Matérias » Personagem

O ícone que entrou para a história: os momentos finais de Carmen Miranda

Vivenciando uma excelente fase em sua carreira, a artista faleceu quando tinha somente 46 anos de maneira súbita, deixando inúmeros fãs

Penélope Coelho Publicado em 12/08/2020, às 17h25

Retrato da icônica Carmen Miranda
Retrato da icônica Carmen Miranda - Wikimedia Commons

Dona de uma voz única e conhecida por dar cor para um mundo que ainda era visto por meio de telas em preto e branco, Maria do Carmo Miranda da Cunha se tornou um ícone mundial. Desde os 20 anos de idade a Pequena Notável — como era chamada — já demonstrava sinais de que seria uma artista completa.

Sua história foi emblemática. A atriz e cantora é conhecida mundialmente até hoje, sendo uma das artistas luso-brasileiras de maior projeção internacional. Porém, sua carreira foi tão exemplar quanto meteórica, já que sua morte se deu de maneira fulminante e nem de longe era esperada.

Últimos momentos

A mulher nascida em Portugal, estava morando em Beverly Hills, na Califórnia. Em 4 de agosto de 1955, a artista havia acabado de filmar cenas de um episódio do programa de variedades da NBC, The Jimmy Durante Show.

Depois da gravação, Carmen e o apresentador ainda fizeram uma performance improvisada nos bastidores e se apresentaram para a equipe técnica e alguns membros do elenco do show. Todavia, o momento de alegria foi marcado por uma singularidade:  seria sua última apresentação.

Foto clássica de Carmen Miranda / Crédito: Wikimedia Commons

 

Quando voltou para sua casa, por volta das 3h da manhã, Miranda subiu as escadas para o seu quarto e tirou seus sapatos de salto. A mulher se dirigia para seu banheiro, provavelmente para retirar a maquiagem — uma de suas marcas registradas. No caminho rotineiro, a cantora passou mal e teve um ataque cardíaco. Essa é uma das teorias mais aceitas; alguns biógrafos dizem que Carmen segurava em suas mãos um pequeno espelho redondo.

Miranda morreu na fatídica madrugada de 5 de agosto de 1955, aos 46 anos. A artista estava sozinha em casa e seu corpo só foi encontrado na manhã seguinte. Sem vida, a atriz foi encontrada por volta das 10h30 da manhã, caída no corredor. Seu médico de confiança, o doutor Wl Marxer, foi chamado com urgência até a residência da artista, contudo, já era tarde demais.

A notícia

Na madrugada daquele dia, sua irmã Aurora Miranda recebeu o telefonema com a triste notícia da morte de Carmen. Na ocasião, todas as emissoras de televisão do Brasil mudaram as programações para falarem sobre o triste fim da cantora.

Seus familiares gostariam que Miranda fosse enterrada no Brasil, o país que havia acolhido a artista quando ela ainda era somente uma criança. Após análises em seu corpo, a atriz foi transportada para o Rio de Janeiro na manhã de 12 de agosto daquele ano, há exatamente 65 anos.

Na ocasião, o corpo da artista foi levado em um caminhão do corpo de bombeiros e seu caixão estava enrolado em uma bandeira do Brasil. Seus incontáveis fãs seguiram o veículo por todo o caminho percorrido até seu velório realizado no saguão da Câmara Municipal do Rio, mais de 60 mil pessoas compareceram.

O cortejo fúnebre até o Cemitério São João Batista no dia seguinte, foi do início ao fim acompanhado pelos milhares admiradores de seu trabalho — que cantaram em alto e bom som o refrão da música 'Taí', um dos maiores sucessos da intérprete.

Foto de Carmen Miranda / Crédito: Wikimedia Commons

 

Prováveis motivos

Não existe uma explicação certeira sobre os motivos pelos quais o coração da Pequena Notável sofreu de um ataque fulminante. Porém, alguns de seus vícios e o ritmo de trabalho incessante que a mulher levava, podem ter colaborado para tal.

De acordo com reportagem publicada pela BBC, após realizar o número de dança ao lado de Jimmy Durante naquele fatídico dia 5 de agosto, a cantora teria dito a seguinte frase após se ajoelhar por um segundo: “Estou sem fôlego”.

Porém, Carmen não tinha nenhum histórico de problemas cardíacos e no momento que antecedeu a sua morte, ela estava bem de saúde. Contudo, sabe-se que durante sua vida, a artista alimentava certos vícios, como por exemplo, a bebida, cigarro e remédios.

A mulher que eternizou o hit tico-tico no fubá deixou um legado inquestionável na música e na arte brasileira no geral, abrindo portas para que muitos outros artistas também encontrassem seu caminho. Considerada pelo American Film Institute, uma das 500 grandes lendas do cinema, Carmen Miranda sempre será inesquecível.


+Saiba mais sobre música por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

O livro da música clássica, de Vários Autores (2019) - https://amzn.to/2CllAfA

Como Ouvir e Entender Música, de Aaron Copland (2017) - https://amzn.to/3gPQJa8

Falando de música, de Leandro Oliveira (2020) - https://amzn.to/3fSuiQi

Carmen: uma biografia, de Ruy Castro (2005) - https://amzn.to/2Z5Wx7f

Carmen: a grande pequena notável, de Heloisa Seixas e Julia Romeu (2014) - https://amzn.to/2PE72eT

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W