Matérias » Personagem

Mais de 35 anos de mistério: Relembre o caso do desaparecimento de Marco Aurélio

O pequeno escoteiro desapareceu em 1985 no Pico dos Marins, em São Paulo; até hoje o caso permanece em aberto e sem solução

Victória Gearini e Alana Sousa Publicado em 10/08/2020, às 22h43 - Atualizado em 31/07/2021, às 11h00

Marco Aurélio, escoteiro desaparecido há 36 anos
Marco Aurélio, escoteiro desaparecido há 36 anos - Divulgação / Youtube / G1

Nesta semana, o caso Marco Aurélio passou por uma nova reviravolta. Após 36 anos, o sumiço do escoteiro foi desarquivado e a polícia segue investigando duas novas linhas de raciocínio.

Na quinta-feira, 29, uma escavação em uma casa na área de Piquete, a Polícia Civil realizou uma operação em busca do corpo de Marco Aurélio. Apesar de seguirem a hipótese de que o menino teria sido morto e enterrado no local, a escavação não encontrou nenhuma evidência.

A outra teoria, é que o cadáver possa estar enterrado em um terreno baldio. A segunda escavação, ainda sem data para ocorrer, é mais complexa. Visto que o local é ao ar livre e bem mais amplo, o que dificultaria a identificação de algo incomum.

Ainda que seja menos provável, após tanto tempo, uma terceira linha de investigação sugere que o garoto esteja vivo, em situação de rua. A família frequentemente divulga imagens de como estaria o garoto depois de tantos anos.

Relatos de avistamentos do brasileiro foram registrados na cidade de Taubaté. Embora outros casos apontem que quanto mais tempo leva para encontrar uma pessoa desaparecida, mais chances existem de que ela esteja morta. A esperança continua em encontrar o escoteiro.

Enquanto todos esperam pelo fim dessa história, o caso permanece em aberto e o desaparecimento de Marco Aurélio continua sem solução.

Relembre o caso

Em 8 de junho de 1985, o escoteiro Marco Aurélio Simon desapareceu misteriosamente durante uma excursão ao Pico dos Marins, no município de Piquete, em São Paulo. O caso foi amplamente divulgado pela mídia e numa tentativa de encontrar o garoto, as autoridades montaram uma das maiores equipes de buscas do Brasil

A partir do depoimento do líder dos escoteiros, Juan Bernabeu Céspedes, e dos colegas de equipe, Osvaldo Lobeiro, Ricardo Salvione e Ramatis Rohm, as autoridades montaram a versão oficial do inquérito. Na ocasião, o grupo se estabeleceu na base do Pico dos Marins, entretanto, ao escalar o pico, Osvaldo Lobeiro, teria se machucado.

Como Céspedes teve que supervisionar o ferimento no joelho do jovem escoteiro, ele permitiu que Marco Aurélio voltasse sozinho ao acampamento. Descendo o Pico dos Marins, o garoto deveria abrir caminho para os demais, marcando as pedras com o número 240 — símbolo de identificação do Grupo de Escoteiros Olivetanos.

Após 15 minutos que o grupo partiu, Marco Aurélio já não estava mais por perto. Durante o trajeto, os demais escoteiros teriam identificado apenas três marcações feitas pelo garoto. As marcas teriam os levado até uma bifurcação e Marco Aurélio teria escolhido seguir por um caminho repleto de obstáculos.

Capa de jornal informando o desaparecimento de Marco Aurélio / Crédito: Divulgação / Youtube / Domingo Espetacular

 

Tal fato não fez muito sentido para os escoteiros, pois, o lado esquerdo da bifurcação atrapalharia a passagem dos integrantes, visto que um dos membros estava machucado. Céspedes, que era o líder, decidiu ignorar o caminho escolhido pelo jovem e seguiu a direção oposta de Marco Aurélio, contrariando a opinião dos outros garotos. 

Durante o depoimento na época, Céspedes disse que acreditava não haver problema em desviar a direção, pois mais à frente iriam cruzar os caminhos. No entanto, o que o líder dos escoteiros não esperava é que Marco Aurélio nunca mais seria visto.

