Coronavírus » Pandemia

Na Itália, homem mata namorada após acusá-la de transmitir o coronavírus

Após o crime, ele tentou se suicidar, mas não conseguiu — entretanto, exame para revelar a infecção lhe surpreendeu

Wallacy Ferrari Publicado em 02/04/2020, às 13h00

O casal em fotografia pessoal, junto a uma ilustração do vírus
O casal em fotografia pessoal, junto a uma ilustração do vírus - Divulgação

O enfermeiro Antonio De Pace, 28, confessou ter assassinado a médica recém-formada Lorena Quaranta, 27, sua namorada e companheira de residência, acusando a mesma de ter transmitido o novo coronavírus a ele. De acordo com o Daily Mail, o casal morava em Messina, na Sicília, e trabalhavam em Furci Siculo para auxiliar no combate da disseminação ao vírus.

O homem estrangulou a parceira após uma briga e, depois de apagar a garota, ligou para a polícia confessando o crime e tentou se matar cortando os pulsos, sem sucesso. A investigação apontou que o acusado não é portador da doença e a autópsia da namorada não apontou a presença do Covid-19.

A jovem havia concluído a faculdade de medicina há pouco tempo e ainda não havia pego seu diploma, mas foi escalada para ajudar a conter os surtos pandêmicos do coronavírus na Itália. A reitora da universidade que Lorena cursou, Salvatore Cuzzocrea, informou que seu diploma será entregue à família pelos como uma homenagem aos serviços prestados.

O homem ainda está hospitalizado e enfrentará a acusação de assassinato, porém, a polícia italiana ainda investiga com ajuda de depoimentos de vizinhos se houve algum tipo de acusação secundária para motivar o crime.