Testeira
Colunas / Daniel Bydlowski » Entretenimento

5 filmes para começar o ano com exemplos de superação e determinação

Confira produções cinematográficas baseadas em acontecimentos reais que você esqueceu, mas estão aqui para ensinar

Daniel Bydlowski, cineasta Publicado em 02/01/2022, às 09h00

Cena do longa 'O escafandro e a borboleta'
Cena do longa 'O escafandro e a borboleta' - Divulgação/ Miramax Films

Um novo ano está batendo à porta e temos duas escolhas: abrir e nos deparar, após um ano conturbado, com mais um dia qualquer, ou podemos nos inspirar e fazer com que os próximos 365 dias sejam inesquecíveis e determinantes para o sucesso no futuro. Eu escolho a segunda opção.

Existem muitas histórias reais que foram traduzidas para o cinema, mas em especial, algumas, as pessoas nem sequer se lembram, ou mesmo nunca assistiram. Porém, são verdadeiros exemplos de que não se pode desistir por nenhum instante.

E não estamos falando de ‘À Procura da Felicidade’, ‘Uma Mente brilhante’ e ‘Um Sonho Possível’, que aliás são filmes incríveis, mas sim daqueles esquecidos, nos fundos das plataformas de streaming ou mesmo aqueles que nem passam na televisão.

Por isso, trago cinco produções cinematográficas que servem de estímulo para que 2022 se torne o set de produções perfeito na vida de cada um.

1. O escafandro e a borboleta

Baseado na vida do editor chefe da revista Elle, Jean-Dominique Bauby, a obra cinematográfica traz um panorama de que nada é perdido. Preso em seu próprio encarceramento após um derrame cerebral, o jornalista vê sua vida, um tanto soberba e cheia de futilidades, acabar, e sua mente fica aprisionada dentro de um corpo imóvel. 

A única coisa que lhe resta é seu olho esquerdo e com muitos esforços de sua fisioterapeuta, esse único órgão começa a lhe dar vida, devolvendo, de certa forma, seu maior dom, a habilidade de comunicação. Ele sofria da Síndrome do Encarceramento, mas poderíamos pensar quais são nossas prisões, quais são nossos escafandros, e a partir disso, instigar a borboleta que temos dentro de nós, quais são nossas habilidades que nos libertam. Um ótimo filme para reflexão.


2. Somos Marshall

Quem não se lembra do fatídico dia em 1970 que a equipe de futebol americano dos Estados Unidos sofreu um acidente de avião e acabou com 75 sonhos? O longa, de Jamie Linden, mostra que o time da Universidade de Marshall não podia parar, não podia deixar que cada uma daquelas pessoas que estavam na aeronave não fossem lembradas e seus feitos continuados.

E quando um novo treinador assume, seu trabalho está apenas começando e superar a dor de um luto, não é fácil. Este filme tem muito a ensinar. E nos tempos que vivenciamos, no qual o luto coletivo faz parte de nossas vidas, com certeza, podemos tirar daqui uma lição para sempre.


3. Somos todos iguais

O livro homônimo de 2006, escrito por Ron Hall, Denver Moore e Lynn Vincent, que deu origem a este filme foi baseado em fatos reais. A emocionante história de Deborah Hall, dirigida por Michael Carney, faz com que a palavra generosidade tenha sentido.

Durante sua luta contra um câncer, faz com que seu marido, um importante negociante de artes internacional, se aproxime de um perigoso mendigo, que é resultado de muita exploração e sofrimento, análogo à escravidão.

Esse longa é daqueles que faz o público chorar e perceber que nos tornar pessoas melhores é o verdadeiro mote de uma vida de sucesso e, pode se transformar em um motivo real para acordar todos os dias.


4. Padman

Filho de mãe solteira, o indiano Arunachalam Muruganantham nos mostra que para empreender precisamos ter um propósito. Dirigido por R. Balki, o longa mostra a missão de um ser humano que acredita que a menstruação na Índia não pode ser mais um tabu, e precisa deixar de ser um sofrimento para sua mãe, irmãs e tantas outras mulheres do país, principalmente por falta de absorventes.

Inconformado com a situação, o indiano começou a elaborar um produto higiênico que estava ao alcance e, quando não teve com quem testar, simulou um útero, quando o algodão não deu certo, partiu para a celulose. Portanto, a pergunta que fica é, você vai desistir daquele seu propósito?


5. Meu Pé Esquerdo

O menino irlandês Christy Brown nasceu com paralisia cerebral, mas seu pé esquerdo foi o que o salvou. Apenas esse membro e uma força de vontade de viver de verdade os transformaram em pintor e escritor.

Inspiração em cada detalhe deste filme, dirigido por Jim Sheridan, a forma como sua devoção ao seu objetivo de sair junto à sua família da miséria, e deixar de lado o anonimato, passeando por temas como bullying, flertando com a fé, conhecendo as desilusões do amor e a difícil relação com familiares.

Mas a superação vence e se espelhar em quem não tinha nada e consegue tanto, não pelo ponto de vista financeiro, mas sim de suas próprias limitações, é trazer da história, um insight para o próprio progresso.


Sobre o cineasta

O cineasta brasileiro Daniel Bydlowski é membro do Directors Guild of America e artista de realidade virtual. Faz parte do júri de festivais internacionais de cinema e pesquisa temas relacionados às novas tecnologias de mídia, como a realidade virtual e o future do cinema. Daniel também tenta conscientizar as pessoas com questões sociais ligadas à saúde, educação e bullying nas escolas. É mestre pela University of Southern California (USC), considerada a melhor faculdade de cinema dos Estados Unidos. Atualmente, cursa doutorado na University of California, em Santa Barbara, nos Estados Unidos. Recentemente, seu filme Bullies foi premiado em NewPort Beach como melhor curta infantil, no Comic-Con recebeu 2 prêmios: melhor filme fantasia e prêmio especial do júri. O Ticket for Success, também do cineasta, foi selecionado no Animamundi e ganhou de melhor curta internacional pelo Moondance International Film Festival.