Coronavírus » Brasil

Mortes de idosos por Covid-19 caem 90% na capital paulista, no mês de abril

Especialistas ainda divergem sobre qual seria o principal fator da redução. Entenda!

Giovanna Gomes, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 28/04/2021, às 07h17

Houve redução de 90% das mortes entre idosos
Houve redução de 90% das mortes entre idosos - Pixabay

O número mortos por Covid-19 sofreu uma queda de 90% entre os idosos no mês de abril, sendo que, em março, foram registrados 3.437 óbitos e, no mês seguinte, 333.

De acordo com dados fornecidos pela prefeitura de São Paulo ao UOL, os números foram separados por faixas etárias entre pessoas de 60 a 69 anos, 70 a 79 anos, 80 a 89 anos e 90 ou mais e, em todos os casos, houve uma grande queda na incidência de mortes.

Apesar dessa boa notícia, o mês de abril, em geral, foi o mais letal desde o início da pandemia, uma vez que houve um grande aumento de casos de pessoas infectadas com a doença entre fevereiro e março. Para a Secretaria Municipal de Saúde, "Esse aumento de casos se reflete também no número de óbitos confirmados para covid, que teve aumento expressivo no mesmo período".

Os especialistas, no entanto, possuem visões diferentes do que teria levado o número de mortes entre idosos a uma queda tão brusca. Para Marcos Boulos, quem é infectologista e membro do Centro de Contingência ao Coronavírus em São Paulo, não é possível afirmar que a vacinação seja a responsável pelo fenômeno.

"A redução se deve ao período de restrição, existindo a possibilidade de voltar a subir com a abertura prematura. Ainda a cobertura [da vacinação] é insuficiente para impactar os índices", disse o médico ao UOL.

No entanto, o infectologista da Universidade de São Paulo, Carlos Magno Fortaleza, interpreta de forma diferente e acredita que o principal motivo para a redução de mortes foi a aplicação de vacinas.

"Todas as análises mostram que ela foi desproporcionalmente maior em idosos. Há um possível 'confundidor' por maior seguimento das normas de isolamento social por idosos. Mas o grande diferencial foram as vacinas. Situação semelhante se vê em profissionais da saúde: quase não houve aumento de casos e internações desses profissionais em 2021”, declarou.

Sobre a Covid-19

De acordo com as últimas informações divulgadas pelos órgãos de saúde, atualmente, o Brasil registra 14,4 milhões de pessoas infectadas, e as mortes em decorrência da doença já chegam em 395 mil no país.  

Em 1º de dezembro de 2019, o primeiro paciente apresentava sintomas do novo coronavírus em Wuhan, epicentro da doença na China, apontou um estudo publicado na revista científica The Lancet em fevereiro deste ano.