Coronavírus » Pandemia

Coronavírus: casal retido em navio desembarca com assustadora dívida de 37,5 mil dólares

Segundo a CNN, a dupla quer reembolso pelo valor gasto enquanto a embarcação parou por precaução contra a Covid-19

Vanessa Centamori Publicado em 01/07/2020, às 17h09

Navio Pacific Princess
Navio Pacific Princess - Wikimedia Commons
Um casal de passageiros do navio Pacific Princess, assim como todas as pessoas que viajavam na embarcação, tiveram os planos interrompidos pelo novo coronavírus. Partindo em janeiro para viajar pelo mundo, eles navegariam por 111 dias, mas tiveram que parar, conseguindo atracar em 21 de março, em Perth, na Austrália. 
 
Durante o tempo ocioso em que o navio ficou no oceano, sendo negado por vários portos, os gastos de CJ Hayden e seu marido, Dave Herninko, somaram um valor de cerca de US $ 37,5 mil (aproximadamente 196,65 mil reais). O problema é que os dois agora correm atrás do reembolso dessa quantia. 
 
"Eles não nos cobrariam pelos dias que passávamos flutuando pelo Oceano Índico sem ter para onde ir", disse Hayden, à CNN. Conforme informou a publicação, não havia casos confirmados da Covid-19 na tripulação do navio, mas a Pacific Princess teve que interromper a viagem por precaução.

Desse modo, a companhia responsável pelo cruzeiro, a Princess Cruises, ofereceu aos passageiros a opção de 100% de reembolso ou ainda a possibilidade de trocar parte do valor por crédito em viagens futuras. O casal gostaria da segunda opção (reembolso mais certa porcentagem em crédito). Eles receberam o crédito, mas nada do dinheiro.
 
A dupla ainda está no aguardo há mais de um mês. Na dívida a ser reembolsada aos passageiros estariam inclusas passagens aéreas, taxas de excesso de bagagem, dinheiro para excursões terrestres pré-pagas que nunca aconteceram e taxas portuárias. 
 
No último dia 22 de junho, a Princess Cruises informou que quase 60% dos reembolsos dos passageiros já foram concluídos. Ainda segundo a empresa, é normal a liberação do crédito em tempo diferente do reembolso em dinheiro. "O processamento de reembolsos permaneceu uma das nossas principais prioridades desde que a empresa interrompeu as operações", afirmou, em comunicado.