Matérias » Adolf Hitler

Hitler está morto: Há 77 anos, o ditador nazista tirava a própria vida

Com a derrota na 2ª Guerra, o Führer passou seus últimos meses de vida enclausurado em um bunker

Fabio Previdelli | @fabioprevidelli_ Publicado em 30/04/2022, às 00h00 - Atualizado às 12h01

Adolf Hitler, líder da Alemanha nazista
Adolf Hitler, líder da Alemanha nazista - Fundo Wikimedia commons com foto Getty Images

Durante a desastrosa ofensiva em Ardenas, iniciada em 16 de dezembro de 1944, o líder nazista Adolf Hitler passou a ter mais certeza que seu fim estava próximo. Tanto é que no dia 15 de janeiro de 1945, preferiu deixar seu quartel-general do oeste, o Adlehorst, em Ziegenberg, para se refugiar no Führerbunker — complexo subterrâneo de salas em Berlim.

Hitler havia chegado à capital alemã por meio de um trem pessoal, de onde seguiu até à Chancelaria do Reich em um discreto trajeto de carro. O cenário que presenciou era totalmente diferente do que estava acostumado.

Com Berlim em ruínas, as ruas estavam desérticas e cada vez mais a população deixava de crer naquele em que se viu o único capaz de reerguer o orgulho da nação, embora seu poder tenha sido usado para cometer as mais bárbaras atrocidades que a humanidade já presenciou

No jardim da Chancelaria, a construção subterrânea de dois andares, destinada originalmente a servir de refugio antiaéreo, serviu para o Führer se enclausurar definitivamente até seu leito de morte.

Com 18 cômodos, a disposição dos espaços parecia mais um enorme labirinto. Entretanto, o local era totalmente autossuficiente, com água e energia elétrica próprias. 

Pintura do livro "Adolf Hitler - Fotos da vida do líder" / Crédito: Getty Images

De lá, semanas depois, o ditador recebeu outras duras notícias: em 25 de janeiro seus enviados haviam sido oficialmente derrotados em Ardenas. Dois dias depois, o avanço do Exército Vermelho resultou na libertação de Auschwitz.

Mesmo assim, continuou dando ordens e se encontrando com membros do alto escalão do Terceiro Reich, como Hermann Goering, Heinrich Himmler e Josef Goebbels.

Meses depois, uma das últimas vezes em que viu a luz do dia foi em 20 de abril, quando completou 56 anos. Na ocasião, recorda o The National WWII Museum, de New Orleans, inspecionou, com a mão trêmula, um grupo de jovens enviados para defender a cidade contra o Exército Vermelho em nome da filosofia de superioridade racial professada por ele. 

Fim próximo

Seu fim estava próximo. Em 29 de abril, a notícia de que o líder Benito Mussolini havia sido fuzilado ao lado de sua amante, Claretta Petacci, chegou pouco antes da hora do almoço. Il Duce, um de seus grandes aliados durante a Segunda Guerra, teve um fim totalmente humilhante: após ser morto em praça pública, seu cadáver foi levado à Milão, onde acabou pendurado de cabeça para baixo em uma viga de metal num posto de gasolina.

Lá, durante horas, o povo italiano mostrou sua revolta contra o líder fascista chutando-o, cuspindo em sua face e até mesmo urinando sobre seus restos mortais. 

Instantes depois, Hitler redigiu seu testamento e se casou com sua amante de longa data, Eva Braun. Após uma refeição tranquila, apertou a mão dos funcionários presentes no Führerbunker e se retirou ao lado de Eva para seu escritório. Aquela fora sua última aparição com vida. 

O tiro mais importante da 2ª Guerra

Pouco antes das 16h, um estampido abafado quase passou despercebido. Mas quando seus capangas abriram a porta do escritório de Hitler, logo encontraram o corpo de seu líder espalhado por um sofá. 

Como aponta o El País, o Führer estava com um buraco do tamanho de uma moeda situado em sua têmpora direita. Por seu rosto escorria um fio de sangue que formava uma poça no chão nas dimensões de um prato. 

Uma de suas mãos havia encontrado descanso sobre seu joelho, com a palma virada para cima. A outra estava dependurada. Próximo ao seu pé direito encontrou-se uma pistola Walther calibre 7,65 mm, usada para disparar contra si mesmo. Do outro lado do corpo havia uma outra arma, de calibre 6,35mm, sem vestígios de uso. 

O ditador alemão Adolf Hitler se alimentando / Crédito: Wikimedia Common

Uniformizado, Hitler ainda vestia uma camisa branca e uma gravata preta, assim como suas calças. No mesmo sofá, Eva foi encontrada ao seu lado. A esposa do líder nazista não tinha nenhuma marca de tiro na face.

Havia se envenenado com cianureto. Suas pernas estavam encolhidas e seus lábios apertados. Um forte cheiro de pólvora tomava conta do local. A notícia logo passou de boca em boca por todas as alas da Chancelaria: "Der Chef ist tot" ('o Chefe está morto').


+Saiba mais sobre Hitler por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Hitler, de Ian Kershaw (2010) - https://amzn.to/2VfP7ga

O jovem Hitler: Os anos de formação do Führer, de Paul Ham (2020) - https://amzn.to/34qJb88

Minha Luta Contra Hitler, de Dietrich Von Hildebrand (2020) - https://amzn.to/3b1Kkpk

A mente de Adolf Hitler, de Walter C. Langer (2018) - https://amzn.to/2ySuHlV

Os fornos de Hitler: A história de uma sobrevivente de Auschwitz, de Olga Lengyel (2018) - https://amzn.to/3efDr5A

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W