Na manhã do dia seguinte, Céspedes decidiu procurar pelo garoto, mas como não o encontrou, optou por acionar as autoridades. 

Investigações 

Ao saber do ocorrido, Ivo Simon, pai do menino, mobilizou uma grande equipe de busca. Através de contatos influentes e da mídia, Simon reuniu o Quinto Bil, o Batalhão de Infantaria Leve de Lorena e o Centro de Operações Especiais (COE); ao total eram mais de 200 homens na caçada.

Além disso, foram utilizados nas buscas, seis alpinistas de Agulhas Negras, helicópteros da base área da Escola de Especialistas de Aeronáutica de Guaratinguetá e um avião enviado pelo ex-governador Franco Montoro.

No entanto, no terceiro dia de buscas, um incêndio tomou conta do Picos dos Marins, o que levou os delegados George Henry e Bayerlein acreditarem que o fogo teria sido proposital.

Mais tarde, Olindo Roberto Bonifácio que participou da reconstituição do caso como guia e voluntário, questionou o depoimento de Céspedes, que apresentava inconsistências. Além disso, o inquérito policial foi considerado inconfiável.

Inquérito policial do caso de Marco Aurélio / Crédito: Divulgação / Youtube / Domingo Espetacular

 

As investigações oficiais foram encerradas em 8 de abril de 1990 e o caso foi arquivado, até que em 10 de março de 2005, o jornalista investigativo Rodrigo Nunes, desarquivou o inquérito. Por meio de uma análise minuciosa, o jornalista identificou diversas inconsistências nos relatos dos escoteiros e de Céspedes

A investigação completa foi apresentada em dois livros, sendo compilados em uma só obra, em 2015. Na reportagem, Rodrigo Nunes retrata, ainda, a investigação policial completa, revela fatos controversos e reúne diversas teorias e entrevistas de testemunhas da época.

Teorias e mais mistério

Marco Aurélio, escoteiro desaparecido / Crédito: Divulgação / Youtube / Domingo Espetacular

 

Ao longo dos anos diversas teorias surgiram, entre elas apresentadas por um delegado, que sugeriu um possível envolvimento de alienígenas no desaparecimento. Segundo o inquérito, na segunda noite de buscas, os escoteiros ouviram um grito seguido de um apito vindo do matagal, próximo ao local do desaparecimento. 

Como Marco Aurélio possuía um apito por ser escoteiro, todos se dirigiram a localidade, no entanto, não encontraram o garoto, mas sim luzes brilhantes. Esta teoria é sustentada somente pelo grupo de escoteiros que presenciou o fato. Entretanto, Afonso Xavier, que também estava presente durante o ocorrido, disse que as luzes eram de casas da região.

Em 2011, Ivo Simon declarou que estava preparando um roteiro de cinema sobre o ocorrido, a partir de 400 páginas das investigações, com laudos assinados por policiais que participaram das buscas. Entretanto, mesmo após 36 anos do desaparecimento de Marco Aurélio, ainda hoje, o caso permanece um mistério.


+Saiba mais sobre crimes brasileiros através de grandes obras disponíveis na Amazon:

A Vida Do Ives Ota - O Mensageiro Da Paz, de Ota Iolanda Keiko (1999) - https://amzn.to/3cf2qEQ

Suzane: assassina e manipuladora, de Ullisses Campbell (2020) - https://amzn.to/2WFlLso

O pior dos crimes: A história do assassinato de Isabella Nardoni, de Rogério Pagnan (Ebook) - https://amzn.to/2WD1tQj

Indefensável: O goleiro Bruno e a história da morte de Eliza Samudio, de Paula Sarapu e outros (Ebook) - https://amzn.to/2WCFvg5

Os Crimes Mais Cruéis do Brasil: Conheça os casos que mais chocaram o país, de Editora O Curioso (Ebook) - https://amzn.to/2SNqdnI

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

 Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W