWYpAP

Vitória, a rainha: Biografia íntima da mulher que comandou um Império, de Julia Baird (2018) - https://amzn.to/3eI1339

Rastro de Sangue: Jack, o Estripador, de Kerri Maniscalco (2018) - https://amzn.to/3eHoNo7

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W