Matérias » Personagem

Bossa nova ganha projeção internacional: Quando Tom Jobim e Sinatra se encontraram em estúdio

Em 1966, Jobim conversava amigos em um bar quando recebeu um telefonema que mudaria a história da música

Giovanna Gomes sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 30/10/2021, às 09h00

Frank Sinatra e Tom Jobim durante apresentação da canção "Garota de Ipanema"
Frank Sinatra e Tom Jobim durante apresentação da canção "Garota de Ipanema" - Divulgação / vídeo / YouTube / Frank Sinatra

Tom Jobim, um dos mais notáveis maestros da música brasileira, foi também o maior responsável pela projeção internacional da bossa nova.

Quem não se lembra da clássica versão de Garota de Ipanema que o compositor carioca interpretou junto ao insigne cantor norte-americano Frank Sinatra nos anos 60? Mesmo aqueles que não eram nascidos na época a conhecem, tamanha a importância do registro para a história da música.

Tida como um dos maiores sucessos do estilo, a canção feita por Jobim em parceria com Vinícius de Moraes no ano de 1962, foi uma das mais regravada de todos os tempos.

A bossa nova, que já havia se mostrado um grande fenômeno internacional após o lançamento de Getz/Gilberto, trabalho conjunto dos músicos Stan Getz e João Gilberto, havia conquistado uma verdadeira legião de fãs no mundo todo. E, claro, Frank Sinatra foi um deles. 

Convite inesperado

Tom Jobim conversava com amigos no bar Veloso, em Ipanema, ainda no ano de 1966, quando um garçom chamou sua atenção. Um "gringo" havia ligado para o local e queria conversar com o maestro.

De acordo com informações da Folha, o estrangeiro falava dos Estados Unidos e era ninguém menos do que Sinatra convidando o brasileiro para gravar um disco.

O músico Antônio Carlos Jobim durante performance com Sinatra / Crédito: Divulgação / vídeo/ YouTube / Sinatra

 

"Perfeitamente, é uma ordem", teria respondido Jobim, que após algumas semanas, viajou para Miami.

A gravação do álbum

Assim, no dia 30 de janeiro de 1967, tiveram início as sessões de gravação do álbum que ficaria conhecido como "Francis Albert Sinatra & Antonio Carlos Jobim" e que reuniria grandes sucessos de Tom e da música estadunidense.

"Naquela época, gravar com Frank Sinatra, a voz do século, era uma consagração. Ainda mais porque se tratava do primeiro disco que ele faria com um único compositor", lembrou Sérgio Cabral, conforme repercutido pela Folha em 2007. Ele escreveu a biografia "Antonio Carlos Jobim".

No estúdio

O cantor Frank Sinatra no ano de 1957 / Crédito: Domínio público / Capitol Records

 

A escolha de outros profissionais para participar do projeto também se revelou um tanto complicada. Um exemplo dessas discordâncias foi que o norte-americano queria que Nelson Riddle escrevesse os arranjos do álbum, mas foi convencido pelo brasileiro a chamar Claus Ogerman para desempenhar a função.

Admiração mútua

Eram notórios o respeito e a admiração entre ambos.

"Não canto tão suave desde que tive laringite", brincou Sinatra, enquanto interpretava a canção "Dindi", de autoria de Jobim e Aloysio de Oliveira. "Que beleza de canção", declarou.

Tom Jobim no ano de 1972 / Crédito: Domínio público / Arquivo Nacional

 

O melhor do ano

O disco, lançado em março de 1967, foi eleito o melhor do ano pela crítica norte-americana. Ele ainda foi o segundo mais vendido nos EUA.

Contudo, antes mesmo que o álbum fosse lançado, Tom Jobim já era um nome conhecido e muito admirado no país estrangeiro.

Nova parceria

O sucesso foi tão grande que o brasileiro voltou aos EUA no final de 1968 para gravar um novo trabalho com Sinatra.

No entanto, houve um enorme atraso nos processos de ensaios e de gravações. Assim, o disco foi lançado somente no ano de 1971.

"Sinatra & Company", como foi chamado o álbum, foi concluído com sete canções de Jobim, apesar de a ideia inicial ser de nove, além de obras de compositores norte-americanos, como John Denver e Joe Raposo.


+ Saiba mais sobre o tema por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Elis e eu: 11 anos, 6 meses e 19 dias com minha mãe, João Marcello Bôscoli (2019) - https://amzn.to/39BKYZC

O Fino da Bossa, Julia Bezerra e Lucas Reginato (2017) - https://amzn.to/31WYB2E

Uma história da música popular brasileira: das Origens à Modernidade, de Jairo Severiano ( 2008) - https://amzn.to/3cDiEs4

Da bossa nova à tropicália (Descobrindo o Brasil), de Santuza Cambraia Naves ( 2001) - https://amzn.to/2v0lOFn

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W