Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Testeira

Os impressionantes ritos funerários por trás das armaduras de jade da Dinastia Han

Membros da dinastia Han, na China, acreditavam em um significado crucial

Joana Freitas, arqueóloga* Publicado em 10/07/2022, às 10h00 - Atualizado em 12/08/2022, às 18h00

Uma das armaduras de jade - Divulgação/Vídeo/Youtube/SinoVision
Uma das armaduras de jade - Divulgação/Vídeo/Youtube/SinoVision

O espaço que a morte ocupa está presente desde os primórdios da humanidade, acompanhando o homem e ao qual são atribuídos diversos rituais, todos com o objetivo de honrar e apaziguar.

Na China, desde o período neólito (6000 AC) as pessoas tinham grande fascínio pela utilização e manuseamento da pedra jade. Esta pedra dura e compacta passou a ser usada para produzir ferramentas rituais e ornamentais, armas e outros objetos como símbolos de poder político e autoridade religiosa.

Divulgação/Vídeo/Youtube/SinoVision

O auge

Com a existência da dinastia Han (a segunda dinastia imperial da China) a partir de 202 a.C, a pedra atingiu o seu auge na importância no uso. Além disso, a pedra lhe são atribuídas os mais diversos significados. Pelas suas características (bela, mas, resistente) tornou-se associada às concepções chinesas da alma, imortalidade e proteção.

Estas características aparecem inicialmente nos escritos do historiador chinês Sima Qian (145 - 86 AC) sobre o Imperador Wu de Han (157 AC -87 AC). A descrição diz que ele tinha uma taça de jade inscrita com as palavras "Longa Vida ao Senhor dos Homens", de onde bebeu um elixir de pó de jade misturado com o orvalho doce.

Divulgação/Vídeo/Youtube/SinoVision

Han acreditava que cada pessoa tinha dois tipos de alma: a alma-espírito (hun 魂) que viajou para o paraíso dos imortais (xian), e a alma-corpo (po 魄) que permaneceu na sua sepultura ou túmulo na terra e só se reuniu com a alma-espírito através de uma cerimônia ritual.

Preservando o corpo

Desta forma, os governantes da dinastia Han acreditavam que a pedra jade preservaria o corpo físico e as almas a ele ligadas na morte. Assim, começaram a colocar pequenos discos de jade nos túmulos.

Esta prática assumiria uma dimensão maior quando o corpo começou a ser enterrado envolvido numa armadura completamente feita de jade. A armadura era constituída por pedaços polidos e cosidos com fio de ouro, prata, cobre ou seda, dependendo do status social, e que ao envolver o corpo lhe concederia a imortalidade.

Divulgação/Vídeo/Youtube/SinoVision

Calcula-se que seriam precisos artesãos para polir as placas de jade, necessárias para um único item, enfatizando o poder e a riqueza do falecido.

Durante o reinado do primeiro imperador do estado de Wei no período dos Três Reinos (220-280 d.C.) a prática caiu em desuso, afinal, existia o temor de ladrões de túmulos que pretendiam recuperar os metais precisos usados para montar as armaduras.